A leitura hipertextual: da percepção visual às operações cognitivas

  • Fernanda Franco Tiraboschi Universidade Federal de Goiás https://orcid.org/0000-0002-3812-7918
  • Francisco José Quaresma de Figueiredo Universidade Federal de Goiás
Palavras-chave: Leitura, Hipertexto/Percepção visual, Cognição. Compreensão hiperleitora.

Resumo

                

Neste texto, de caráter teórico, temos como objetivo discutir os elementos articulados no processo de leitura tanto de texto impresso quanto hipertextual no intuito de contribuir para as discussões envolvendo o hipertexto. Para tanto, nos apoiamos nas abordagens ascendente, descendente e sociointeracionistas de leitura (CARREL et al., 1995; DURAN, 2009; FAIRCLOUGH, 1989; GOODMAN, 1976; HUDSON, 2007; LEFFA, 1999), no intuito de discutir as mudanças relacionadas aos fenômenos envolvidos no processo de compreensão leitora. Discutiremos, também, as características do hipertexto, bem como sua leitura a partir da abordagem ecológica da cognição (LÉVY, 2004), confrontando, também, as visões de autores como Snyder (1998) e Xavier (2002). Desse modo, procuramos abordar aspectos relacionados ao processo de leitura, em especial o de hipertextos, considerando os fatores incidentes tanto no sistema de percepção visual quanto no processamento cognitivo de informações relacionadas à linguagem verbal escrita. Por fim, consideramos que nenhuma leitura é linear, uma vez que a cognição humana funciona por meio de associações. Portanto, a leitura tanto de textos impressos quanto de textos virtuais pode ser considerada hipertextual.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Franco Tiraboschi, Universidade Federal de Goiás
Atualmente, sou professora de Língua Inglesa e Espanhola do Colégio de Período Integral José Feliciano Ferreira em Jataí - Goiás. Graduada em Letras (habilitação em inglês) pela Universidade Federal de Goiás e Mestra em Letras e Linguística pela Universidade Federal de Goiás. No período de abril de 2011 a fevereiro de 2013 atuei como professora substituta de língua inglesa para turmas de Ensino Médio integrado ao técnico e de Inglês Instrumental para turmas do 1º período do Curso de Análise e desenvolvimento de Sistemas no Instituto Federal de Goiás.
Francisco José Quaresma de Figueiredo, Universidade Federal de Goiás
graduado em Letras Português Inglês pela Universidade Federal de Goiás (1988), mestre em Linguística pela Universidade Federal de Goiás (1995) e doutor em Linguística Aplicada pela Universidade Federal de Minas Gerais (2001), onde, a partir do ano de 2016, tem realizado estágio pós-doutoral. É Professor Associado 4 de Língua Inglesa da Universidade Federal de Goiás. Tem experiência na área de Linguística Aplicada, com ênfase em ensino e aprendizagem de línguas, atuando principalmente nos seguintes temas: correção com os pares, aprendizagem colaborativa, inglês, avaliação, erro e correção, crenças sobre ensino-aprendizagem de línguas, telecolaboração. Tem vasta publicação nessas áreas, em forma de artigos em periódicos especializados e em capítulos de livros. É autor de Aprendendo com os erros: uma perspectiva comunicativa de ensino de línguas; e de Semeando a interação: a revisão dialógica de textos escritos em língua estrangeira. Organizou os livros A aprendizagem colaborativa de línguas; e Formação de Professores de Línguas Estrangeiras: Princípios e Práticas. Juntamente com Maria Cristina Pimentel Campos, da UFV, organizou os livros Culture and arts in Brazil and in the United States: a bridge of multifaceted languages e Intercultural and interdisciplinary studies: pursuits in higher education Organizou, juntamente com Darcilia Marindir Pinto Simões, da UERJ, o livro Metodologias em/de linguística aplicada para ensino e aprendizagem de línguas. Em 1992, foi um dos integrantes da delegação brasileira no programa The Ship for World Youth, patrocinado pelo governo japonês, experiência que lhe possibilitou conhecer o Japão, Estados Unidos, México e Venezuela. De 2006 a 2010, foi o coordenador da UFG no programa Iniciativa em Artes e Cultura Brasil-Estados Unidos, patrocinado pela CAPES/FIPSE, em parceria com a Universidade Federal de Viçosa e duas instituições americanas: University of Montevallo e Gadsden State Community College, ambas no estado do Alabama. Coordenou, de 2012 a 2014, o Programa de Licenciatura Internacional (PLI) entre a UFG e a Universidade de Coimbra. Foi o Vice-Coordenador do GT Ensino-Aprendizagem na Perspectiva da Linguística Aplicada, da ANPOLL, nos biênios 2012-2014 e 2014-2016 e atualmente é seu Coordenador. Desde 2011, é Diretor da Faculdade de Letras da UFG.

