Casa da noite: a morada da poesia de Hilda Hilst

  • Vitor Hugo Luís Geraldo Universidade Federal de Uberlândia
  • Enivalda Nunes Freitas e Souza Universidade Federal de Uberlândia
Palavras-chave: Hilda Hilst, Noite, Novalis, Bachelard, Durand

Resumo

Este artigo investiga a imagem da noite na poesia de Hilda Hilst, reverberando no fatigante encalço da escrita, na solidão amorosa, na indignação política, nas visões oníricas. Elemento ativo na Casa do Sol, lugar da oficina da palavra e do exercício da contemplação, a noite é valorizada por iluminar o inconsciente e liberar o espírito imaginativo, promovendo a linguagem fulgurosa da poesia. Para acompanhar esse tema, buscou-se o apoio de campos interdisciplinares, como a filosofia, a antropologia e a psicologia. Nesses campos, e na literatura, a compreensão moderna do tema noite é devedora da concepção noturna novalisiana.

Biografia do Autor

Enivalda Nunes Freitas e Souza, Universidade Federal de Uberlândia

Doutora em Literatura Brasileira e professora da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Uberlândia, MG, Brasil.

Referências

ANDRADE, Carlos Drummond de. Poesia e prosa. Rio de janeiro: Nova Aguilar, 1992.
BACHELARD, Gaston. A chama de uma vela. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.
BÍBLIA. Tradução de Almeida Revista e Atualizada. Baueri, São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil; Cultura Cristã, 2009.
BRANDÃO, Junito de Souza. Mitologia grega. Vol. I. Petrópolis: Vozes, 2007.
COLLOT, Michael. O sujeito lírico fora de si. Trad. Alberto Pucheu. Revista terceira margem, Rio de Janeiro, Ano VIII, n. 11, 2004, p. 175-177.
CRUZ, São João da. A poesia mística de San Juan de la Cruz. Trad. Dora Ferreira da Silva. São Paulo: Cultrix, 1984.
DALUMEAU, J. História do medo no ocidente. São Paulo : Companhia de Bolso, 2009.
DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
HESÍODO, Teogonia: a origem dos deuses. São Paulo: Iluminuras, 2006.
HILST, Hilda. Da Poesia. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.
HOLLIS, James. Mitologemas: encarnações do mundo visível.
JUNG, Carl Gustav. O homem e seus símbolos. Rio de Janeiro. Ed. Nova Fronteira. 1991.
______. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. Petrópolis: Vozes, 1991.
______. Psicologia e poesia. In: O espírito na arte e na ciência. Trad.: Dora Ferreira da Silva, Ruben Siqueira Bianchi. Petrópolis: Vozes, 1991. p. 73-79
NIETZSCHE, F. O nascimento da Tragédia. São Paulo: Escala, 2007.
NOVALIS. Hinos à noite. Mairiporã: Esfinge, 1987.
OVÍDIO. Metamorfoses. Edição bilíngue. Tradução, introdução e notas de Domingos Lucas Dias. São Paulo: Ed.34, 2017.
Publicado
18-12-2020
Como Citar
Geraldo, V. H. L., & Freitas e Souza, E. N. (2020). Casa da noite: a morada da poesia de Hilda Hilst. Scripta, 24(52), 329-355. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2020v24n52p329-355