O Espaço-tempo Subjetivo do Indivíduo (ETS)I

Celson D. Pereira

Resumo


Graças a seu Sistema Nervoso Central – SNC, um indivíduo se percebe no espaço e no tempo de seu ambiente. Mas, através de seus sentidos suas percepções são subjetivas. Por outro lado, sua mente é influenciada por agentes físicos e substâncias químicas que venha a ingerir. Estas constatações banais, do cotidiano, devem ser levadas em conta quando se empreende a elaboração de uma teoria relativa à mente. Os contextos em que se insere uma teoria dessa natureza envolvem antigas questões, ainda abertas, fazendo parte do denominado “Problema do Conhecimento”. Apresento um pequeno percurso histórico das reflexões de teóricos de diferentes especialidades sobre aquele problema. Proponho que hoje, participando daquele percurso, uma estrutura conceitual pode ser concebida, conjugando o indivíduo se percebendo em três instâncias: o ambiente físico, o ambiente sociocultural e seu próprio corpo, constituindo assim, suas características mentais, sua memória e sua história de vida. Trata-se de um super-espaço, que, independentemente, de ser, objetivamente, imaginável, ou não, referese a algo que existe. Tenho denominado esta estrutura por (ETS)I. Como emergente do SNC ela pode ser estudada em contextos de investigações da neurociência contemporânea. Deste empreendimento, proponho que se podem originar bases científicas para psicologia.




Palavras-chave


Interior do indivíduo; Neurociência; Complexidade; Espaço-tempo Subjetivo; Consciência.

Texto completo:

PDF

Referências


CRAIK, K. The nature of explanation. Cambridge: Cambridge University Press, 1943.

EDELMAN, Gerald. Second nature: brain science and human knowledge. New Haven: Yale University Press, 2006.

EDELMAN, Gerald; TONONI, Giulio. A universe of consciousness: how matter becomes imagination. New York: Basic Books, 2000.

EDELMAN, Gerald. Neural Darwinism: the theory of neuronal group selection. New York: Basic Books, 1987.

JANAWAY, Christopher. The Cambridge companion to Schopenhauer Cambridge: University Press, 2006. (versão eletrônica).

JOHNSON-LAIRD, Philip Nicholas. Mental models: towards a cognitive science of language, inference and consciousness. Cambridge: Cambridge University Press, 1983.

JOHNSON-LAIRD, Philip Nicholas. Mental models in cognitive science. Cognitive Science, n. 4, p. 71-115, 1980.

KORZIBSKI, Alfred. Science and sanity: an introduction to non-aristotelian systems and general semantics (1933). 2. ed. New York: Institute of General Semantics, 1941.

LLINÁS, R. et al. Content and context in temporal talamocortical binding. In: BUZSÁKI, G. (Ed.). Temporal coding in the brain. Berlin: Springer-Verlag, 1994. p. 251-273.

PEREIRA, Celson Diniz. Neurociência e educação. In: MARTINS, Rogério Parentoni; MARI, Hugo. Universos do conhecimento. Belo Horizonte: FALE/ UFMG, 2002. p. 221-241.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



                     


Revista Scripta e-ISSN: 2358-3428 (OJS)

DOI: http://dx.doi.org/10.5752/P.2358-3428

Endereço: Av. Dom José Gaspar, 500 - Prédio 20 - sala 109 

Coração Eucarístico - Belo Horizonte/MG - CEP: 30535901 

Telefone geral: (31) 3319-4369

 

Licença: 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

Nossos indexadores, bancos de dados e repositórios: