Problematizando o espaço em A cidade e as serras, de Eça de Queirós

  • Ivete lara Camargos Walty PUC Minas
Palavras-chave: Eça de Queirós, A cidade e as serras, Espaços, Problematização,

Resumo

A partir da dicotomia expressa no título da obra, analisam-se os espaços aí configurados e as personagens em seu trânsito, problematizando essa falsa dicotomia, que isenta o campo de questões sociais, colocando-o acima do bem e do mal, em oposição à cidade, que simbolizaria o espaço da degradação e da desumanidade. Para isso, levamse em consideração as categorias de civilização e barbárie, relativizando seus limites sociais e textuais, fazendo flutuar o conceito de representação e seu jogo de máscaras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CARPENTIER, Alejo. Os passos perdidos. Trad. Joseli Viana Batista. São Paulo: Brasiliense, 1985.

KÖTHE, Flávio. Walter Benjamin. São Paulo: Ática, 1985.

QUEIRÓS, Eça de. A cidade e as serras. 21. ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 1995.

SIMMEL, Georg. Metrópole e vida mental. In: VELHO, Otávio (Org.). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Zahar, 1986.

SOUZA, Eneida Maria de. Sujeito e identidade cultural. In: Revista Brasileira de Literatura Comparada, n. 1, Niterói, 1991.

SUSSEKIND, Flora. O Brasil não é longe daqui. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

Publicado
21-03-1997
Como Citar
Walty, I. lara C. (1997). Problematizando o espaço em A cidade e as serras, de Eça de Queirós. Scripta, 1(1), 249-255. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/10161
Seção
Dossiê: Eça de Queirós