A língua não-padrão em traduções literárias brasileiras: nova tendência ou legado histórico?

  • Vanessa Lopes Lourenço Hanes Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Inglês não-padrão. Variação linguística. Português brasileiro. Literatura traduzida. Estudos descritivos da tradução.

Resumo

Há no Brasil uma tendência a elevar o registro do discurso direto em traduções literárias ao introduzir elementos linguísticos da norma culta pouco comuns na oralidade. Por outro lado, análises de traduções recentes do inglês para o português brasileiro, particularmente daquelas publicadas pós- anos 2000, demonstraram tentativas de tradução de variações linguísticas do discurso direto como alguma forma de (pseudo) variação linguística do português brasileiro. Nesse contexto questiona-se: as tentativas de utilização de variação no texto-alvo na tradução da variação do texto-fonte são realmente fenômeno recente na tradução literária? Ou seria possível encontrar elementos que apontam para uma resistência contra o uso homogeneizado da norma culta ao traduzir o discurso direto não-padrão já nas primeiras décadas do século XX? Achados indicam que a tentativa de dar voz às representações do discurso não-padrão em traduções literárias brasileiras utilizando português não-padrão é uma prática relativamente antiga, ainda que nunca tenha sido homogênea.

Referências

ALVA, Rodrigo; SALGUEIRO, Maria Aparecida Andrade. Zora Neale Hurston and Their Eyes Were Watching God: the construction of an African-American female identity and the translation turn in Brazilian Portuguese. Lexington: Lambert Academic Publishing, 2010.
AZEVEDO, Milton. Vozes em branco e preto: a representação literária na fala não-padrão. São Paulo: EDUSP, 2003.
BAGNO, Marcos. A norma oculta: língua & poder na sociedade brasileira. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.
______. Genocídio, migração forçada e contato na formação do português brasileiro. Revista de Humanidades e Letras, v. 1, n. 1, p. 4-15, 2014.
BAILEY, Guy H. African American English. In: JOHNSON, E; MONTGOMERY, M. (Ed.). The New encyclopedia of southern culture. Chapel Hill: The University of North Carolina Press, 2007, v. 5, p. 29-35.
BRITTO, Paulo Henriques. A tradução literária. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.
EVEN-ZOHAR, Itamar. Polysystem theory. Poetics Today, Durham, v. 11, n. 1, p. 3-26, 1990.
FREEMAN, R. A. O Incrível Dr. Thorndyke. Tradução de L. Cunha. Porto Alegre: Livraria do Globo, 1933.
GADINI, S. J.; WOITOVICZ, K. J. Noções básicas de folkcomunicação. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2007.
GOETSCH, Paul. Feigned orality in the narrative styles of developed literary cultures+ oral and literate language in the 19th-century novel. Poetica-zeitschrift fur sprach-und literaturwissenschaft, v. 17, n. 3-4, p. 202-218, 1985.
HALLIDAY, Michael Alexander Kirkwood. Spoken and written language. Hong Kong: Oxford University Press, 1985.
HANES, V. L. L. The language of translation in Brazil: written representations of oral discourse in Agatha Christie. 2015. 308 f. Tese (Doutorado em Estudos da Tradução) – Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015. Disponível em: < https:// repositorio.ufsc.br/handle/123456789/158404?show=full>. Acesso em: 30 maio 2018.
HENRIQUE, Joyce Kelly Barros; ARRUDA, Talita Nascimento. O exílio de Elisa: a produção literária da primogênita Lispector. In: XIII CONGRESSO INTERNACIONAL DA ABRALIC: Internacionalização do Regional. 2013, Campina Grande, PB. Anais... Campina Grande, PB: Editora Realize, 2013. Disponível em: < https://www.editorarealize.com.br/revistas/abralicinternacional/trabalhos/Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_531_b34b42cdc8a10fad3631ce98c07a2e3f.pdf>. Acesso: 13 set. 2019.
LIPPI-GREEN, R. English with an accent: language, ideology and discrimination in the United States. New York: Routledge, 2007.
MITCHELL, Margaret. ... E o vento levou. Tradução de Francisca de Basto Cordeiro. Rio de Janeiro: Irmãos Pongetti Editores, 1940.
MOREIRA, W. C. Literatura e variedade caipira: os caipiras de Valdomiro Silveira. In: Linguasagem. V. 4, 2008. Disponível em: . Aces-so em: 01 nov 2011.
ONG, Walter. Orality and literacy: the technologizing of the world. New York: Routledge, 2002.
PAGANINE, Carolina Geaquinto. Três contos de Thomas Hardy: tradução comentada de cadeias de significantes, hipotipose e dialeto. 2011. 314 f. Tese (Doutorado em Estudos da Tradução) – Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011. Disponível em: < https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/95499>. Acesso em: 12 set 2019.
SOUSA, Thaís Polegato de; AMORIM, Lauro Maia. As Relações entre tradução e adaptação e as variações da identidade negra em A Cabana do Pai Tomás, de Harriet Beecher Stowe. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 54, n. 3, p. 545-568, 2015.
STOWE, H. Beecher. A Cabana do Pai Tomás. São Paulo: Edições Paulinas, 1957.
TOURY, Gideon. Descriptive translation studies and beyond. Amsterdam: John Benjamins, 1995.
TWAIN, Mark. As Aventuras de Huckleberry Finn. Tradução de Rosaura Eichenberg. Porto Ale¬gre: L&PM, 2011.
VENUTI, Lawrence. The translator’s invisibility: a history of translation. New York: Routledge, 1995.
Publicado
08-07-2020
Como Citar
Hanes, V. L. L. (2020). A língua não-padrão em traduções literárias brasileiras: nova tendência ou legado histórico?. Scripta, 24(50), 90-112. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2020v24n50p90-112