Referências

ANDERSON, R. C.; PEARSON, P. D. A schema-theoretic view of basic processes in reading. In: PEARSON, P. D.; BARR, R.; KAMIL, M. L.; MOSENTHAL, P. (Ed.). Handbook of reading research. White Plains, NY: Longman, 1984. p. 255- 291.

BARTLETT, F.C. Remembering: A Study in Experimental and Social Psychology. Cambridge University Press, 1933.

BUGAY, E. L.; ULBRICHT, V. R. Hipermídia. Florianópolis: Bookstore, 2000.

BURGOS, T. de L. O hipertexto eletrônico de meio ambiente: estratégias de leitura e navegação. 2006. 150f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2006. Disponível em: <http://ftp.ufrn.br/pub/biblioteca/ext/bdtd/TacianaLB.pdf> Acesso em: 20 jul. 2014.

BUSH, V. As We May Think. 1945. Disponível em: <http://www.ps.uni-saarland.de/~duchier/pub/vbush/vbush.shtml>. Acesso em: 3 set. 2014.

CHARTIER, R. Os desafios da escrita. Tradução: F. M. L. Moretto. São Paulo: UNESP, 2002.

COSCARELLI, C. V. Leitura em ambiente multimídia e a produção de inferências. In: Simpósio Brasileiro de Informática na Educação, 7., 1996, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: UFMG, 1996. p. 449-456. Disponível em: <http://www.letras.ufmg.br/carlacoscarelli/publicacoes/SBIE.pdf>. Acesso em: 07 jul. 2012.

COSCARELLI, C. V. (Org.). Hipertextos na teoria e na prática. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

DURAN, G. R. As concepções de leitura e a produção do sentido no texto. Prolíngua. João Pessoa, v. 2, n. 2, p. 1-14, Jul./Dez. 2009.

FACONNIER, G. Mental Spaces: aspects of meaning construction in natural language. Cambridge: Cambridge University Press, 1994.

FAIRCLOUGH, N. Media discourse. London: Edward Arnold, 1989.

FOUCAMBERT, J. A leitura em questão. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

GOODMAN, K. S. Reading: a psycholinguistic guessing game. In: SINGER, H.; RUDDELL, R. (Ed.). Theoretical models and processes of reading. 2. ed. Newark, Del.: International Reading Association, 1976. p. 497-505.

HUDSON, T. Teaching second language reading. Oxford: Oxford University Press. 2007.

JOHNSON-LAIRD, P. Mental models. Cambridge, MA: Harvard University Press. 1983.

KONISHI, M. Strategies for reading hypertext by Japanese ESL learners. The Reading Matrix v. 3, p. 97-119, Nov. 2003. Disponível em:

<http://www.readingmatrix.com/articles/konishi/article.pdf.>. Acesso em: 18 set. 2014.

KNOBLAUCH, H. Communication, contexts and culture. A communicative constructivist approach to intercultural communication. in: LUZIO, A. D. GÜNTHNER, S.; ORLETTI, F. (Ed.). Culture in Communication: Analyses of Intercultural Situations. Amsterdam: John Benjamins Company, 2001. p. 3−34.

KOCH, I. G. V. Hipertexto e construção do sentido. Alfa, v. 51, n.1, p. 23-38, 2007.

LEFFA, V. Perspectivas no estudo da leitura: texto, leitor e interação social. In: LEFFA, V.; PEREIRA, A. (Org.). O ensino de leitura e produção: alternativas de renovação. Pelotas: Educat, 1999.

LÉVY, P. O que é o virtual? Trad. Paulo Neves. São Paulo: 34. 1996.

