Representação das variedades do português nos documentos norteadores para o ensino/aprendizagem de Português Língua Estrangeira

  • Mercedes Sebold UFRJ
  • Ana Carolina Henriques Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Português Língua estrangeira (PLE), Material didático, Variação Linguística, Políticas linguísticas

Resumo

O presente estudo tem por objetivo analisar a representação das variedades do português nos documentos norteadores para o ensino/aprendizagem de Português Língua Estrangeira (doravante PLE). No contexto de ensino de PLE fora dos países que têm o português como língua oficial, encontramos um grande número de professores que não têm formação linguística específica. O mercado de trabalho promissor em alguns países absorve falantes de outras línguas que fizeram cursos de curta duração ou ainda profissionais de outras áreas que têm o português como língua materna. Tais profissionais nem sempre estão familiarizados com noções como língua padrão, norma culta, variação linguística. Nesses contextos, os documentos norteadores podem oferecer subsídios para o planejamento de cursos, avaliações e até mesmo como única fonte de referência teórica de professores com pouca ou insuficiente formação teórica. Cabe propor então a seguinte questão: como tais documentos norteadores contribuem para dar visibilidade às variedades do português? Esta é a pergunta central a que nos propusemos a responder. Para tal, analisamos alguns documentos voltados para a sistematização de conteúdos para o ensino/aprendizagem de PLE. Os resultados mostram que, na maioria das vezes, tais documentos ainda oferecem escassa informação que poderia fomentar a representação das variedades do português na sala de aula de PLE.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mercedes Sebold, UFRJ

Possui graduação em Letras Português Espanhol pela Universidade Federal Fluminense (1988), mestrado em Letras Neolatinas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1994) e doutorado em Línguística pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2005).Atualmente é Professora Associada III do Departamento de Letras Neolatinas da Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Línguas Estrangeiras Modernas, atuando principalmente nos seguintes temas: espanhol língua estrangeira, aquisição de língua estrangeira, sintaxe do espanhol, formação de professores, ensino- aprendizagem de língua estrangeira e línguas próximas.

https://orcid.org/0000-0002-0035-3338

Ana Carolina Henriques, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Mestre em Letras Neolatinas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Doutoranda do Programa de Pós-Graduação de Letras Neolatinas da Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

AZEREDO, J. C. Gramática Houaiss da Língua Portuguesa. 2. Ed. São Paulo: Publifolha, 2008.

BAGNO, Marcos. Sete erros aos quatro ventos: a variação linguística no ensino de Português. São Paulo: Parábola Editorial, 2013.

BAGNO, Marcos. Dicionário Crítico de Sociolinguística. São Paulo: Parábola, 2017.

BAKHTIN, Mikhail. (1979). Estética da criação verbal. Tradução Paulo Bezerra. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, Mikhail. (1975). Questões de Literatura e de Estética: a teoria do romance. Tradução Aurora Fornoni Bernardini et. al. 5. ed. São Paulo: Hucitec, 2002.

BRASIL. Documento-base do Exame Celpe-Bras. Brasília: INEP, 2020. Disponível em: <https://download.inep.gov.br/publicacoes/institucionais/avaliacoes_e_exames_da_educacao_basica/documento_base_do_exame_celpe_bras.pdf>. Acesso em: 23 fev. 2021.

CALVET, Louis-Jean. Sociolinguística: uma introdução crítica. Tradução Marcos Marcionilo. 2. ed. rev. São Paulo: Parábola Editorial, 2002.

CARVALHO, Orlene Lúcia de S.; BAGNO, Marcos. Variação linguística e ensino: ‘nós’ e ‘a gente’ em livros didáticos de português brasileiro como língua estrangeira. Revista de Estudios Portugueses y Brasileos, [s. l], v. 15, p. 25-40, 2017.

CASTILHO, Ataliba T. de. Nova gramática do português brasileiro. São Paulo: Editora Contexto, 2010.CONSELHO DA EUROPA. Quadro europeu comum de referência para as línguas: aprendizagem, ensino, avaliação. Tradução Maria Joana Pimentel do Rosário e Nuno Verdial Soares. Porto: Edições Asa, 2001.

FARACO, Carlos Alberto. Norma culta brasileira: desatando alguns nós. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

FRANCO, Gabriele. A interculturalidade no ensino de PLE: metodologias ativas e políticas linguísticas. Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978), São Paulo, v. 48, n. 3, p. 1.386-1.399, dez. 2019. Disponível em: <https://revistas.gel.org.br/estudos-linguisticos/article/viewFile/2220/1604>. Acesso em: 15 fev. 2021.

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES. Proposta curricular para o ensino de português como língua de herança. Brasília: Funag, 2020a. Disponível em: <http://funag.gov.br/biblioteca/index.php?route=product/product&product_id=1027#:~:text=Esta%20proposta%20%C3%A9%20um%20documento,com%20presen%C3%A7a%20de%20imigrantes%20brasileiros>. Acesso em: 23 fev. 2021.

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES. Proposta curricular para o ensino de português nas unidades da rede de ensino do Itamaraty em países de língua oficial espanhola. Brasília: Funag, 2020b. Disponível em: <http://funag.gov.br/biblioteca/index.php?route=product/product&product_id=1023#:~:text=Trata%2Dse%20de%20um%20projeto,como%20(uma)%20l%C3%ADngua%20oficial>. Acesso em: 23 fev. 2021.

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES. Proposta curricular para o ensino de português nas unidades da rede de ensino do Itamaraty em países de língua oficial portuguesa. Brasília: Funag, 2020c. Disponível em: <http://funag.gov.br/biblioteca/index.php?route=product/product&product_id=1024>. Acesso em: 23 fev. 2021.

NEVES,m M. H. M. A gramática funcional. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

NIEDERAUER, Marcia. Competência interacional: critério para avaliação da produção oral em língua adicional. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, v. 53, n. 2, p. 403-424, jul./dez. 2014.

NUNES, Elaine C. Roschel; LORKE, Franziska. O problema da adequação dos parâmetros do Quadro Europeu Comum de Referência e “a necessidade de emergir como os outros de nós mesmos”. Revista X, Curitiba, v. 2, n. 1, p. 40-60, 2011. Disponível em: <https://revistas.ufpr.br/revistax/article/view/22892/17679>. Acesso em: 4 mar. 2021.

PERINI, M. A.. Gramática do português brasileiro. São Paulo: Parábola Ed.. 2010.

SCHOFFEN, Juliana Roquele; MARTINS, Alexandre Ferreira. Políticas linguísticas e definição de parâmetros para o ensino de português como língua adicional: perspectivas portuguesa e brasileira. ReVEL, v. 14, n. 26, p. 271-306, mar. 2016. Disponível em: <http://www.revel.inf.br/files/c35e818efe36c34dda7b55fdcf72b0fe.pdf>. Acesso em: 13 fev. 2021.

SERRANI, Silvana. Discurso e cultura na aula de língua: currículo, leitura, escrita. Campinas: Pontes, 2010.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz Tadeu da; HALL, Stuart; WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000. Cap. 2, p. 73-102.

Publicado
29-06-2021
Como Citar
Sebold, M., & Henriques, A. C. M. F. (2021). Representação das variedades do português nos documentos norteadores para o ensino/aprendizagem de Português Língua Estrangeira. Scripta, 25(53), 363-394. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2021v25n53p363-394