Poiesis e auto-poiesis em Sinais de fogo, de Jorge de Sena

  • Flávia Nascimento PUC Minas
Palavras-chave: Paradoxo rimbaudiano (subjetividade e alteridade), Relações entre poesia e realidade, Poiesis e auto-poiesis, Bildungsroman

Resumo

Este artigo é uma leitura de Sinais de fogo, de Jorge de Sena, à luz do paradoxo rimbaudiano expresso na lettre du Voyant ("Je est un au­ tre") e propõe o exame da convergência, neste romance de forma­ção, entre a tomada de consciência de si mesmo por seu narrador e a aparição da poesia em sua vida. Tal convergência supõe, como se verá, uma analogia entre poiesis e auto-poiesis e uma correlação entre poe­sia e realidade, entre o ato de criação literária e os acontecimentos que lhe são externos (neste caso, a Guerra Civil espanhola e o salaza­rismo).

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
18-12-2006
Como Citar
Nascimento, F. (2006). Poiesis e auto-poiesis em Sinais de fogo, de Jorge de Sena. Scripta, 10(19), 163-179. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/13970
Seção
Artigos