Antonio Candido ou direito à poesia

  • Waltencir Alves de Oliveira USP
Palavras-chave: Antonio Candido, Crítica literária brasileira, Historiografia literária, Estudo analítico do poema, Literatura e sociedade

Resumo

O artigo analisa o livro Na sala de aula: caderno de análise literária, de Antonio Candido, situando-o no contexto amplo da obra crítica, teórica e historiográfica do autor. “O caderno”, como o denomina o próprio Candido, foi apresentado em sua primeira edição como uma coletânea de exercícios críticos de análise de poesia. É transcrição quase fiel de um conjunto de seis ensaios analíticos apresentados em um curso de pós-graduação, ministrado pelo professor. A alusão à sala de aula, desde o título da obra, explicita o vínculo estreito entre o professor e o crítico. O que se pretende discutir é como o modelo analítico empregado e como a própria seleção e ordenação dos poemas analisados desvelam, ainda que de forma implícita, a vinculação estreita entre a atividade crítica e todo o conjunto da obra teórico-historiográfica de Antonio Candido. A hipótese que se pretende verificar é como na análise de poesia, Antonio Candido deixa antever os mesmos pressupostos que nortearam todo o conjunto de sua obra.

Biografia do Autor

Waltencir Alves de Oliveira, USP

Professor adjunto de Teoria Literária e Literatura Brasileira do Departamento de Linguística e Literatura (DELLIN), da Universidade Federal do Paraná. Doutor em Teoria Literária e Literatura Comparada pelo DTLLC/ USP.

Referências

ARRIGUCCI JR., Davi. Movimentos de um leitor. In: D’ INCAO, Maria Angla; SCARABÔTOLO, Eloisa Faria. Dentro do texto, dentro da vida. São Paulo: Cia. das Letras, 1992.

AUERBACH, Erich. Mimesis: a representação da realidade na literatura ocidental. Tradução de George B. Sperber. São Paulo. Perspectiva. 1976.

BOSI, Alfredo. Por um historicismo renovado. Teresa. Revista de Literatura Brasileira. São Paulo: USP, 2000.

CANDIDO, Antonio. Literatura de dois gumes. In: CANDIDO, Antonio. A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo. Ática, 1982.

CANDIDO, Antonio. Literatura e subdesenvolvimento. In: CANDIDO, Antonio. A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo. Ática, 1982

CANDIDO, Antonio. A educação pela noite e outros estudos. São Paulo: Ática, 1982.

CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira: momentos decisivos. Belo Horizonte: Martins, 1959.

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. São Paulo: Cia ed. Nacional, 1965.

CANDIDO, Antonio. O albatroz e o chinês. In: CANDIDO, Antonio. O albatroz e o chinês. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2010. p. 13-14.

CANDIDO, Antonio. O albatroz e o chinês. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2010.

CANDIDO, Antonio. As rosas e o tempo. In: CANDIDO, Antonio. O observador literário (1959). 4. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2008.

CANDIDO, Antonio. Entre pastores. In: CANDIDO, Antonio. O observador literário (1959). 4. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2008.

CANDIDO, Antonio. O observador literário (1959). 4. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2008.

CANDIDO, Antonio. Dialética da malandragem. In: CANDIDO, Antonio. 4. ed. O discurso e a cidade. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2010.

CANDIDO, Antonio. O estudo analítico do poema. São Paulo: Humanitas, 1985.

CANDIDO, Antonio. Na sala de aula: caderno de análise literária. São Paulo: Ática, 1987.

CANDIDO, Antonio. Textos de intervenção. Organização, seleção e notas de Vinícius Dantas. São Paulo: 34/Duas Cidades, 2002.

FRIEDRICH, Hugo. Estrutura da lírica moderna. Tradução de Marise Curione e Dora F. da Silva. São Paulo: Duas Cidades, 1982.

SPITZER, Leo. Linguistica e história literária. 2. ed. Tradução de José Perez Riesgo. Madri: Gredos, 1968.
Publicado
20-12-2019
Como Citar
Oliveira, W. A. de. (2019). Antonio Candido ou direito à poesia. Scripta, 23(49), 42-68. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2019v23n49p42-68