Da invenção mais impura: uma montagem de Orfeu em Herberto Helder

  • Mariana Pereira Guida Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG
Palavras-chave: Herberto Helder, Orfeu, Imagem, Morte. Montagem

Resumo

Este artigo vale-se do mito de Orfeu enquanto tópica reiteradamente revistada na poesia moderna para analisar duas possibilidades de leitura do poeta trácio na obra do poeta Herberto Helder. A hipótese central é a de que, embora distintos, ambos guardam em si a implicação de metamorfose e finitude engendrada pela metáfora no projeto do poema contínuo, tendo em vista a escrita como um procedimento paradoxal de inscrição e apagamento articulado por imagem e som na enunciação lírica. Para tanto, a obscuridade inscrita no gesto autoral será perscrutada a partir do recurso do corte na montagem cinematográfica, considerando o princípio fílmico da poesia helderiana e o modo pelo qual ela se apropria do mito de Orfeu a partir da recitação poética como uma força que opera no horizonte de uma alteridade radical, fundadora de um idioma próprio, no qual origem e fim simultaneamente condicionam a interdição e a abertura ao sentido.

Referências

ALLOA, Emmanuel. Virada icônica: um apelo por três voltas no parafuso. MODOS. Revista de História da Arte, v. 3, n. 1, p. 91-113, 2019.
BARTHES, Roland. O prazer do texto. Tradução de J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva,
1987.
BELO, Ruy. Na senda da poesia. 2. ed. Lisboa: Assírio & Alvim, 2002
BLANCHOT, Maurice. A Inspiração. In: O Espaço Literário. Rio de Janeiro: Rocco, 1987, p.161-188.
BLUMENBERG. Hans. The legitimacy of the modern age. (Studies in contemporary German social thought). Trad.: Robert M. Wallace. Massachusetts: MIT Press, 1983.
BLUMENBERG, Hans. Imitação da natureza. Contribuição à pré-história da ideia do homem criador. Tradução: Luiz Costa Lima. In: LIMA, Luiz Costa Lima (org.). Mímesis e a reflexão contemporânea. Rio de Janeiro: EdUerj, 2010, p.87-135.
BLUMENBERG, Hans. Teoria da não conceitualidade. Tradução: Luiz Costa Lima. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2013.
BRUNEL, Pierre. As vocações de Orfeu. In: BRICOUT, Bernadette (Org.). O olhar de Orfeu: os mitos literários do Ocidente. Tradução: L. O. Benoit. São Paulo: Companhia das Letras, 2003. p. 39-62.
COMPAGON, Antoine. O trabalho da citação. Tradução Cleonice Mourão. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1996.
COMPAGNON, Antoine. Os cinco paradoxos da modernidade. Trad. Cleonice Mourão, Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999.
EIRAS, Pedro. Esquecer Fausto: a fragmentação do sujeito em Raul Brandão, Fernando Pessoa, Herberto Helder e Maria Gabriela Llansol. Porto: Campo das Letras, 2005.
FRIEDRICH, Hugo. A estrutura da lírica moderna. Tradução: Marise Curioni. São Paulo: Duas Cidades, 1978.
GUSMÃO, Manuel. HH^2: In: Revista Textos Pretextos, Lisboa, n. 17: Herberto Helder, p. 56-58, outono-inverno 2012.
______. A Estrela Plenária. In: GUSMÃO, Manuel. Tatuagem e Palimpsesto: da Poesia em Alguns Poetas e Poemas. Lisboa: Assírio e Alvim, 2010, p.367-387.
HASSAN, Ihab. PRELUDE: Lyre Without Strings. In: HASSAN, Ihab. Dismemberment of Orpheus: toward a postmodern literature. 2th ed. Wisconsin: University of Wisconsin Press, 1982, p. 3-23.
HELDER, Herberto. Photomaton & Vox. Lisboa: Assírio & Alvim, 1995.
HELDER, Herberto. Poemas Canhotos. Lisboa: Assírio & Alvim, 2015.
HELDER, Herberto. Poemas Completos. Rio de Janeiro: Tinta da China, 2014.
HELDER, Herberto. Texto em forma de “auto-entrevista” publicado no jornal Público, 4 de Dezembro de 1990, pp. 29-31.
HELDER, Herberto. Vinte e cinco cartas, apresentadas por Gastão Cruz. Relâmpago, Lisboa, n. 36-37, Abr./Out., p. 137-195, 2015b.
LOPES, Silvina Rodrigues. A inocência do devir: ensaio a partir da obra de Herberto Helder. Lisboa: Edições Vendaval, 2003.
MARTELO, Rosa Maria. Os nomes da obra: Herberto Helder ou O poema contínuo Documenta, 2016.
NANCY, Jean-Luc. Demanda: Literatura e Filosofia. Florianópolis: Ed. UFSC; Chapecó: Argos, 2016. Trad.: João Camillo Penna, Eclair Antonio Almeida Filho, Dirlenvalder Loyolla.
ROSA, António Ramos. Herberto Helder – poeta órfico. In: ______. Poesia, liberdade livre. Lisboa: Livraria Moraes Editora, 1962, p. 149-157.
SEGAL, Charles. Orpheus: the myth of the poet. Baltimore, Maryland: The Johns Hopkins Press Ltd., London. 1989
SISCAR, Marcos. "Responda, cadáver": o discurso da crise na poesia moderna. Alea, Rio de Janeiro,v. 9, n. 2, p. 176-189, Dec. 2007. Disponível em: . Acesso em: Agosto de 2020.
Publicado
18-12-2020
Como Citar
Guida, M. P. (2020). Da invenção mais impura: uma montagem de Orfeu em Herberto Helder. Scripta, 24(52), 165-186. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2020v24n52p165-186