Eça de Queirós e a renovação da Língua Portuguesa

  • Wilton Cardoso PUC Minas
Palavras-chave: Eça de Queirós, Modernização da língua, Domínio espanhol, Língua Portuguesa,

Resumo

O ensaio procura mostrar que a modernização da língua em Eça de Queirós é uma reação ao culto do classicismo português originado pelo combate ao barroco como posição política durante o domínio espanhol.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CASTELO BRANCO, Camilo. Esboços de apreciações literárias. Porto: Chardron, 1908.

D'ALMEIDA, Fialho. Camilo, Eça & Malheiros Dias. Lisboa: Livraria Clássica, 1941.

FIGUEIREDO, Fidelino de. Características da literatura portuguesa. Lisboa: Livraria Clássica, 1923.

GARRET, Almeida. Doutrinas de estética literária. Lisboa: [s.n.], 1938.

PIDAL, Rámon Menéndez. Gran innovación en el habla común del siglo XVIII. Iberiada; Revista de Filologia Ibero-Americana, Rio de Janeiro, v. 1, p. 11-31, 1959.

RAMOS, Graciliano. Cartas. Rio de Janeiro: Record, 1981.

SILVEIRA, Sousa da. O problema da língua portuguesa; Entrevista concedida a Homero Senna. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura, 1953.

Publicado
21-03-1997
Como Citar
Cardoso, W. (1997). Eça de Queirós e a renovação da Língua Portuguesa. Scripta, 1(1), 273-280. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/10165
Seção
Dossiê: Eça de Queirós