O continuum de gramaticalização do verbo DAR: de predicador a auxiliar

  • Sueli Maria Coelho Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG.
  • Silmara Eliza de Paula Silva Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG.
Palavras-chave: Gramaticalização, Verbo leve, Perífrases verbais, Verbo dar, Modalidade, Aspecto verbal.

Resumo

Esta pesquisa investigou, numa perspectiva diacrônica, o processo de gramaticalização do verbo DAR na língua portuguesa, com o objetivo de traçar seu continuum de mudança gramatical. Tomando como objeto de análise um corpus constituído de 3.288 ocorrências do verbo selecionado pelo estudo, coletadas no banco de dados do Corpus do Português (DAVIES; FERREIRA, 2006), constatou-se que, ao longo dos séculos, esse verbo mudou de categoria, passando de predicador a auxiliar. Essa multifuncionalidade decorreu de um processo cognitivo de abstração semântica, o que fez com que, no percurso de sua história linguística, o verbo DAR perdesse algumas de suas propriedades gramaticais – entre as quais a capacidade de selecionar argumentos – em detrimento da incorporação de outras – como a expressão da modalidade e a marcação do aspecto verbal – em construções cuja estrutura é a seguinte: V1DAR + PREPp(a)ra + V2infinitivo. A análise dos dados permitiu chegar ao seguinte continuum de mudança: predicador > verbo leve > mesoconstrução > modal epistêmico > marcador aspectual.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CAMPOS, Maria Henriqueta Costa. A modalidade apreciativa: uma questão teórica. In: OLIVEIRA, Fátima; DUARTE, Isabel Margarida (Org.). Da língua e do discurso. Porto: Campo das Letras, 2004. p. 265-281.

CASTILHO, Ataliba Teixeira de. Introdução ao estudo do aspecto verbal na língua portuguesa. Marília: FFCL de Marília, 1968.

COELHO, Sueli Maria. Expansão gramatical e expansão lexical: dois processos linguísticos paralelos. In: VITRAL, Lorenzo Teixeira; COELHO, Sueli Maria (Org.). Estudos de gramaticalização em português: metodologias e aplicações. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2010. cap. 12, p. 333-346.

COELHO, Sueli Maria. Gradualismo do processo de gramaticalização e princípio da persistência: indícios de uma hierarquia de traços? Filologia e Linguística Portuguesa, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 519-541, jan./jun. 2013. No prelo.

DAVIES, Mark; FERREIRA, Michael J. Corpus do Português: 45 million words,1300s-1900s. Disponível em: <http://www.corpusdoportugues.org>. Acesso em: 2006.

GIVON, Talmy. Historical syntax and synchronic morphology: an archaeologist’s field trip. Papers from the 7th Regional Meeting. Chicago: Chicago Linguistic Society, 1971.

GONÇALVES, Sebastião Carlos Leite; CARVALHO, Cristina dos Santos. Critérios de gramaticalização. In: GONÇALVES, Sebastião Carlos Leite; LIMA-HERNANDES, Maria Célia; CASSEB-GALVÃO, Vânia Cristina (Org.). Introdução à gramaticalização: princípios teóricos e aplicação. São Paulo: Parábola Editorial, 2007. cap. 2, p. 67-90.

GONÇALVES, Anabela et al. Propriedades predicativas dos verbos leves dar, ter e fazer: estrutura argumental e eventiva. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE LINGUÍSTICA, 25., 2009, Lisboa. Textos selecionados. Porto, APL, 2010. p. 449-464.

HEINE, Bernd. Auxiliaries: cognitive forces and grammaticalization. New York: Oxford University Press, 1993.

HEINE, Bernd. Grammaticalization. In: JOSEPH, Brian D.; JANDA, Richard D. (Org.). The handbook of historical linguistic. Oxford: Blackwell, 2003.

HOPPER, Paul J. On some principles of grammaticalization. In: TRAUGOTT, Elizabeth Closs; HEINE, Bernd (Org.). Approaches of grammaticalization. Amsterdam: John Benjamins, 1991. p. 17-36.

HOPPER, Paul J.; TRAUGOTT, Elizabeth C. Grammaticalization. 2nd ed. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

LABOV, William. Sociolinguistics patterns. Philadelphia: University of Pennsylvania, 1972.

LAKOFF, George; JOHNSON, Mark. Metaphors we live by. Chicago: The Chicago University Press, 1980.

LEHMANN, Christian. Thoughts on gram maticalization. Munich: Lincom Europa (originalmente publicado como Thoughts on grammaticalization: a programmatic sketch. Köln: Arbeiten des Kölner Universalienprojekts 49 – v. 1.), 1995. Original publicado em 1982.

SCHER, Ana Paula. Quais são as propriedades lexicais de uma construção com verbo leve? In: MÜLLER, Ana Lúcia; NEGRÃO, Esmeralda Vailatti; FOLTRAN, Maria José (Org.). Semântica formal. São Paulo: Contexto, 2003. p. 205-219.

SIGILIANO, Natalia Sathler. Evidências translinguísticas da metáfora de movimento na construção de aspecto incentivo. Revista Linguística, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 32-48, jun. 2012.

TRAVAGLIA, Luiz Carlos. O aspecto verbal no português: a categoria e sua expressão. Uberlândia: Imprensa Universitária, 1985. Original publicado em 1981.

VELLOSO, Mônica Monken. Um estudo da idiomatização da construção modal com o verbo DAR no português do Brasil. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2007.

Publicado
18-07-2014
Como Citar
Coelho, S. M., & Silva, S. E. de P. (2014). O continuum de gramaticalização do verbo DAR: de predicador a auxiliar. Scripta, 18(34), 23-40. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2014v18n34p23
Seção
Dossiê: estruturação linguística e cognição