Construções idiomáticas com o verbo pegar: uma abordagem sociocognitiva

Palavras-chave: Cognição, Construção, Idiomaticidade, Metaforização, Verbo pegar.

Resumo

Este artigo tem o objetivo de analisar os usos do verbo pegar, especialmente em construções idiomáticas, em dados de língua falada. Metodologicamente, foram coletadas ocorrências do verbo pegar no corpus do Fala Goiana, gravado e transcrito pelo Grupo de Estudos Funcionalistas da UFG. Guiado pelas considerações teóricas da linguística cognitiva, o artigo analisa os usos de pegar em construções idiomáticas, considerando-se a frequência de uso, a mudança de sentido pelo uso, os graus de transparência e opacidade de algumas construções e a aplicação de esquemas imagéticos. Os resultados deste trabalho revelaram que o verbo pegar apresenta alta frequência de uso, o que contribuiu para que ele espraiasse seu estatuto semântico e suas funções lexicais e funcionais. O estudo revelou também que as construções idiomáticas apresentam grau de opacidade ora baixo ora alto. O estudo pode contribuir para a ampliação da gama de estudos sobre particularidades linguísticas de construções idiomáticas do português do Brasil.

 

Biografia do Autor

Leosmar Aparecido da Silva, Universidade Federal de Goiás.
Doutor em Estudos Linguísticos. Professor da Universidade Federal de Goiás.

Referências

BARRETO, Therezinha. Gramaticalização das conjunções na história do português. Tese (Doutorado em Letras) – Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 1999.

BIZZOCCHI, Aldo. O darwinismo da linguagem. Língua Portuguesa, ano 3, n. 33l, p. 56‑58, jul. 2008.

BYBEE, Joan. Language, usage and cognition. Cambridge: Cambridge University Press, 2010.

CROFT, William; CRUSE, Alan. Cognitive linguistics. Cambridge: Cambridge University Press, 2004.

CUNHA, Antônio Geraldo da. Dicionário etimológico da língua portuguesa. 4. ed. revista e atualizada. Rio de Janeiro: Lexikon, 2010.

FERRARI, Lilian Vieira. Linguística cognitiva e o realismo corporificado: implicações filosóficas e psicológicas. Veredas, Juiz de Fora, v. 5, n. 2, p. 23-29, 2009.

FILLMORE, Charles J.; KAY, Paul; O’CONNOR, Mary. Catherine. Regularity and idiomaticity in grammatical constructions: the case of let alone. Language, v.64, n. 3, p. 501‑538, 1988.

GIVÓN, Talmy. Functionalism and grammar. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 1995.

GONÇALVES, Sebastião Carlos Leite; LIMA-HERNANDES, Maria Célia; CASSEB‑GALVÃO, Vânia Cristina (Org.). Introdução à gramaticalização: princípios teóricos e aplicação. São Paulo: Parábola, 2007.

JOHNSON, Mark. The body in the mind: the bodily bases of meaning, imagination, and reason. London: The University of Chicago Press, 1987.

LANGACKER, Ronald W. A study in unified diversity: English and Mixtec locatives. In: ENFIELD, N. J. Etnosyntax. New York: Oxford University Press, 2002.

NEVES, Maria Helena de Moura. A gramática: história, teoria e análise, ensino. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

NUNBERG, Geoffrey; SAG, Ivan A.; WASOW, Thomas. Idioms. Language, v. 70, n. 3, p. 491-538, Sep. 1994.

OLIVEIRA, Mariangela Rios de; ROSÁRIO, Ivo da Costa do (Org.). Linguística centrada no uso: teoria e método. Rio de Janeiro: Lamparina; FAPERJ, 2015.

RODRIGUES, Angélica T. C. “Eu peguei e saí”: uma construção nos limites da coordenação. Veredas, Juiz de Fora, n. 1 e n. 2, p. 29-40, jan./dez. 2004.

RODRIGUES, Angélica T. C. “Eu fui e fiz esta tese”. As construções do tipo foi e fez no português do Brasil. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.

SIGILIANO, Natália Sathler. A mudança semântica do verbo “pegar” frente à conexão de cláusulas. 2006. Disponível em: <http://dlcv.fflch.usp.br/sites/dlcv. fflch.usp.br/files/ 06_4.pdf>. Acesso em: 25 jul. 2016.

SIGILIANO, Natália Sathler. “Eu peguei e falei: eu vou!”: as noções de movimento e mudança nas construções com o verbo “pegar”. Estudos linguísticos, São Paulo, v. 37, n. 1, p. 243-251, jan./abr. 2008.

SILVA, Leosmar A. da. As bases corporais da gramática: um estudo sobre conceptualização e metaforização no português brasileiro. 2012. 284 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2012.

VALE, Oto Araújo. Expressões cristalizadas: transparência e opacidade. Signótica, Goiânia, v. 11, n. 1, p. 163-172, jan./dez. 1999.

Publicado
23-12-2016
Como Citar
Silva, L. A. da. (2016). Construções idiomáticas com o verbo pegar: uma abordagem sociocognitiva. Scripta, 20(40), 307-326. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2016v20n40p307
Seção
Dossiê Metáfora