Ruy Duarte por ele mesmo: uma leitura de Os filhos de Próspero

  • Aline Tótoli
Palavras-chave: Literatura africana, Narrador e narrativa contemporânea, Autor e narrador.

Resumo

Neste artigo, procuro fazer uma leitura da construção do narrador nos livros que compõem o ciclo Os filhos de Próspero, de Ruy Duarte de Carvalho. O narrador se constrói denunciando a obra como ficção. Procuro explorar a dimensão metaficcional presente em sua obra, na qual narrador e autor se confundem de tal modo que Ruy Duarte passa a ser personagem de sua própria estória. A proposta deste artigo é resultado de uma pesquisa intitulada “Desmedidas: um estudo sobre o narrador na obra do escritor Ruy Duarte de Carvalho” que venho desenvolvendo desde setembro de 2009, sob a orientação de Anita Martins Rodrigues de Moraes, com auxílio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo – FAPESP.

 

Referências

BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BONNICI, Thomas. O pós-colonialismo e a literatura: estratégias de leitura. Maringá: eduem, 2000.

BRUNEL, Pierre et al. p.263, 1997. Dicionário de mitos literários. Rio de Janeiro: José Olympio.

CARVALHO, Ruy Duarte de. Vou lá visitar pastores: exploração epistolar de um percurso angolano em território Kuvale (1992-1997). Rio de Janeiro: Gryphus, 2000.

CARVALHO, Ruy Duarte de. As paisagens propícias. Lisboa: Cotovia, 2005.

CARVALHO, Ruy Duarte de. Desmedida. Lisboa: Cotovia, 2006.

CARVALHO, Ruy Duarte de. Os papéis do inglês. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

CARVALHO, Ruy Duarte de. A terceira metade. Lisboa: Cotovia, 2009.

CONRAD, Joseph. The return. London, Hesperus Press, 2004.

GALVÃO, Henrique. O vélo d´oiro. Lisboa: Livraria Popular, 1933.

GIDE, André. O tratado de Narciso. 2. ed. São Paulo: Éditions Notre Bas de Laine, 1984.

HUTCHEON, Linda. Narcissistic narrative: the metafictional paradox. London and New York: Methuen, 1985.

HUTCHEON, Linda. Uma teoria da paródia: ensinamento das formas de arte do século XX. Lisboa: Edições 70, 1989.

ISER, Wolfgang. Os atos de fingir ou o que é fictício no texto ficcional. In: COSTA LIMA, Luiz (Org.). Teoria da literatura em suas fontes. v. 2. 2. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1983.

Publicado
10-12-2010
Como Citar
Tótoli, A. (2010). Ruy Duarte por ele mesmo: uma leitura de Os filhos de Próspero. Scripta, 14(27), 53-62. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/4327
Seção
Dossiê: África - dinâmicas culturais e literárias