O corpo cartesiano entre Platão e Ponty

  • João Batista Prates UNIFESP
  • Cleo Leiva Soares UNIFESP
Palavras-chave: História da Filosofia. Cartesianismo. Fenomenologia.

Resumo

Este texto pretende situar, em panorama, a posição de Descartes entre o paradigma antigo e o contemporâneo para a filosofia: se está distante do ascetismo platônico, todavia, ao afastar-se da tradição de um lado, quando nos aduz a possibilidade de pensarmos por nós próprios e, assim, concebermos o mundo sem o auxílio de outrem, por outro, aproxima-se dela, ao relegar o corpo a uma posição inferior em relação à alma. Merleau-Ponty, em uma tentativa de superação, tenta escapar ao reducionismo cartesiano, ao expressar que nós enxergamos com o corpo, com a visão. Para este último, no traço das filosofias vitais e das fenomenologias que animam o contemporâneo, o corpo está implicado no conhecimento.

Referências

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Os Pensadores. São Paulo, Abril Cultural, 1984.

DESCARTES, RENÉ. Meditações Metafísicas. Col. Os pensadores, vol. XV. São Paulo: Abril Cultural, 1973.

DOSTOIÉVSKI, F. Os irmãos Karamázov. São Paulo: Editora 34, 2008.

KANT, I. Prefácio A; Prefácio B; Introdução B e Doutrina Transcendental do Método (B 736-766). In: Crítica da razão pura. Trad. M.P. Santos & A.F. Morujão. Lisboa: Gulbenkian, 2013.

LAPOUJADE, D. Potências do tempo. São Paulo: N-1 edições, 2013.

LANIER ANDERSON, R. The Introduction to the Critique: Framing the Question. In: Guyer, P. (ed.) The Cambridge Companion to Kant's Critique of Pure Reason. Cambridge University Press, 2010.

MERLEAU-PONTY, M. O olho e o espírito. São Paulo: Cosac Naify Portátil, 2013.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

PLATÃO. Fédon. Os pensadores, vol. III. São Paulo: Abril Cultural, 1972.

PLATÃO. Fedro. Tradução de José Ribeiro Ferreira. Lisboa: Edições 70, 2009

PLATÃO. A república. Tradução de J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2012.

Publicado
16-12-2020