Gramática, ensino de língua portuguesa e formação do professor

  • Sandoval Nonato USP
Palavras-chave: Ensino de língua portuguesa, Formação docente, Gramática escolar

Resumo

Este estudo propõe discutir o estatuto da gramática como componente curricular da disciplina língua portuguesa na escola brasileira. Para tanto, apresenta, inicialmente, um panorama dos modos como a gramática escolar emerge no percurso histórico de constituição do ensino de língua portuguesa. Em seguida, contrasta esse estatuto historicamente construído com práticas de ensino de língua portuguesa atuais mediadas por estudantes de licenciatura em Letras, por ocasião de realização de estágio em escolas da rede pública da cidade de São Paulo (Brasil). A descrição e a análise do processo de implementação de um projeto de ensino sobre o funcionamento do verbo no texto poético, por um estudante, conforme registrado em seu relatório de estágio, permitem problematizar alguns desafios que a abordagem da gramática coloca para as práticas de ensino e para a formação do professor de língua portuguesa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandoval Nonato, USP

Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP). Professor do Departamento de Metodologia de Ensino e Educação Comparada. Doutorado em Linguística (Universidade Estadual de Campinas, 2004). Estágio pós-doutoral em Didática de Línguas (Universidade de Genebra, 2006). Experiência em Linguística Aplicada, Linguística Textual e Ensino-Aprendizagem (Métodos e Técnicas de Ensino). Pesquisa: formação e trabalho do professor de língua portuguesa e produção e recepção de gêneros textuais na escola.

Referências

ANGELO, Graziela. A gramática e o ensino de língua portuguesa: à busca de compreensão. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 10, n. 4, p. 931-947, 2010.

ANTUNES, Irandé. Muito além da gramática: por um ensino de línguas sem pedras no caminho. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

AUROUX, Sylvain. A revolução tecnológica da gramatização. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1992.

BAGNO, Marcos. (org.). Linguística da norma. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

BATISTA, Antônio Augusto Gomes. Aula de português – discurso e saberes escolares. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BENTES, Anna Christina. Linguagem oral no espaço escolar: rediscutindo o lugar das práticas e dos gêneros orais na escola. In: ROJO, Roxane; RANGEL, Egon. (org.). Explorando o ensino: Língua Portuguesa. Brasília: Ministério da Educação, 2010. p. 15-35.

BENTES, Anna Christina; MARIANO, Rafaela D. A linguagem dos manos: é possível falar sobre um registro popular paulista? In: CUNHA, Maria Angélica F. da; CEZARIO, Maria Maura (org.). Linguística centrada no uso: uma homenagem a Mário Martelotta. Rio de Janeiro: Mauad, 2013. p. 147-161.

BEZERRA, M. A.; REINALDO, M. A. Análise linguística, afinal, a que se refere? São Paulo: Cortez, 2013.

BORTONI-RICARDO, Stela Maris. Nós cheguemu na escola, e agora? Sociolinguística e Educação. São Paulo: Parábola Editorial, 2005.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2017.

BRASIL. Orientações curriculares para o Ensino Médio. Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais. Terceiro e Quarto Ciclos do Ensino Fundamental: Língua Portuguesa. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Ensino Fundamental, 1998.

BRITTO, Luiz Percival Leme. A sombra do caos: ensino de língua x tradição gramatical. Campinas: Mercado de Letras / Associação de Leitura do Brasil, 1997.

BUNZEN, Clécio. A fabricação da disciplina escolar Português. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 11, p. 885-911, 2011.

BUNZEN, Clécio; MEDEIROS, Rejane Rodrigues Almeida de. O ensino de gramática na primeira república (1889-1930): uma análise da Gramática Expositiva, de Eduardo Carlos Pereira. Linha D’ Água (Online), São Paulo, v. 29, n. 1, p. 119-141, 2016.

BUNZEN, Clécio dos Santos; NASCIMENTO, Gláucia Renata Pereira do. Gramática na sala de aula: algumas reflexões sobre o ensino dos substantivos. Letras, Santa Maria, v. 29, n. 58, p. 249-275, 2019.

CALVINO, Ítalo. Leveza. In: CALVINO, Ítalo. Seis propostas para o próximo milênio. São Paulo: Companhia das Letras, 1990. p. 12-41.

CARRETER, Fernando Lázaro; LARA, Cecília de. Manual de explicação de textos – Cursos Médio e Superior. São Paulo: Editora Centro Universitário, 1962.

CASTILHO, Ataliba Teixeira de. Variação linguística, norma culta e ensino da língua materna. In: SUBSÍDIOS à proposta curricular de língua portuguesa para o 1o e 2o graus. Coletânea de textos. São Paulo: Secretaria de Educação/CENP (Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas), 1987. v. 1, p. 53-59.

COSTA VAL, Maria das Graças. A gramática do texto, no texto. Revista Estudos Linguísticos, Belo Horizonte, v. 10, n. 2, p. 107-133, 2002.

FARACO, Carlos Alberto. Gramática e ensino. Diadorim, Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, p. 11-26, 2017.

