Conceituação e aplicação mítica na Literatura rosiana

  • Olga de Sá PUC-SP
Palavras-chave: Diabólico, Mito, Guimarães Rosa, Contos, Literatura brasileira, Teoria literária.

Resumo

Na sociedade primitiva, é o mito que marca o início e a origem das coisas. É por meio dele que o homem toma consciência de sua condi­ção humana, do estar-no mundo  e ser-para-a  morte. A partir dele, nomeia e dá vida ao que o cerca. Pelos tempos afora, o mito transcen­ deu se u sentido preferencial pela oralidade, a audição- hoje, nos atingi ndo por todos os demais. A mídia moderna oferece-nos, cons­ tanteme nte, releituras de histórias atemporais. Rosa, pela palavra es­ crita renovada, recria o mito  com  todas as suas funções  originais. Com isso interfere no mito original de tal modo que, mais que influ­ enciado por ele, o novo conto  qu ebra as cadeias do tempo e influen­ cia o própri o mito. O "diabólico" em sua dimensão mítica atravessa a ficção de Guimarães Rosa.

Referências

BASTOS, Fernando. Mito e filosofia. Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 1 991 . GALVÃO, Walnice Nogueira. Mitológica rosiana. São Paul o: Ática, 1978. Coleção Ensaios, 37.

GUSDORF, Georges. Mito e metafísica. Tradução Hugo di Primio Paz. São Paul o: Convívio, 1979.

GUIMARÃES ROSA, João. Ficção completa. v. I e II. Rio de Janeiro: Nova Aguilar,

JABOUILLE, Victor et al. Mito e literatura. Portugal: Inquérito, 1993.

MACHADO DE ASSIS, Joaquim. A igreja do Diabo. In: Histórias sem data, in Obras completas, v. II. Rio d e Janeiro: Aguilar, 1994.

VERNANT, Jean-Pierre. Mito e pensamento entre os gregos: estudos de psicologia histórica. Tradução Ha iganuch Sarian. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

Publicado
13-10-2005
Como Citar
de Sá, O. (2005). Conceituação e aplicação mítica na Literatura rosiana. Scripta, 9(17), 281-286. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/14101