‘Caminho de São Tiago’ ou ‘Via Láctea’: por onde passam as escolhas lexicais no atlas linguístico do Paraná?

  • Selma Sueli Santos Guimarães ESEBA / UFU
Palavras-chave: Palavras-chave: Escolhas lexicais. Via Láctea. Memória discursiva.

Resumo

Investigar uma língua e suas variações implica investigar também a cultura, pois é possível dizer que as características culturais de uma sociedade são, normalmente, armazenadas por meio do sistema linguístico, sobretudo por meio do léxico. No Brasil, a língua falada é o português. Apesar disso, verifica-se, em todo o País, uma grande diversidade na escolha lexical feita pelo sujeito para nomear a realidade à sua volta. O registro das variações linguísticas é, normalmente, obtido pela aplicação do Questionário Semântico-Lexical. O presente estudo tem o objetivo de depreender e identificar a produção de sentidos e os registros da memória discursiva subjacente aos elementos textuais-discursivos presentes nas respostas dos sujeitos a uma questão do Questionário Semântico-Lexical, utilizado para a elaboração do Atlas Linguístico do Paraná, por Aguilera em 1994. A questão é: “Em noite bem estrelada, como se chama aquele espaço cheio de estrelas, até esbranquiçado, que fica bem no meio do céu?”. Para a análise, foram examinados os itens lexicais utilizados pelos sujeitos em suas respostas, as notas relativas aos cartogramas e as observações da autora do atlas. A análise permitiu observar que as diversas escolhas lexicais, ao produzir novos efeitos de sentido, constituem-se no registro da memória discursiva na qual se inscrevem os sujeitos e da qual eles se apropriam em suas interações, sustentando a ideia de que o sentido se produz em um espaço social diretamente ligado à inscrição ideológica do sujeito, pois sua voz revela esse espaço social no qual ele se inscreve.

