Rastros de memória e fagulhas da criação em Cinzas do Norte

  • Roniere Silva Menezes Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG) http://orcid.org/0000-0002-9490-9658
  • Izabel Fonseca Sá Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG)
Palavras-chave: Milton Hatoum, Literatura, Arte, Memória, Política

Resumo

O presente trabalho objetiva investigar o emprego do conceito de memória no processo criativo do romance Cinzas do Norte, de Milton Hatoum. São estabelecidas relações entre a vida do autor e a sua obra, a partir do conceito de “biografema” estabelecido por Roland Barthes. Relações entre vivência, memória, esquecimento e invenção serão abordadas, assim como diálogos entre literatura, memória, corpo e História contemporânea do Brasil. A estrutura do enredo de Cinzas do Norte reflete a perspectiva de trabalhos fragmentários com a memória. A mescla entre cartas, relatos e foco narrativo reconfiguram modalidades mais tradicionais do gênero memorialístico. Todavia, o discurso ainda se prende a um posicionamento ligado, em última instância, à voz do narrador, responsável este por reorganizar os diversos textos e gêneros que se alternam no livro.

 

Biografia do Autor

Roniere Silva Menezes, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG)
Professor do Curso de Letras e da Pós-graduação em Estudos de Linguagens do CEFET-MG. Doutor em Literatura Comparada pelo Programa de Pós-graduação em Estudos Literários da Faculdade de Letras da UFMG. Em 2011, publicou, pela Ed. UFMG, o livro O traço, a letra e a bossa: literatura e diplomacia em Cabral, Rosa e Vincius. Tem desenvolvido pesquisas na área de literatura, cultura e música popular.
Izabel Fonseca Sá, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG)
Graduada em Letras-Tecnologias de Edição pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET-MG. Aluna do mestrado em Estudos de Linguagens do CEFET-MG. Atua como revisora de textos acadêmicos.  Desenvolve pesquisa sobre literatura brasileira contemporânea, política e estudos interartes.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. A comunidade que vem. Lisboa: Editorial Presença, 1993.

AGAMBEN, Giorgio. Homo sacer: o poder soberano e a vida nua I. Trad. Henrique Burigo. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2002.

AGAMBEN, Giorgio. O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha. (Homo Sacer III). Trad. Selvino J. Assmann. São Paulo: Boitempo, 2008.

ANDRADE, Mário de. O banquete. Prefácio de Jorge Coli e Luiz Carlos da Silva Dantas. 2ª. ed. São Paulo: Duas Cidades, 1989.

BARTHES, Roland. Sade, Fourier, Loyola. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito da história. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1994. (Obras escolhidas; v. 1)

CASTELLO BRANCO, Lucia. A traição de Penélope. São Paulo: Annablume Editora, 1994.

CHIARELLI, Stefania. Vidas em trânsito: as ficções de Samuel Rawet e Milton Hatoum. São Paulo: Annablume, 2007.

CURY, Maria Zilda Ferreira. “Imigrantes e agregadas: personagens femininas na ficção de Milton Hatoum”. In: DUARTE, Constância Lima; DUARTE, Eduardo de Assis; BEZERRA, Kátia da Costa (orgs.). Gênero e representação na Literatura Brasileira. Coleção Mulher & Literatura. Vol. II Belo Horizonte: Programa de Pós-graduação em Letras: Estudos Literários, 2002, p. 305-318.

DERRIDA, Jacques. Da hospitalidade: Anne Dufourmantelle convida Jacques Derrida a falar da hospitalidade. Trad. de Antonio Romane. São Paulo: Escuta, 2003.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Diante do tempo: História da arte e anacronismo das imagens. Tradução de Vera Casa Nova e Márcia Arbex. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. 28. ed. Petrópolis: Ed. Vozes, 2004.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Editora 34, 2009.

HATOUM, Milton. Cinzas do norte. 9. reimp. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

HATOUM, Milton. Entrevista com Milton Hatoum. In: CRISTO, Maria da Luz Pinheiro de (Org.). Arquitetura da memória: ensaios sobre os romances Dois irmãos, Relato de um certo Oriente e Cinzas do Norte de Milton Hatoum. Manaus: Universidade Federal Amazonas, 2007.

HATOUM, Milton. Entrevista. In: MARCELO, Carlos. Milton Hatoum.

Correio brasiliense. Brasília: 02 de julho de 2005. Suplemento Pensar, p. 3. In: CHIARELLI, Stefania. Vidas em trânsito: as ficções de Samuel Rawet e Milton Hatoum. São Paulo: Annablume, 2007.

HATOUM, Milton. Um certo Oriente. Letterature D’America. Revista

Trimestrale, anno XXII, n 93-94, 2002. ISSN: 1125-1743. Disponível em: http:// www.miltonhatoum.com.br/wp-content/uploads/2010/11/Letterature-DAmerica. pdf. Acesso em: 15 out. 2015

MARTINS, Bruno Viveiros. Som imaginário: a reinvenção da cidade nas canções do Clube da Esquina. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2009.

NANCY, Jean- Luc. Corpus. Tradução de Tomás Maia. Lisboa: Editora Veja, 2000.

PIMENTEL, Daiane Carneiro. Relato de um certo artista: o testemunho em Cinzas do Norte, de Milton Hatoum. REEL – Revista Eletrônica de Estudos Literários, Vitória, s. 2, ano 8, n. 10, 2012.

PIZA, Daniel. Destinos danados. Entrelivros. São Paulo, n. 5, out. 2005.

Disponível em: http://www2.uol.com.br/entrelivros/noticias/destinos_danados.

html. Acesso em: 20 nov. 2015

SÁNCHEZ, Yvette. Coleccionismo y literatura. Madrid: Cátedra, 1999.

SPALDING, Tassilo Orpheu. Dicionário de mitologia greco-latina. Belo

Horizonte: Livraria Itatiaia, 1965.

VICENZI, Flávia A. de S. Cinzas do norte e a estética modernista. Dissertação de mestrado apresentada ao curso de Pós-graduação em Literatura da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2009. Disponível em: https://repositorio.

ufsc.br/bitstream/handle/123456789/92776/269439.pdf?sequence=1. Acesso em: 4. jun. 2016

Publicado
22-12-2016
Como Citar
Menezes, R. S., & Sá, I. F. (2016). Rastros de memória e fagulhas da criação em Cinzas do Norte. Scripta, 20(39), 291-310. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2016v20n39p291
Seção
Dossiê: realismos e mediações