O Sertão como Forma de Pensamento

  • Willi Bolle USP
Palavras-chave: Grande Sertão, veredas, Guimarães Rosa, Sertão, Poética da dissolução, Pensamento.

Resumo

Focalizando um micromodelo do sertão, o "Liso do Sussuarão", este ensaio es tuda a construção da paisagem em Grande sertão: veredas como componente de um retrato do Brasil. Partindo do confronto entre geografia inventada e geografia real, examina-se a tese rosiana do sertão como um "pensamento" que "se forma mais forte do que o poder do lugar", comparando essa tese com o paradigma dos viajantes naturalistas, o determinismo positivista de Euclides da Cunha e a nova historiografia. Como traço estilístico dominante é detectado um modo de escrever que se pode chamar de "poética da dissolução", pela qual o romance de Rosa se configura como um poderoso dissolvente de outros tipos de discursos sobre o Brasil.

Referências

A BÍBLIA de Jerusalém. São Paulo: Sociedade Bíblica Católica Internacional c Paulus, 1985.

BAILLY, A. Dictionnaire grec-français. Paris: Hachette, 1950.

BENJAMIN, Walter. Gesammelte Schriften. Frankfurt: Suhrkamp, 1972- 1989. 7v.

BOLLE, Willi. Guimarães Rosa: leitor de Euclides. Brasii/Brazil, Porto Alegre, n. 20, 1998, p. 9-41.

BORGES, Jorge Luis. Historia Universal de la Infamia. Buenos Aires: Emecé, 1990. El tintorero enmascarado H ákim de Me r v. p. 324-328. (Obras completas, I)

BRAUDEL, Fernand. La Méditerranée et !e monde méditerranéen à l'époque de Philippe II. Paris: Arma nd Colin, 1966. 2v.

AULETE, Caldas. Dicionário contemporâneo da língua portuguesa. 5. ed. Rio de Janeiro: Delta, 1964. 5v.

COSTA, Ana Luiza Martins. Poty parceiro de Rosa. Livros, Porto Alegre, out./nov./dcz. 1998.

CUNHA, Euclides da. Os Sertões. São Paulo: Brasiliense, 1985.

DÉMÉTRIOS. Du Style. Ed. e trad . Pierre Chiron. Paris: Les Belles Lettres, 1993. LE PAYSAGE en France et en Allemagne autour de 1800. Revue Germanique Internationale, Paris, n. 7, 1997.

LIMA, Luiz Costa. Terra ignota: a construção de "Os Sertões". Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1997.

LIMA, Nísia Trindade. Um sertão chamado Brasil: intelectuais, sertanejos e imaginação social. Rio de Janeiro: IUPERJ, 1997. (Tese, Doutorado em Letras).

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1967.

BUENO, Francisco da Silveira. Grande dicionário etimológico-prosódico da língua portuguesa. São Paulo: Saraiva, 1968. 8v.

SPIX, Joh. Bapt. von, MARTIUS, Carl Friedr Phil. von. Viagem pelo Brasil 1817-1820. Belo Horizonte: Itatiaia, 1981. 3v.

TAINE, Hippolytc Essais de critique et d'histoire. Paris: Hachette, 1874.

TAINE, Hippolyte. Essay sur Tite-Live. Paris: Hachette, 1860.

UTÉZA, Francis. Metafísica do Grande sertão. São Paulo: Edusp, 1994.

ZILLY, Berthold. Der Sertão as Wiege der Nation ? Zwi:ilfThesen zu Ethnien und Nationbildung in Os Sertões von Euclides da Cunha. In: AKTEN DES BERLIN ER BRASILIEN-KOLLOQUIUMS, 1995, Frankfurt. Brasilien im Umbruch. Fran kfurt: TFM, 1996, p. 275-293.

Publicado
14-10-1998
Como Citar
Bolle, W. (1998). O Sertão como Forma de Pensamento. Scripta, 2(3), 259-271. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/10241
Seção
Especial Guimarães Rosa