Alegoria da aventura de viver

  • Biagio D'Angelo Universidad Sedes Sapientiae, Lima, Peru.
Palavras-chave: Literatura brasileira, Guimarães Rosa, Alegoria.

Resumo

Meu diálogo apaixonado com a literatura  brasileira começou com um pe­ queno livro encontrado por casualidade numa biblioteca de minha cida­ de, não muito aberta a experiências intelectuais transoceânicas, num frio dezembro siciliano de 1988. O livro era Miguilim, numa esplêndida tradução de Eduardo Bizzarri, o tradutor "oficial" da obra rosiana na Itália, com prefácio do reconhecido e sensível autor Antonio Tabucchi. Desde aquele ano, uma frase de Tabucchi me suscitou  atenção, inquietude,  fascinação: "Miguilim está agora em seu cavalo, está partindo, e olha ao entorno. Agora vê o real em seus mais minu­ ciosos contornos. Submerso,  de improviso,  no Agora, o Miguilim afastado do oco do tempo, olha. Mas o que é aquele olhar e o que significa?" Curioso, iniciei a leitura das obras que achava nas livrarias, pergun tando, com olhos inquisidores -como os do pequeno Miguilim -se conheciam e se tinham um autor  brasileiro com nome de atriz do neorealismo  italiano... Entrei, assim, no Sertão. Uma frase de Grande sertão: veredas funcionou  como introdução à viagem pelo sertão  e pelo universo  de Guimarães  Rosa: "Vivendo se aprende; mas o que se aprende, mais, é só a fazer outras maiores perguntas" (ROSA, 1958, p. 389-390).

Referências

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. 2. ed. Rio de Ja neiro: José Olympio, 1958.

Publicado
13-10-2005
Seção
Parte I - Três olhares estrangeiros sobre o III Seminário Internacional Guimarães Rosa