“Gosto do deslocamento”: espaços urbanos e testes de poesia em Marília Garcia

  • Jailma da Costa Ferreira Universidade Estadual da Paraíba
Palavras-chave: Poesia brasileira contemporânea, Deslocamentos, Voz poética, Marília Garcia

Resumo

Discutiremos neste artigo acerca dos deslocamentos da voz poética na poesia de Marília Garcia, a partir de uma leitura crítica e analítica dos poemas “pelos grandes bulevares” e “noite americana”, ambos do livro Câmera lenta (2017). Descentralizados de um eu, seus textos são compostos a partir dos acidentes, dos (des)encontros que acontecem e são provocados no (e pelo) espaço urbano. Desse modo, queremos compreender de que forma os aspectos que compõe esse espaço contribuem para a produção de singularidades e dos movimentos para fora do eu em sua poesia, considerando que esta realiza-se em diálogo com a vida urbana, com a observação vagarosa das situações que fazem parte desse meio. Em vista disso, apontamos alguns conceitos teóricos que embasam este estudo, a saber: Magalhães (2017), sobre os deslocamentos do eu; Reis (2015), a respeito dos testes que Marília faz em sua poesia; Busato (2015), acerca da relação dos sujeitos com o espaço urbano; entre outros.

Referências

BUSATO, Susanna. O espaço urbano como construção poética do sujeito. Estudos de
Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, v. 45, p.85-101, jun. 2015. Disponível em:
http://dx.doi.org/10.1590/2316-4018455 Acesso em: 05 dez. 2019.

CESAR, Ana Cristina. Crítica e tradução. São Paulo: Ática, 1999.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs. Vol. 1. Trad. Ana Lúcia de Oliveira, Aurélio
Guerra Neto, Célia Pinto Costa. São Paulo: Editora 34, 1995.

DI LEONE, L. Olhando a poeira: o método e a poesia de Marília Garcia. In: SCRAMIM,
Susana; SISCAR, Marcos; PUCHEU, Alberto. O duplo estado da poesia: modernidade e
contemporaneidade. São Paulo: Iluminuras, 2015, p. 125-134.

FERRO, L. C. S. Paisagens em profusão: as poéticas contemporâneas de Angélica Freitas,
Fabiano Calixto, Marília Garcia e Ricardo Domeneck. 2015. 258 f. Tese (Doutorado em
Letras e Linguística) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2015. Disponível em:
http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/5156 Acesso em: 30 ago. 2019.

FLORES, V. N.; TEIXEIRA, Marlene. Introdução à linguística da enunciação. São Paulo:
Contexto, 2008.

GARCIA, M. Um teste de resistores. 2ª ed. Rio de Janeiro: 7 letras, 2016.

GARCIA, M. Câmera lenta. São Paulo: Companhia das letras, 2017.

GARRAMUÑO, F. A poesia contemporânea como confim. In: SCRAMIM, S.; SISCAR, M.;
PUCHEU, A. (Org.). Linhas de fuga: poesia, modernidade, contemporaneidade. São Paulo:
Iluminuras, 2016, p. 11-17.

JUSTINO, L. B. Literatura de multidão e intermidialidade: ensaios sobre ler e escrever o
presente. Campina Grande: Eduepb, 2015.

MAGALHÃES, D. A poesia como um teste de resistores. Revista Escrita, Rio de Janeiro, n.
23, p.160-176, ago. 2017. Disponível em: https://doi.org/10.17771/PUCRio.escrita.31110
Acesso em: 2 out. 2019.

REIS, J. T. A palavra iminente de Marília Garcia. SEMINÁRIO DOS ALUNOS DOS
PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO DE LETRAS DA UFF
ESTUDOS DE LITERATURA, 6., 2015, Rio de Janeiro. Estudo de literatura. Rio de
Janeiro: Uff, 2015, p. 283-291. Disponível em:
http://www.anaisdosappil.uff.br/index.php/VISAPPIL-Lit/article/view/369 Acesso em: 30
out. 2019.

SILVA, A. C. Marília Garcia: para onde nos levam as hélices do poema?. Estudos de
Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 55, p.309-323, dez. 2018. Disponível
em: https://doi.org/10.1590/10.1590/2316-40185516 Acesso em: 01 set. 2019.

TIMMER, N. Ilhas, roteiros e diáspora(s): poesia cubana pós-noventa. In: SCRAMIM, S.;
SISCAR, M.; PUCHEU, A. (Org.). Linhas de fuga: poesia, modernidade e
contemporaneidade. São Paulo: Iluminuras, 2016, p. 19-30.
Publicado
18-12-2020
Como Citar
Ferreira, J. da C. (2020). “Gosto do deslocamento”: espaços urbanos e testes de poesia em Marília Garcia. Scripta, 24(52), 356-377. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2020v24n52p356-377