Atravessar as fronteiras da modernidade: movimentos de transversalidade no contexto europeu e brasileiro.

  • Aline Leal Fernandes Barbosa Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Modernismo, Bens simbólicos, Autonomia, Demarcação.

Resumo

Se os paradigmas estéticos da modernidade buscavam acentuar a autonomia da arte, sua radical separação de qualquer interesse exterior à própria obra, a distância entre expressões culturais altas e baixas, assistimos contemporaneamente à crescente aproximação entre as esferas culturais, apostando no intercâmbio horizontal em detrimento da verticalização polarizada e sinalizando a necessidade de novos recortes que permitam dar conta da tenuidade das fronteiras entre a chamada alta cultura e a cultura midiática de mercado. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Leal Fernandes Barbosa, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro
Doutora (2017) e mestra (2013) pelo programa de Literatura, Cultura e Contemporaneidade da PUC-Rio. Graduada em jornalismo (2006) pela mesma instituição.

Referências

BOURDIEU, Pierre. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social e julgamento. Porto Alegre: Editora Zouk, 2006.

ECO, Umberto. Obra aberta. São Paulo: Perspectiva, 1991.

FIGUEIREDO, Vera Follain de. Narrativas migrantes: literatura, roteiro e cinema. Rio de Janeiro: Ed.PUC-Rio: 7 letras, 2010.

FLAUBERT, Gustave. Madame Bovary. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011.

FLAUBERT, Gustave. A educação sentimental. São Paulo: Martin Claret, 2006.

HOLANDA, Heloísa Buarque de (Org). Pós-modernismo e política. Rio de Janeiro: Rocco, 2002.

HUYSSEN, Andreas. Memórias do modernismo. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1997.

HUYSSEN, Andreas. Mapeando o pós-moderno, in: HOLANDA, Heloísa Buarque de (org). Pós-modernismo e política. Rio de Janeiro: Rocco, 2002.

HUYSSEN, Andreas. Literatura e cultura no contexto global. In: MARQUES, Reinaldo; VILELA, Lúcia Helena (Orgs). Valores ¬ - arte, política, mercado. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

MARIA CARPEAUX. Prefácio de Madame Bovary. In: FLAUBERT, Gustave. Madame Bovary. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011.

MARQUES, Reinaldo; VILELA, Lúcia Helena (Orgs). Valores ¬ - arte, política, mercado. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

MEYER, MARLYSE. Folhetim: uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

ORTIZ, Renato. A moderna tradição brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1988.

SÁ, SÉRGIO. A reinvenção do escritor: literatura e mass media. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

SARLO, Beatriz. A literatura na esfera pública, in: MARQUES, Reinaldo & VILELA, Lúcia Helena (orgs). Valores ¬ - arte, política, mercado. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

STAM, Robert. O espetáculo interrompido: literatura e cinema de desmistificação. São Paulo: Paz e Terra, 1981.

Filme: Palavra (En)cantada; 2008. Direção: Helena Solberg.

Publicado
15-06-2018
Como Citar
Leal Fernandes Barbosa, A. (2018). Atravessar as fronteiras da modernidade: movimentos de transversalidade no contexto europeu e brasileiro. Scripta, 22(44), 157-170. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2018v22n44p157
Seção
Literaturas