Gente de papel e tinta: a força dos personagens ecianos

  • Flávia Aninger de Barros Rocha UEFS
  • Alana de Oliveira Freitas El Fahl UEFS
Palavras-chave: Teoria da Literatura, