Os verbos de estado no português brasileiro: propriedades semânticas e classificação

  • Kely Stefani de Oliveira Universidade Federal de Minas Gerais
  • Luana Lopes Amaral Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Verbos de estado. Aspecto lexical. Sintaxe. Semântica. Português brasileiro.

Resumo

Tradicionalmente, na literatura linguística, os verbos de estado possuem análises controversas. Por um lado, há autores que analisam esses verbos como elementos semânticos primitivos e como uma classe uniforme de verbos. Por outro, há autores que identificam uma composicionalidade nesses itens, considerando que eles se distribuem por diferentes classes verbais. Neste artigo, tomamos como objeto de estudo os verbos de estado do português brasileiro, com o objetivo de mostrar que esses verbos, em nossa língua objeto, seguem o segundo padrão de análise explicitado: são itens composicionais e decomponíveis e não possuem comportamento uniforme, se distribuindo por diferentes classes. Para tanto, analisamos 36 verbos de estado do português brasileiro, à luz do quadro teórico-metodológico da Semântica Lexical.

Referências

BACH, Emmon. The Algebra of Events. Linguistics and Philosophy, Vol. 9, n.1, p. 5-16, 1986.
BECHIR, Thaís. Análise da relevância da propriedade semântica “reciprocidade” nos verbos recíprocos intransitivos do Português Brasileiro. Revista do GEL, 2019.
BORBA, Francisco. (Coord.) Dicionário gramatical de verbos do português contemporâneo do Brasil. 2. ed. São Paulo: Editora da Unesp, 1990.
CANÇADO, Márcia. Manual de semântica: noções básicas e exercícios. 3. ed. São Paulo: Contexto [1. ed., 2005, Editora UFMG], 2013.
CANÇADO, Márcia. Verbos psicológicos: a relevância dos papéis temáticos visto sob a ótica de uma semântica representacional. Tese (Doutorado em Linguística) – IEL, Unicamp, Campinas, 1995.
CANÇADO, Márcia; AMARAL, Luana. Introdução à Semântica Lexical: Papéis Temáticos, aspecto lexical e decomposição de predicados. Petrópolis: Editora Vozes, 2016.
CANÇADO, Márcia; AMARAL, Luana; MEIRELLES, Letícia. e colaboradores. Banco de Dados Lexicais VerboWeb: classificação sintático-semântica dos verbos do português brasileiro. UFMG. 2017. Disponível em: http://www.letras.ufmg.br/verboweb/
CANÇADO, Márcia; GODOY, Luisa; AMARAL, Luana. Catálogo de verbos do português brasileiro: classificação verbal segundo a decomposição de predicados. Vol I. Verbos de mudança, 2 ed. Edição Revisada Amazon, [1. ed., 2013, Editora UFMG], 2017.
CANN, Ronnie. Formal Semantics: An introduction. Cambridge: Cambridge University Press, 1993.
CARLSON, Gregory. Reference to Kinds in English. PhD dissertation, University of Massachusetts, Amherst, 1977.
CUNHA, Luís. Phase states and their Interaction with individual-level and stage-level predicates. In: Sobre los estados y estatividad, GUTIÉRREZ, Àngeles. Munique: Lincom GmbH, p. 45-62, 2011.
CUNHA, Luís. Semântica das Predicações Estativas: para uma Caracterização Aspectual dos Estados, Dissertação de Doutoramento, Porto, Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2004.
DOWTY, David. Word Meaning and Montague Grammar. Dordrecht: D. Reidel, 1979.
DUARTE, Inês. A família das construções inacusativas. In: MATEUS, Maria; FARIA; Isabel; DUARTE, Inês. Gramática da língua portuguesa. Lisboa: Caminho, p.507-548, 2003.
GARCIA, Afrânio. Uma tipologia semântica do verbo. In: Soletras, ano IV, n. 8. São Gonçalo: UERJ, pp. 52-70, 2004.
GODOY, Luísa. A reflexivização no português brasileiro e a decomposição semântica de predicados. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras, UFMG, Belo Horizonte, 2012.
GODOY, Luísa. Os verbos recíprocos no PB: Interface sintaxe-semântica lexical. 2008. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, 2008.
GRIMSHAW, Jane. Words and structure. Stanford: CSLI/University of Chicago Press, 2005.
LAKOFF, George. Irregularity in Syntax. New York: Holt, Rinehart and Winston, 1970.
LEVIN, Beth. English verb classes and alternations: a preliminary investigation. Chicago: University of Chicago Press, 1993.
LEVIN, Beth; RAPPAPORT HOVAV, Malka. Argument Realization. Cambridge: Cambridge University Press, 2005.
MAIENBORN, Claudia. Die logische Form von Kopula-Satzen. Berlin: Akademie-Verlag, 2003.
MEIRELLES, Letícia. A fatoração de argumentos verbais no PB. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018.
MIOTO, Carlos; SILVA, Maria; LOPES, Ruth. Novo Manual de Sintaxe. Florianópolis: Insular, 3ed, 2007.
MOREIRA, Carla. Princípio de Ligação Sintaxe/Semântica: Construções Estativas. Dissertação de Mestrado, UFMG, 2000.
MORGAN, Jerry. On Arguing about semantics. Papers in linguistics, v.1, p. 49-70, 1969.
PINKER, Steven. Learnability and Cognition: The Acquisition of Argument Structure (1989/2013) (New Edition.). Cambridge, MA: MIT Press, 2013 [1989].
RAPPAPORT HOVAV, Malka; LEVIN, Beth. Building Verb Meanings. In: BUTT, Miriam; GEUDER, Wilhelm. The projection of arguments: Lexical and Syntactic Constraints. Stanford: CSLI Publications, Stanford University, p. 97-134, 1998.
ROTHMAYR, Antonia. The structure of stative verbs. Amsterdam & Philadelphia: John Benjamins, 2009.
SILVA, Rosa. A variação ‘haver/ter’. In: SILVA, Rosa Virgínia Mattos (Org.). A carta de Caminha: testemunho linguístico de 1500. Salvador: EDUFBA, p. 181-93, 1996.
VAN VALIN, Robert. Exploring the Syntax-Semantics Interface. Cambridge: Cambridge University Press, 2005.
VENDLER, Zeno. Linguistics in Philosophy. Ithaca: Cornell, 1967.
VILELA, Mário. Gramática de valências: teoria e aplicação. Coimbra: Almedina, 1992.
VIOTTI, Evani. Sobre o efeito de definitude nas sentenças existenciais. Revista do Gel, n. especial, 127-153, 2002.
WUNDERLICH, Dieter. Lexical Decomposition in Grammar. In: WERNING, Markus; HINZEN, Wolfram; MACHERY, Edouard. The Oxford Handbook of Compositionality. Oxford: Oxford University Press, p. 307-327, 2012.
Publicado
23-09-2020
Como Citar
Oliveira, K. S. de, & Amaral, L. L. (2020). Os verbos de estado no português brasileiro: propriedades semânticas e classificação. Scripta, 24(51), 328-360. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2020v24n51p328-360