Português Língua Estrangeira: uma proposta de ensino sistêmico

  • Tânia Maria Moreira Unifesspa/UFSM
  • Guilherme Barbat Barros UFSM
Palavras-chave: Portugês Língua Estrangeeira, Programa Idioma sem Fronteiras, Ciclo de Ensino e Aprendizagem

Resumo

Desde o anúncio da necessidade de ações que versem sobre a internacionalização no âmbito do Ensino Superior brasileiro, inúmeros foram os projetos e programas propostos e desenvolvidos em universidades federais, dentre os quais se destaca o Idiomas sem Fronteiras (IsF). Nesse sentido, tendo como finalidade dar visibilidade e compartilhar estudos e práticas de ensino, este artigo tem como objetivo apresentar princípios do Ciclo de Ensino e Aprendizagem norteadores no desenvolvimento de cursos de Português como Língua Estrangeira no IsF na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), bem como os resultados de uma experiência docente, vivenciada a partir de um levantamento qualiquantitativo e interpretativista envolvendo discentes estrangeiros matriculados em cursos de graduação e pós-graduação na UFSM. Desse modo, a perspectiva teórica e metodológica adotada se baseia nos estudos de Martin e Rose (2008) e Rose e Martin (2012). Os resultados alcançados sinalizam o perfil de acadêmicos estrangeiros na universidade e apontam algumas de suas demandas de aprendizagem sobre a Língua Portuguesa usada no Brasil. A experiência realizada envolveu o desenvolvimento de atividades de desconstrução, construção conjunta e individual de textos e resultou na publicação de um livreto de resenhas de filmes. Os textos produzidos pelos alunos serviram como instrumento de avaliação do processo de ensino e aprendizagem e da eficácia dos postulados de Martin e Rose (2008) e Rose e Martin (2012) no contexto situado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tânia Maria Moreira, Unifesspa/UFSM

Professora da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará e está em exercício provisório na Universidade Federal de Santa Maria, RS. Na Unifesspa, integra o corpo docente do Programa de Mestrado Profissional em Letras e do Mestrado Acadêmico de Letras, desenvolvendo pesquisas sobre linguagem e ensino de linguagem (Português, Inglês e Português para estrangeiros) medido por gêneros e recursos tecnológicos.

Guilherme Barbat Barros, UFSM

Acadêmico de Licenciatura em Letras - Habilitação em Português e literaturas de Língua Portuguesa, pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Professor bolsista de Português Língua Estrangeira no IsF-UFSM.

Referências

ALMEIDA FILHO, J.C.P. de. Fundamentos de abordagem e formação no ensino de Português Língua Estrangeira e outras línguas. Campinas: Pontes, 2011.

ALMEIDA FILHO, J.C.P. de. Projetos iniciais em português para falantes de outras línguas. Campinas: Pontes, 2007.

ALMEIDA FILHO, J.C.P. de Linguística Aplicada, Ensino de Línguas e Comunicação. Campinas: Pontes, 2005.

ALLWRIGHT, D. The death of the method. Sgav Conference. Ottawa: Carleton University, 1991.

ANDIFES – Associação Nacional dos Dirigentes de Instituições de Ensino Superior. Programa de expansão, excelência e internacionalização das universidades federais. Brasília, 2012.

ASSIS-PETERSON, A. M. Alguns apontamentos em torno da formação de professores de língua estrangeira. Contexturas, [s. l.], n. 4, p. 43-50, 1999.

BARROS, G. B.; FUZER, C. Análise Sistêmico-Funcional de resenhas em livro didático de Língua Portuguesa. Macabéa-Revista Eletrônica do Netlli. V. 9(4), p. 398-415, 2020.

BERNSTEIN, B. The Structuring of Pedagogic Discourse. Londres: Routledge, 1990.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: Língua Portuguesa. Brasília: MECSEF, 1998.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: Matemática. Brasília: MECSEF, 1998.

DINIZ, L. R. A. Mercado de línguas: a instrumentalização brasileira do português como língua estrangeira. Campinas: Dissertação de Mestrado – Unicamp, 2008, Disponível em:http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/271065/1/Diniz_LeandroRodriguesAlves_M.pdf. Acesso em 31 de jan. de 2021.

DINIZ, L. R. A. Política linguística do Estado brasileiro na contemporaneidade: a institucionalização de mecanismos de promoção da língua nacional no exterior. Campinas: Tese de Doutorado – Unicamp, 2012, Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/271080/1/Diniz_LeandroRodriguesAlves_D.pdf . Acesso em 31 de jan. de 2021.

