Mobilidades culturais: o exemplo das revistas alternativas urbanas

  • Ivete Lara Camargos Walty PUC Minas
Palavras-chave: Mobilidades culturais, Agentes culturais, Revistas alternativas urbanas

Resumo

Inspirando-me em Walter Moser (2004), quando ele propõe que,  no contexto histórico contemporâneo, "um agente transfere um objeto cultural de um sistema a outro", estudo aquilo que se pode chamar um outro tipo de enunciação pedestre (cf. CERTEAU, 1994): o trânsito de agentes culturais em suas relações com os segmentos da população que fazem da rua sua casa. Analiso para isso um tipo de revista feita para ser vendida pela população de rua nas grandes cidades. Neste trabalho, concentro-me na revista Ocas, com circulação em São Paulo e no Rio de Janeiro, em diálogo com a L'Itinéraire, de Montreal, a despeito das diferenças econômicas e sociais entre os dois países em questão. A análise dos textos é feita a partir da relação entre três elementos: o espaço físico e simbólico das cidades e das revistas, os agentes mediadores culturais presentes no processo de produção e recepção dessas publica­ções e o trânsito desses agentes por esses espaços.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
30-01-2017
Como Citar
Walty, I. L. C. (2017). Mobilidades culturais: o exemplo das revistas alternativas urbanas. Scripta, 11(20), 195-204. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/14030
Seção
Artigos