Brasil, 2015: como a presidenta, seu partido, seus eleitores e seu governo podem ser conceptualizados em rede social

  • Ariadne Domingues Almeida Universidade Federal da Bahia (ILUFBA-DLV-PPGLinC).
Palavras-chave: Conceptualização, Linguística Cognitiva, Teoria da Complexidade, Multimodalidade, Meme.

Resumo

São apresentados resultados de um estudo realizado sobre o modo como a presidenta Dilma Rousseff, seu partido, seus eleitores e seu governo foram conceptualizados em um meme postado na página Movimento Contra Corrupção constante da rede social online Facebook. O estudo foi norteado pelos aportes teórico-metodológicos da Linguística Cognitiva. Como a conceptualização é um fenômeno complexo, foram associados conhecimentos adquiridos pela Linguística Cognitiva a saberes elaborados pela Teoria da Complexidade. Foram desenvolvidas reflexões sobre mapeamentos metafóricos e metonímicos, estruturados por esquemas imagéticos no âmbito dessa conceptualização. Ao final dos trabalhos, foi verificado o papel da interconexão entre o imagético e o verbal na geração de sentido, bem como foi observado que, na multimodalidade, o todo é mais do que a soma de suas partes, assim como o todo é menos do que a soma de suas partes.



Biografia do Autor

Ariadne Domingues Almeida, Universidade Federal da Bahia (ILUFBA-DLV-PPGLinC).
Sou doutora em Letras pela Universidade Federal da Bahia, realizei estágio pós-doutoral em Linguística (UNEB-PNPD-CAPES), tratando do fenômeno da categorização humana sob a ótica da Linguística Cognitiva. Sou professora associada do Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia, atuando na sua Graduação em Letras e no seu Programa de Pós-Graduação em Língua e Cultura. Coordeno o Grupo de Estudos em Semântica Cognitiva (GESCOG), associado ao Programa para a História da Língua Portuguesa (PROHPOR). Integrei o PARFOR e o PROESP. Fui parecerista e assessora do PNLD-MEC/FNDE. Dedico-me aos seguintes temas: sistemas adaptativos complexos; categorização, conceptualização, metáforas, metonímias, multimodalidade e história do sistema conceptual. Organizei coletâneas e escrevi artigos que constam de livros e periódicos. Oriento estudos de iniciação científica, mestrado e doutorado.

Referências

BAUMAN, Zygmunt. Tempos líquidos. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

BENEVENUTO, Fabrício; ALMEIDA, Jussara M.; SILVA, Altigran S. Explorando redes sociais on-line: da coleta e análise de grandes bases de dados às aplicações. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2011.

CAMPOS, Carmen. “La cara es el alma del cuerpo”. Metáfora y pensamiento visual, 2008. Disponível em: <http://www.ae-ic.org/santiago2008/contents/pdf/comunicaciones/281.pdf>. Acesso em: 3 fev. 2016.

CAPRA, Fritjof. As conexões ocultas: ciência para uma vida sustentável. Tradução de Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Cultrix, 2005. Original publicado em 2002.

CAPRA, Fritjof; LUISI, Pier Luigi. A visão sistêmica da vida: uma concepção unificada e suas implicações filosóficas, políticas, sociais e econômicas. Tradução de Mayra Teruya Eichemberg e Newton Roberval Eichemberg. São Paulo: Cultrix, 2014.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar,2013.

COIMBRA, Rosa Lídia. Quando a garrafa é um porco: metáforas (verbo)pictóricas no texto publicitário. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE LINGÜÍSTICA, 15., 2000, Braga. Actas... Braga: APL, 2000. v. 1, p. 243-253. Disponível em: <http://sweet.ua.pt/rlcoimbra/documentos/rlcoimbra_15APL_2000.pdf>. Acesso em: 22 abr. 2008.

FAUCONNIER, Gilles. Mental spaces. Cambridge: Cambridge University Press, 1994.

FORCEVILLE, Charles. Pictorial metaphor in advertising. London/New York: Routledge, 1996.

FORCEVILLE, Charles. Multimodal metaphor in ten dutch TV commercials. Public Journal of Semiotics, v.1, n. 1, p. 15-34, Jan. 2007.

FORCEVILLE, Charles. Non-verbal and multimodal metaphor in a cognitivist framework: agendas for research. In: FORCEVILLE, Charles; URION-APARISI, Eduardo. Applications of cognitive linguistics: multimodal metaphor. New York: Mouton de Gruyter, 2009.

KRESS, Gunther. Multimodality. A social semiotic approach to contemporary communication. New York, Routledge, 2013.

KRESS, Gunther; VAN LEEUWEN, Theo. Reading images: the grammar of visual design. London: Routledge, 2006.

MATURANA, Humberto R.; VARELA, Francisco J. A árvore do conhecimento: as bases biológicas da compreensão humana. Tradução de Humberto Mariotti e Lia Diskin. São Paulo: Palas Athena, 2001. Original publicado em 1984.

MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Tradução de Eloá Jacobina. Rio de Janeiro: Bertrand, 2009. Original publicado em 1999.

MORIN, Edgar. O método 4: as ideias: habitat, vida, costumes, organização. Tradução de Juremir Machado da Silva. 5. ed. Porto Alegre: Sulina, 2011. Original publicado em 1991.

PAIVA, Vera Lúcia Menezes de Oliveira e. A metonímia como processo fractal multimodal. 2010. Disponível em: <http://www.ufjf.br/revistaveredas/files/2010/08/ ARTIGO-1.pdf>. Acesso em: 4 fev. 2016.

RADDEN, Günter; KÖVECSES, Zoltán. Towards a theory of metonymy. 2007. Disponível em: <http://www.ccla2006.com/news.asp?newsid=216>. Acesso em: 10 set. 2015.

RUIZ, Javier Herrero. The role of metaphor, metonymy and conceptual blending in understanding advertisements: the case of drug-prevention ads. Revista Alicantina de Estudios Ingleses. v. 19, p. 169-190, 2006.

SCHRÖDER, Ulrike. A Metáfora Corporificada e sua Função Multimodal para o Jogo de Linguagem ‘Duelo Verbal’ no Hip Hop. 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2016.

Publicado
23-12-2016
Como Citar
Almeida, A. D. (2016). Brasil, 2015: como a presidenta, seu partido, seus eleitores e seu governo podem ser conceptualizados em rede social. Scripta, 20(40), 99-118. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2016v20n40p99
Seção
Dossiê Metáfora