Referências

AGUILERA, Vanderci de Andrade. Atlas lingüístico do Paraná. Curitiba: Imprensa Oficial do Estado, 1994.
AGUILERA, Vanderci de Andrade. Atlas lingüístico do Paraná: apresentação. Londrina: Editora da UEL, 1996.
AGUILERA, Vanderci de Andrade. Atlas lingüístico do Paraná: gênese e princípios metodológicos. In: AGUILERA, Vanderci de Andrade (Org.). A geolingüística no Brasil: trilhas seguidas, caminhos a percorrer. Londrina: EDUEL, 2005. p. 137-176.
ALTENHOFEN, Cléo Vilson. Interfaces entre Dialetologia e História. In: MOTA, Jacyra Andrade; CARDOSO, Suzana Alice Marcelino (Orgs.). Documentos 2: projeto atlas lingüístico do Brasil. Salvador: Quarteto, 2006. p. 159-185.
BANDEIRA, Manuel. Estrela da Vida Inteira – Poesias Reunidas. Rio de Janeiro: José Olympio, 1983.
BORBA, Francisco da Silva. Dicionário de usos do Português do Brasil. São Paulo: Ática, 2002.
BRANDÃO, Helena H. Nagamine. Introdução à Análise do Discurso. 7. ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 1995.
CALDAS AULETE, Francisco Júlio. Dicionário contemporâneo da língua portuguesa. 3. ed. Rio de Janeiro: Delta, 1980.
CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do folclore brasileiro. 3. ed. Rio de janeiro: Tecnoprint, 1972.
CHAUI, Marilena de Souza. Brasil: mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2001.
CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT,Alain. Dicionário de símbolos: (mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números). 17. ed. Rio de janeiro: José Olympio, 2002.
COURTINE, Jean-Jacques. Discursos sólidos, discursos líquidos: a mutação das discursividades contemporâneas. In: SARGENTINI, Vanice; GREGOLIN, Maria do Rosário (Orgs.). Análise do discurso: heranças, métodos e objetos. São Carlos: Editora Claraluz, 2008. p.11-19.
COURTINE, Jean-Jacques. Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. São Carlos: EdUFSCar, 2009. 99-121.
FERNANDES, Cleudemar Alves. Os sujeitos e os discursos na história. In: FERNANDES, Cleudemar Alves et al. (Orgs.). Sujeito, identidade e memória. Uberlândia: EDUFU, 2004. p.111-122.
FERNANDES, Cleudemar Alves. Análise do discurso: reflexões introdutórias. 2. ed. São Carlos: Editora Claraluz, 2008.
FERREIRA, Aurélio B. de H. Novo dicionário da língua portuguesa. 4. ed. Curitiba: Positivo, 2009.
FERREIRA, Manuela Barros. Língua e património: a palavra como lugar de onde se vê o mundo. In: ISQUERDO, Aparecida Negri (Org.). Estudos geolinguístcios e dialetais sobre o português: Brasil – Portugal. Campo Grande, MS: Ed. UFMS, 2008. p. 289-311.
FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. 18. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2009.
FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.
GREGOLIN, Maria do Rosário Valencise. Sentido, sujeito e memória: com o que sonha nossa vã autoria? In: GREGOLIN, M. do R. V.; BARONAS, Roberto (Org.). Análise do Discurso: as materialidades do sentido. São Carlos: Claraluz, 2001. p. 60-78.
GREGOLIN, Maria do Rosário Valencise. Foucault e Pêcheux na análise do discurso: diálogos e duelos. 2. ed. São Carlos: Editora Claraluz, 2006.
GREGOLIN, Maria do Rosário Valencise. Formação discursiva, redes de memória e trajetos sociais de sentido: mídia e produção de identidades. In: BARONAS, Roberto Leiser (Org.). Analise do discurso: apontamentos para uma história da noção-conceito de formação discursiva. São Carlos: Pedro & João Editores, 2007. p. 155-168.
GUIMARÃES, Selma Sueli Santos. A intertextualidade em Clarice Lispector: uma visão contemporânea da narrativa bíblica. 118 f. Dissertação (mestrado). Uberlândia: Instituto de Letras e Lingüística da Universidade Federal de Uberlândia, 2002.
GUIMARÃES, Selma Sueli Santos. Geolinguística e Análise do Discurso: possibilidades de recorrências. In: VII Congresso Internacional da ABRALIN, 2011, Curitiba. Anais eletrônicos do VII Congresso Internacional da ABRALIN. Curitiba: Contexto, 2011. p. 3977-3989.
GUIMARÃES, Selma Sueli Santos. Chuvisqueiro, chuva fina, garoa ou neblina. In: SANTOS, Irenilde Pereira dos; CRISTIANINI, Adriana C. (Orgs.). Sociogeolinguística em questão: reflexões e análises. São Paulo: Paulistana, 2012. p. 67-88.
HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro Salles. Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 1 CD ROM, 2009.
MOTA, Pedro Teixeira da. Da Via Láctea. Disponível em: . Acesso em: 29 out. 2012.
MOURÃO, Ronaldo Rogério de Freitas. Dicionário enciclopédico de astronomia e astronáutica. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1987.
ORLANDI, Eni Puccinelli. Maio de 68: os silêncios da memória. In: ACHARD, Pierre et al. Papel da memória. Campinas: Pontes, 1999. p. 59-71.
ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 3. ed. Campinas: Pontes, 2001a.
ORLANDI, Eni Puccinelli. Discurso e texto: formação e circulação dos sentidos. Campinas: Pontes, 2001b.
PAIVA, Jorge O’Grady. Dicionário de astronomia e astronáutica. 3. ed. Rio de Janeiro: Revista Continente Editorial, 1979.
PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: EDUNICAMP, 1997.
PÊCHEUX, Michel. Papel da memória. In: ACHARD, Pierre et al. Papel da memória. Campinas: Pontes, 1999. p. 49-57.
PÊCHEUX, Michel. O discurso: estrutura ou acontecimento. 4. ed. Campinas: Pontes, 2006.
PÊCHEUX, Michel. Leitura e memória: projeto de pesquisa. In: PÊCHEUX, Michel. Análise de Discurso. Textos escolhidos por Eni P. Orlandi. Campinas: Pontes Editores, 2011. p. 141-150.
RASTIER, F. Sémantique interprétative. 2. ed. Paris: Presses Universitaires de France, 1996.
SPALDING, Tassilo Orpheu. Dicionário da mitologia Greco-latina. Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 1965.
THEOPHILO, Francisco. Coincidências da Via Láctea. Rio de Janeiro: Mauad, 2000.
ZILLES, Urbano. Significação dos símbolos cristãos. 6. ed. Porto Alegre: Edipucrs, 2006.
Publicado
08-07-2020
Como Citar
Guimarães, S. S. S. (2020). ‘Caminho de São Tiago’ ou ‘Via Láctea’: por onde passam as escolhas lexicais no atlas linguístico do Paraná?. Scripta, 24(50), 282-309. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2020v24n50p282-309