Maria Tereza: um corposolo em Ruídos e Negrices

  • Fabiana Oliveira de Jesus Pontíficia Universidade Católica de Minas Gerais
Palavras-chave: Maria Tereza, Mulher Negra, Escrita, Poesia

Resumo

Este texto tem o propósito de apresentar a trajetória da poetisa paulistana Maria Tereza, escritora de três livros: Ruídos, Negrices em Flor e Vermelho. Nesta apresentação, damos foco à representação do corpo negro feminino exposto nos versos e à multiartista, que insere, na escrita, sua leitura do mundo feita por seus olhos negros. Escrita esta que elege seus precursores, mostrando suas leituras de mulheres pretas e contando, através de seus versos, sua escrevivência. Revelando, assim, sua ancestralidade e dando voz, através da sua poesia, às mulheres negras que vieram antes para abrir espaço para as que a vieram depois. Sua escrita, por fim, é personificação de seu corposolo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiana Oliveira de Jesus, Pontíficia Universidade Católica de Minas Gerais

Pontifícia Universidade Católica (PUC Minas). Mestre em Literaturas de Língua Portuguesa pela PUC Minas. Atualmente é doutoranda em Literaturas de Língua Portuguesa pela mesma instituição. Bolsista FAPEMIG. ORCID: 0000-0001-88666

Referências

CÔRTES, Cristiane. Diálogo sobre escrevivência e silêncio. In: DUARTE, Contância Lima; CÔRTES, Cristiane; PEREIRA, Maria do Rosário A. (Ed). Escrevivências: Identidades, gênero e violência na obra de Conceição Evaristo. Belo Horizonte: Idea, 2016 p.51-60.

EVARISTO, Conceição. Gênero e Etnia: uma escre(vivência) da dupla face. In: MOREIRA, Nadilza Martins de Barros; SCHNEIDER, Diane (Ed.). Mulheres no mundo, etnia, marginalidade e diáspora. João Pessoa: Idéia, 2005. P. 201-212.

FANON, Frantz. Pele negras, máscaras brancas. Tradução de Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

JESUS, Maria Tereza Moreira. Ruídos. São Paulo: Com Arte, 2002.

Maria Tereza Moreira de Jesus (1974-2010). A atriz negra que se lançou em alto-mar. Da Redação. São Paulo, sexta-feira, 30 de abril de 2010. Folha de São Paulo. Caderno “Cotidiano”. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff3004201025.htm. Acesso em 25 de setembro de 2017.

MOREIRA, Terezinha Taborda. Uma poética do inacabamento: a escrita literária de Maria Tereza: Aletria: Revista de estudos de Literatura, 30(2), 39-58. https://doi.org/10.17851/2317-2096.30.2.39-58

REIS, Mauricio de Novais e ANDRADE, Marcilea Freitas Ferraz de. O pensamento decolonial: análise, desafios e perspectivas. In: v. 17 n. 202 (2018): Revista Espaço Acadêmico, n. 202, março de 2018

SPIVAK, Gayatri Chacravorty. Pode o subalterno Falar ? 1. Ed. Trad. Sandra Regina Goulart Almeida: Marcos Pereira Feitosa; André Pereira. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

TEREZA, Maria. Negrices em Flor. São Paulo: Edições Toró, 2007.

TEREZA, Maria. Vermelho. São Paulo: Editora 34, 2009.

Publicado
18-12-2020
Como Citar
Jesus, F. O. de. (2020). Maria Tereza: um corposolo em Ruídos e Negrices. Scripta, 24(52), 403-424. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2020v24n52p403-424