FLICK, U. Qualidade na pesquisa qualitativa. Coleção Pesquisa Qualitativa. Porto Alegre: Grupo A, 2009.

FUZER et al. Experiências de desconstrução de gênero e escrita conjunta no projeto ateliê de textos. Disponível em < http://w3.ufsm.br/ateliedetextos/images/Artigo_Fuzer_Sieduca.pdf>. Acesso em março de 2020.

FURTOSO, V. B. O ensino de língua estrangeira: o foco no professor. UNOPAR Cient., Ciênc. Hum. Educ., Londrina, v. 2, n. 1, p. 67-82, jun. 2001.

GOUVEIA, C. A. M. A compreensão leitora como base instrumental do ensino da produção escrita. In: SILVA DOS SANTOS, W. R. J. S.; MELO, M. A. Pesquisas em língua(gem) e demandas do ensino básico. São Paulo: Pontes, 2014. p. 203-231.

HALLIDAY, M. A. K. Language as social semiotic. London: Edward Arnold, 1978.

KNIGHT, J. The internationalization of higher education in the 21st century: new realities and complexities. In: KNIGHT, J. Higher education in Turmoil: the changing world of internationalization. BRILL, 2008.

KUMARAVADIVELU, B. The postmethod condition: (e)merging strategies for second/foreign language teaching. Tesol Quarterly, [s. l.], v. 26, n. 1, p. 27-48, 1994.

REDDY, M. J. A metáfora do conduto: um caso de conflito de enquadramento na nossa linguagem sobre a linguagem. Cadernos de tradução. V. 9, p. 1-72, 2000.

LEFFA, V. O ensino das línguas estrangeiras no contexto nacional. Contexturas, APLIESP, [s. l.], n. 4, p. 13-24, 1999.

MARTIN, J. R.; ROSE, D. Designing literacy pedagogy: scaffolding democracy in the classroom. In: WEBSTER, J.; MATTHIESSEN, C.; HASAN, R. Continuing discourse on language. London: Continuum, 2005. p. 251-280.

MARTIN, J. R.; ROSE, D. Genre relations: mapping culture. Equinox Publishing Ltd., 2008.

MOITA LOPES, L.P. da. (org.). O português no século XXI: cenário geopolítico e sociolinguístico. São Paulo: Parábola, 2013.

MUNIZ DA SILVA, E. C. Ciclo de aprendizagem baseado em gêneros. Linguagem - Estudos e Pesquisas, Catalão-GO, [s. l.], v. 19, n. 2, p. 19-37, jul./dez. 2015.

NÓBREGA, M. H. da. Ensino de Português para nativos e estrangeiros: na prática, a teoria é outra. Linha D’Água, [s. l.], p. 25-40, 2010.

OLIVEIRA, G. M. Um Atlântico ampliado: o português nas políticas linguísticas do século XXI. In: MOITA LOPES, L. P. da. (org.). O Português do século XXI: cenário geopolítico e sociolinguístico. São Paulo: Parábola, 2013. p. 53-73.

PRABHU, N. S. There is no best method – why? Tesol Quarterly, [s. l.], v. 24, n. 2, p. 161-176, 1990.

REDDY, M. J. A metáfora do conduto: um caso de conflito de enquadramento na nossa linguagem sobre a linguagem. Cadernos de tradução, [s. l.], v. 9, p. 1-72, 2000.

RICHARDS, J. C.; NUNAN, D. (Ed.). Second language teacher education. New York: Cambridge University Press, 1990.

ROCHA, N. A. O ensino de Português língua estrangeira no Brasil: ontem e hoje. Linguagens - Revista de Letras, Artes e Comunicação, Blumenau, v. 13, n. 1, p. 101-114, jan./abr. 2019.

ROSE, D.; MARTIN, J. R. Learning to write, reading to learn: genre, knowledge and pedagogy in the Sydney School. Sheffield (UK) and Bristol (USA): Equinox Publishing Ltd., 2012.

ROTHERY, J. Exploring literacy ill School English (Write if right resources for literacy and learning). Sydney: Metropolitan East Disadvantaged Schools Program, 1994.

WELP, A. K. D. S.; FONTES, A.; SARMENTO, S. O Programa Inglês sem Fronteiras na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Do inglês sem fronteiras ao idioma sem fronteiras: a construção de uma política linguística para a internacionalização. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2016.

ZOPPI FONTANA, M. (org.). O português como língua transnacional. Campinas: RG. 2009.

Publicado
29-06-2021
Como Citar
Moreira, T. M., & Barros, G. B. (2021). Português Língua Estrangeira: uma proposta de ensino sistêmico. Scripta, 25(53), 169-199. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2021v25n53p169-199