FRANCHI, Carlos. Gramática e criatividade. Trabalhos em Linguística Aplicada (UNICAMP), [s. l.], n. 9, p. 5-45, 1987.

GERALDI, João Wanderley. Portos de passagem. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

GERALDI, João Wanderley; SILVA, Lilian Lopes Martin da; FIAD, Raquel Salek. Linguística, ensino de língua materna e formação de professores. DELTA, [s. l.], v. 12, n. 2, p. 307-326, 1996.

GOMES-SANTOS, Sandoval Nonato. Formação inicial e letramento do professor de língua portuguesa: conceber, implementar e avaliar projetos de ensino (Projeto de Pesquisa). Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Bolsa de Produtividade em Pesquisa 310898/2015-3, 2019.

GOMES-SANTOS, Sandoval Nonato; SEIXAS, Caroline. Gêneros textuais da formação docente inicial: o projeto de ensino de língua portuguesa. Scripta, Belo Horizonte, v. 16, p. 151-168, 2012.

KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. Introdução à Linguística Textual: trajetória e grandes temas. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

LAHIRE, Bernard. La raison scolaire – école e pratiques d’ecriture, entre savoir et pouvoir. Rennes, FR: Presses Universitaires de Rennes, 2008.

LOURENÇO, Delane Cristina Galiza; ARAÚJO, Denise Lino de. A proposta da análise linguística/semiótica na BNCC: a natureza dos objetos de conhecimento. Eutomia, [s. l.], v. 23, n. 1, p. 88-107, 2019.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Cognição, linguagem e práticas interacionais. Rio de janeiro: Lucerna, 2007.

MENDONÇA, Márcia. Análise Linguística no Ensino Médio: um novo olhar, um outro objeto. In: BUNZEN, Clécio; MENDONÇA, Márcia (org.). Português no ensino médio e formação do professor. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 199-226.

NEVES, Maria Helena de Moura. Gramática na escola. São Paulo: Contexto, 1990.

NONATO, Sandoval. Escrita, ensino de língua portuguesa e formação do professor. Trabalhos em Linguística Aplicada, [s. l.], v. 58, p. 1.282-1.309, 2019a.

NONATO, Sandoval. Oralidade, ensino de língua portuguesa e formação do professor. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, [s. l.], v. 19, p. 49-68, 2019b.

PIETRI, Emerson. A constituição do discurso da mudança do ensino de língua materna no Brasil. 2003. 202 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2003.

PIETRI, Emerson. Sobre a constituição da disciplina curricular de língua portuguesa. Revista Brasileira de Educação, [s. l.], n. 15, p. 70-83, 2010.

POSSENTI, Sírio. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas: Associação de Leitura do Brasil/Mercado de Letras, 1996.

RAZZINI, Márcia de Paula Gregório. O espelho da nação: a antologia nacional e o ensino de português e de literatura (1838-1971). 2000. 442 f. Tese (Doutorado em Teoria e História Literária) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2000.

ROJO, Roxane Helena Rodrigues. Gêneros de discurso/texto como objeto de ensino de línguas: um retorno ao trivium? In: SIGNORINI, Inês, (org.). Rediscutir texto, gênero e discurso. São Paulo: Parábola Editorial, 2008. p. 73-108.

SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquin. (org.). Des objets enseignés en classe de français – Le travail de l’enseignant sur la rédaction de texts argumentatifs et sur la subordonnée relative. Rennes, FR: Presses Universitaires de Rennes, 2009.

SIGNORINI, Inês. Por uma teoria da desregulamentação linguística. In: BAGNO, Marcos. (org.). Linguística da norma. São Paulo: Edições Loyola, 2002. p. 93-125.

SILVA, Wagner R. Escrita do gênero relatório de estágio supervisionado na formação inicial do professor brasileiro. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, [s. l.], v. 13, p. 171-195, 2013.

SILVA, Wagner R.; MELO, Lívia C. de. Relatório de estágio supervisionado como gênero discursivo mediador da formação do professor de língua materna. Trabalhos em Linguística Aplicada, [s. l.], v. 47, p. 131-149, 2008.

SOARES, Magda. Português na escola – história de uma disciplina curricular. In: BAGNO, Marcos. (org.). Linguística da norma. São Paulo: Edições Loyola, 2002. p. 155-177.

SOARES, Magda. Prefácio. In: BATISTA, Antônio Augusto Gomes. Aula de português – discurso e saberes escolares. São Paulo: Martins Fontes, 1997. p. VII-XV.

TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática no 1º e 2º graus. São Paulo: Cortez, 2001.

TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Gramática – ensino plural. São Paulo: Cortez, 2003.

TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Que análise linguística operacionalizar no ensino de Língua Portuguesa? In: TAGLIANI, Dulce et al. (org.). Anais do II Seminário Nacional sobre Linguística e Ensino de Língua Portuguesa. Rio Grande, RS: FURG, 2010. p. 1-11.

Publicado
29-06-2021
Como Citar
Nonato, S. (2021). Gramática, ensino de língua portuguesa e formação do professor. Scripta, 25(53), 586-617. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2021v25n53p586-617