Imediaticidade Pragmática e Uso do Presente do Indicativo em Manchetes e Subtítulos Jornalísticos

Palavras-chave: Manchete jornalística. Subtítulo. Presente do indicativo. Estrutura conceptual. Ato de Fala.

Resumo

Este artigo examina o uso do Presente do Indicativo em manchetes e subtítulos de jornais online em português, sob a perspectiva da Gramática Cognitiva. A análise tem o objetivo de investigar os mecanismos cognitivos e pragmáticos associados ao uso do Presente do Indicativo para referência a eventos passados, contrastando-o com usos do Passado no mesmo contexto. A investigação parte da noção de imediaticidade epistêmica, referente ao presente simples em inglês (LANGACKER, 2001, 2009), expandindo-a para propor a noção de imediaticidade pragmática, relacionada à realização do ato de fala de noticiar. Os resultados indicam que o uso do Presente do Indicativo predomina nas manchetes, e que a combinação temporal mais frequente é MANCHETE (Presente do Indicativo) – SUBTÍTULO (Pretérito).

Biografia do Autor

Caroline Soares, Universidade Federal do Rio de Janeiro/Doutorado

Doutora em Linguística pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2019). Possui Mestrado em Estudos da Linguagem (2013), Especialização em Leitura e Produção de textos (2005) e em Língua Portuguesa (2007) pela Universidade Federal Fluminense. Graduada em Português / Literaturas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2003). Tem experiência nas áreas de Funcionalismo Linguístico e Linguística Cognitiva, nas quais desenvolveu pesquisas de mestrado e doutorado, respectivamente. Atualmente, investiga a relação entre linguagem e cognição no contexto do jornalismo online.

Lilian Ferrari, Universidade Federal do Rio de Janeiro / Professora

Possui Graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1980), Mestrado em Linguística pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1985), Doutorado em Linguística pela University of Southern California, Los Angeles/ Universidade Federal do Rio de Janeiro (1994), e Pós-doutorado na University of California, Berkeley (2006). Atualmente é Professora Titular do Departamento de Linguística e Filologia, e membro permanente do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Tem experiência nas áreas de Funcionalismo Linguístico e Sociolinguística (variação linguística e redes sociais), nas quais desenvolveu pesquisas de mestrado e doutorado, respectivamente. Atua, desde 1995, na área de Linguística Cognitiva. Sob a ótica da Teoria dos Espaços Mentais, da Gramática Cognitiva e da Gramática de Construções, investiga as relações entre estrutura linguística e estrutura conceptual, a partir do projeto "(Inter)subjetividade, ponto de vista e dêixis em espaços condicionais" (CNPq). É coordenadora do LINC - Laboratório de Pesquisas em Linguística Cognitiva (https://ufrjlinc.wordpress.com), no qual desenvolve pesquisas sobre o Português Brasileiro, o Português Europeu e o Inglês, orientando trabalhos de IC, Mestrado e Doutorado, além de supervisões de pós-doutorado. É autora e coautora de várias publicações nacionais e internacionais, entre as quais se destacam os livros "Espaços mentais e construções gramaticais: do uso linguístico à tecnologia" (Rio de Janeiro, 2009, org.), "Introdução à Linguística Cognitiva" (São Paulo: Contexto, 2011), "A Linguística no Século XXI: convergências e divergências no estudo da linguagem" (Contexto, 2016, em coautoria com Aniela I. França e Marcus Maia), "Linguística Cognitiva: da linguagem aos bastidores da mente" (Álvaro e Ferrari, 2016, org.), e os capítulos "Subjectivity and upwards projection in mental space structure" em co-autoria com Eve Sweetser, no livro "Viewpoint in language; a multimodal perspective"(in Dancygier e Sweetser (org), Cambridge University Press, 2012), "Sociolinguística Cognitiva" (in Mollica e Ferrarezi (org), Sociolinguística, Sociolinguísticas, Contexto, 2016).

Referências

ESTADÃO. Disponível em < http://www.estadao.com.br/>. Acesso em março-abril de 2015.
FAUCONNIER, Gilles. Mental Spaces: Aspects of Meaning Construction in Natural Language. Cambridge, MA: The MIT Press, 1985.
AUTOR 2, Ano.
FOLHA DE SÃO PAULO. Disponível em . Acesso em março-abril de 2015.
JORNAL DO BRASIL. Disponível em . Acesso em março-abril de 2015.
LANGACKER, R. The English Present Tense. English Language and Linguistics. Vol.5(2). Cambridge University Press, 2001. pp. 251-272.
LANGACKER, R. Cognitive Grammar: a basic introduction. New York: Oxford University Press, 2008.
LANGACKER, R. The English present: Temporal coincidence vs. epistemic immediacy. In: LANGACKER, R. Investigations in cognitive grammar. (Cognitive linguistics research; 42). New York: Mouton de Gruyter Berlin, 2009. Capítulo 7, pp. 185-218.
LANGACKER, R. Conferência Linguistic construal and conceptual analysis. I WORKSHOP INTERNACIONAL DO LINC (Laboratório de Linguística Cognitiva), UFRJ, 2016.
MARMARIDOU, S. Pragmatic meaning and cognition. Amsterdam/ Philadelphia: John Benjamins, 2000.
O GLOBO. Disponível em . Acesso em março-abril de 2015.
AUTOR 1, Ano.
Publicado
23-09-2020
Como Citar
Soares, C., & Ferrari, L. (2020). Imediaticidade Pragmática e Uso do Presente do Indicativo em Manchetes e Subtítulos Jornalísticos. Scripta, 24(51), 265-292. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2020v24n51p265-292