LÉVY, P. Cibercultura. 34. ed. São Paulo: 34. 1999. Disponível em: <http://pt.scribd.com/doc/11036046/Cibercultura-Pierre-Levy>. Acesso em: 05 set. 2013.

LÉVY, P. As tecnologias da Inteligência – O futuro do pensamento na era da informática. Trad. de C. I. da Costa. São Paulo: 34. 2004. Disponível em: <http://fisicaemrede.com/file.php/12/Textos/Levy_tecnologias_da_inteligencia.pdf>. Acesso em: 07 jul. 2012.

MAKONI, S.; PENNYCOOK, A. (Ed.). Disinventing and reconstituting languages. Ontario: Multilingual Matters, 2007.

MARASCHIN, C.; AXT, M. O enigma da tecnologia na formação docente. In: PELLANDA, N.; PELLANDA, E. (Org.). Ciberespaço: Um Hipertexto com Pierre Lévy. Porto Alegre: Artes e Ofício, 2000. p. 90-105.

MARCUSCHI , L. A. Gêneros textuais emergentes no contexto da tecnologia digital. In: MARCUSCHI , L. A.; XAVIER, A. C. S. (Org.). Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construção de sentido. 2. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005. p. 91-109.

Minsky, H. Suggestions for a Cash-Flow Oriented Bank Examinations. In: Proceedings of a Conference on Bank Structure and Competition. Chicago: Federal Reserve Bank of Chicago, 1975

MOITA LOPES, L. P. Oficina de Linguística Aplicada. São Paulo: Mercado de Letras, 1996.

MOWERY, D. C.; ROSENBERG, N. Trajetórias da inovação. A mudança tecnológica nos Estados Unidos da América no século XX. Trad. M. Knobel. Campinas: Unicamp, 2005.

NELSON, T. Complex Information Processing: a File Structure for the Complex, the Changing and the Indeterminate. ACM 20th National Conference. 1965 p. 84-100. Disponível em: <http://dl.acm.org/citation.cfm?id=806036>. Acesso em: 3

set. 2014.

PAIVA, V.L.M.O. E-mail: Um Novo Gênero Textual. In: MARCUSCHI, L. A.; XAVIER, A. C. (Org.). Hipertexto e Gêneros Digitais. Rio de Janeiro: Lucerna, 2004. p. 68-90.

PINHO, J.B. Publicidade e vendas na internet: técnicas e estratégias. São Paulo: Summus, 2000.

RISAGER, K. Language and Culture: Global Flows and Local Complexities. Clevedon: Multilingual Matters, 2006.

SANTOS, N. A. dos; SIMAS, M L de B. Percepção e Processamento Visual da Forma: Discutindo Modelos Teóricos Atuais. Psicologia: Reflexão e Crítica. 2001 v. 14, n. 1, p. 157-166. 2001. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/prc/v14n1/5215.pdf >. Acesso em: 25 jul. 2014.

SMITH, F. Compreendendo a leitura: uma análise psicolinguística da leitura e do aprender a ler. Trad. D. Batista. Porto alegre: Artes Médicas,1989.

SNYDER, I. (Ed.). Page to Screen - Taking Literacy into the Electronic Era. London and New York: Routledge, 1998.

SOLÉ, I. Estratégias de leitura. Trad. C. Schilling. 6. ed. Porto Alegre: Artmed. 1998.

STREET, B.V. Cross-cultural approaches to literacy. Cambridge: Cambridge University Press, 1993.

TIRABOSCHI, F. F. Instruções de estratégias de leitura hipertextual em língua inglesa: um estudo com aprendizes da educação tecnológica em ambiente virtual de aprendizagem. 2015. 191 f. Dissertação (Mestrado em Letras e Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2015.

XAVIER, A. C. O hipertexto na sociedade da informação: a constituição do modo de enunciação digital. 2002. Tese (Doutorado em Lingüística). Campinas: Instituto de Estudos da Linguagem (IEL). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002.

Publicado
30-06-2017
Como Citar
Tiraboschi, F. F., & Figueiredo, F. J. Q. de. (2017). A leitura hipertextual: da percepção visual às operações cognitivas. Scripta, 21(41), 69-87. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2017v21n41p69
Seção
Dossiê: Sistemas Perceptivos e Linguagens