A guerra colonial portuguesa na poesia testemunhal de Fernando Assis Pacheco e Manuel Alegre: diálogos, congruências e incongruências

  • Vinícius Victor Araujo Barros Universidade Federal de Goiás
Palavras-chave: Fernando Assis Pacheco, Manuel Alegre, Guerra colonial portuguesa, Testemunho, Memória

Resumo

Este artigo debate a poesia testemunhal de Fernando Assis Pacheco e Manuel Alegre, ambos ex-combatentes da guerra colonial portuguesa em África. As análises se detêm às publicações realizadas próximas de confrontos ou ainda no calor deles, a saber: Cuidar dos Vivos (1963) e Catalabanza, Quilolo e Volta (1976), de Fernando Assis Pacheco, e Praça da Canção (1965) e Canto e as armas (1967), de Manuel Alegre. Baseados nas concepções de Walter Benjamin (2012) de crise do compromisso tácito entre o leitor e o narrador moderno e no paroxismo da impossibilidade de representação artística de uma catástrofe humana como a guerra, procuramos evidenciar como cada um dos autores portugueses elaborou esteticamente seu testemunho com o intuito de retratar em versos a brutalidade cotidiana do front e os traumas de lá trazidos. Atentos aos diálogos, as congruências e as incongruências entre as produções dos dois poetas, esperamos colocar em questão que as guerras são, paradoxalmente, experiências coletivas momentâneas, porém, individualmente vivenciadas.

Referências

ALEGRE, Manuel. Poesia: 1960 – 2008. Lisboa: Dom Quixote, 2009.
ALEGRE, Manuel. A mina. Jornal de Letras, Lisboa, ano 95, p. 15, 20 dez. 1995.
BECHARA, Evanildo. Gramática Escolar da Língua Portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2010.
BENJAMIN, Walter. O narrador: Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas I: Magia e técnica, arte e política. 8. ed. rev. São Paulo: Brasiliense, 2012. v. 1, p. 213-240.
HOBSBAWM, Eric. Era dos extremos: o breve Século XX: 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.
LEVI, Primo. É isto um homem?. 3.ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1988.
LUGARINHO, Mário César. Uma guerra, todas as guerras: as poéticas do tempo e a guerra da África. In: FERREIRA ALVES, Ida Maria; MAFFEI, Luís (org.). Poetas que interessam mais: leituras da poesia portuguesa pós-Pessoa. Rio de Janeiro: Azouge, 2011. v. 1, p. 259-274.
MONTEIRO, Isilda Braga da Costa. A Guerra Colonial (1961-1974): Memória e História. Um balanço. Coletânea de textos: Congressos da Comissão Internacional de História Militar. Lisboa, p. 703 - 712, 2016.
NEGALHA, Jonas. A bola. In: RIBEIRO, Maria Calafate; VECCHI, Roberto (org.). Antologia da memória poética da Guerra Colonial. Porto: Edições Afrontamento, 2011. p. 435-436.
O‘BRIEN, Tim. The things they carried. 3. ed. New York: Houghton Mifflin, 2009.
PACHECO, Fernando Assis. A musa irregular. Lisboa: Assírio & Alvim, 2006.
RENÉ, Pelissier. Militares, políticos e outros mágicos. Análise Social, Lisboa, v. 37, p. 157-173, 2003.
RIBEIRO, Maria Calafate. No Plaino abandonado um poeta cercado: a guerra colonial na poesia de Fernando Assis Pacheco. In: Actas do VI do Congresso da Associação Internacional de Lusitanistas, UFRJ/ UFF: Rio de Janeiro, 2000.
RIBEIRO, Maria Calafate. Ainda falta um grito: histórias de guerra, trauma e poesia na obra de Fernando Assis Pacheco. Rivista di Studi Portoghesi e Brasiliani, [s. l.], p. 65-85, 2001.
SELIGMANN-SILVA, Márcio. Apresentação da questão: a literatura do trauma. In: SELIGMANN-SILVA, Márcio. (org.) História, memória, literatura: o testemunho na era das catástrofes. Campinas: Editora da Unicamp, 2003, p. 52.
SOARES, Geraldo Antonio. Os tormentos da memória trauma e narrativa nos escritos de Primo Levi. Varia Historia, Belo Horizonte, v. 28, n. 48, p. 911-927, jul/dez. 2012.
Publicado
18-12-2020
Como Citar
Barros, V. V. A. (2020). A guerra colonial portuguesa na poesia testemunhal de Fernando Assis Pacheco e Manuel Alegre: diálogos, congruências e incongruências. Scripta, 24(52), 235-260. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2020v24n52p235-260