Estátuas, um mysterium tremendum, em Cecília Meireles e Dora Ferreira da Silva

  • Enivalda Nunes Freitas e Souza
  • Soraya Borges Costa
Palavras-chave: Poesia brasileira, Cecília Meireles, Dora Ferreira da Silva, Estatuária, Mysterium tremendum,

Resumo

Este artigo aproxima a temática da estatuária nas poéticas de Dora Ferreira da Silva e Cecília Meireles, explorando o simbolismo da pedra relacionado à morte e a alma das coisas na forma fria das estátuas. Nos poemas dessas autoras, as imitações da pedra evocam o mysterium tremendum. Mensageiras do sagrado intocável que incita e invade o reino dos mortais, as estátuas parecem resistir à vida aprisionada no mármore com seu tanto de terrífico e fascinante que ponteia o divino e o humano. Daí a recorrência das poetas a esse simbolismo – que imita a vida sem ter vida – como uma forma de diminuir a intensidade de um mistério que só os deuses conhecem, o sentido da eternidade.

 

Referências

A Bíblia Sagrada. Tradução de João Ferreira de Almeida. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1993.

BRANDÃO, Junito. Dicionário mítico-etimológico. v. I. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 490.

ELIADE, Mircea. Ferreiros e alquimistas. Tradução de Roberto Cortes de Lacerda. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

FRANZ, Marie-Louise Von. C. G. Jung: seu mito em nossa época. Tradução de Adail Ubirajara Sobral. São Paulo: Cultrix, 1992.

FREUD, Sigmund. “Animismo, Magia e a Onipotência de Pensamentos”; “O Moisés de Michelangelo”. In: Totem e tabu. Tradução de Órizon Carneiro Muniz. Rio de Janeiro: Imago, 1996. p. 217-239.

GENET, Jean. O ateliê de Giacometti. Tradução de Célia Euvaldo. São Paulo: Cosac & Naify, 2000.

JAFFÉ, Aniela. “O simbolismo nas artes plásticas”. In: JUNG, C. G. O homem e seus símbolos. Tradução de Maria Lúcia Pinho. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, s/d. p. 254.

MEIRELES, Cecília. Crônicas de viagem-3. (Org.). Leodegário A. de Azevedo Filho. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000, p. 175-178.

MEIRELES, Cecília. Poesia completa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

MÉRIMÉE, Prosper. A Vênus de Ille. In: CALVINO, Italo. Contos fantásticos do século XIX: o fantástico visionário e o fantástico cotidiano. São Paulo: Companhia das Letras, 2004. p. 241-266.

OTTO, Rudolf. O sagrado. Tradução de Walter O. Schlupp. São Leopoldo: Sinodal/EST; Petrópolis: Vozes, 2007.

OVÍDIO. Metamorfoses. Tradução de Vera Lucia Magyar. São Paulo: Madras, 2003.

SILVA, Dora Ferreira da. Cartografia do imaginário. São Paulo: T. A. Queiroz, 2003.

SILVA, Dora Ferreira da. Poesia reunida. Rio de Janeiro: Topbooks, 1999.

VERNANT, Jean-Pierre. Mito e pensamento entre os gregos. Tradução de Haiganuch Sarian. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

Publicado
15-12-2011
Como Citar
Nunes Freitas e Souza, E., & Borges Costa, S. (2011). Estátuas, um mysterium tremendum, em Cecília Meireles e Dora Ferreira da Silva. Scripta, 15(29), 115-130. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/4273
Seção
Dossiê: Literatura comparada