Pelo mar escuro e ondeante da dúvida - a questão indígena no "Sermão de santo antonio aos peixes"

  • Ettore Finazzi-Agrò Universidade de Roma "La Sapienza".
Palavras-chave: Padre António Vieira, Santo António aos peixes, Silêncio, Voz, mudez indígena

Resumo

No célebre sermão dito de "Santo António aos peixes"- pregado no Maranhão a 13 de junho de 1654 - Antonio Vieira tece o elogio do silêncio. A mudez é, de fato, o tema dominante de uma fala em que se reafirma o poder enredante do texto-tecido discursivo, da trama lógico verbal e da substância vocal que atrai e prende os seus leitores/ouvintes: eles são os peixes e o autor (e agente) do discurso é, sem o confessar de modo claro, o pescador, tornando-se logo, evangelicamente, "pescador de homens". Ele é, finalmente, aquele que confia no poder sedutor não tanto da Voz, quanto sobretudo do Silêncio, entremeado e implícito nela e em que parece ecoar a mudez indígena, tomada como modelo de uma santidade que só na abolição da palavra pode ser virtualmente alcançada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. II linguaggio e la morte. Torino: Einaudi, 1982.

BOLOGNA, Corrado. Flatus vocis; metafísica e antropologia della voce. Bologna: II Mulino, 1992.

CORBIN, Alain. Le territoire du vive. Paris: Aubier, 1988.

MATTOSO, José. O medo do mar. In: CECCUCCI, Piero (Org.). Le caravelle portoghesi sulle vie delle Indie. Roma: Bulzoni, 1993, p. 265-274.

VIEIRA, Pe. António. Os sermões. Organizada e prefaciada por Jamil Almansur Hadda. São Paulo: Nacional, 1957.

Publicado
27-03-1998
Como Citar
Finazzi-Agrò, E. (1998). Pelo mar escuro e ondeante da dúvida - a questão indígena no "Sermão de santo antonio aos peixes". Scripta, 1(2), 175-181. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/10195