A pintura do poema “Castigo pro comboio malandro”, de António Jacinto: domínio musical e da linguagem como forma de encenar a construção da nacionalidade

  • Emanuela Francisca Ferreira Silva Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC Minas.
Palavras-chave: Movimento Vamos descobrir Angola, Poema Castigo pro comboio Malandro, Linguagem escrita e musical, Analogias.

Resumo

António Jacinto e outros escritores angolanos criaram em Luanda, em 1948, o Movimento dos Novos Intelectuais de Angola – MNIA –, que teve como lema o brado "Vamos descobrir Angola". O MNIA defendia o fortalecimento das relações entre literatura e sociedade e o debruçar-se sobre Angola e sua cultura para romper com a tradição cultural imposta pelo colonialismo. O poema "Castigo pro comboio malandro", de António Jacinto, seguindo os objetivos do movimento, além de se apresentar em forma escrita, foi declamado e musicado para melhor alcançar os habitantes das zonas rurais. Essa diversidade de suportes será considerada neste trabalho, que analisará o poema e a interpretação musical feita por Fausto Bordalo Dias no disco A preto e branco, tentando perceber como a pintura que a música faz no texto do poema consegue, através de analogias, estruturar nossa compreensão de maneira mais abrangente em relação a ambos os domínios: o da linguagem escrita e o musical.

 

 

 

Referências

FONSECA, Maria Nazareth; MOREIRA, Terezinha Taborda. Panorama das literaturas africanas de língua portuguesa. Disponível em: . Acesso em: 26 ago. 2011.

LOPES, Francisco José. Alfândega da fé - resistir no Nordeste. Disponível em:<http://resistente.3e.com.pt/joomla/index.php?option=com_content&view=article&id=39:antonio-jacinto-poeta-angolano&catid=2:trabalhos-publicados> Acesso em: 29 ago. 2011.

LOPES DE SÁ, Ana Lúcia. A ruralidade na narrativa angolana do século XX: elemento de construção da nação. Tese de doutoramento em Sociologia apresentada à Universidade da Beira Interior. Disponível em:<http://www.adelinotorres.com/teses/Ana%20L%FAcia%20de%20S%E1_A%20ruralidade%20na%20narrativa%20angolana.pdf>.

Acesso em: 10 set. 2011.

QUIMBANZE. Quitexe. Disponível em:<http://quitexehistoria.blogs.sapo.pt/53042.html>. Acesso em: 29 ago. 2011.

SALGADO, Maria Teresa. A geração de 50 e a modernidade literária angolana. Disponível em:<http://www.revistasarara.com/int_pente_finoTexto01.html> . Acesso em: 24 ago. 2011.

SOUZA, Helder de. Car vice. Disponível em: <http://cars-vice.blogspot.com/2009/07/historia-do-circuito-da-fortaleza.html>. Acesso em: 29 ago. 2011.

UNIVERSITY OF FLORIDA DIGITAL COLLECTION. Subsídios para o estudo da economia de Angola nos últimos cem anos. Disponível em: <http://ufdc.ufl.edu/UF00080796/00001/23j>. Acesso em: 29 ago. 2011.

ZBIKOWSKY, A. Music, language and multimodal metaphor. In.: FORCEVILLE, C. URIOS-APARIS, E. Multimodal metaphor. Editora Mouton de Grujter. Germany, 2009.

Publicado
07-12-2012
Seção
Dossiê: Estética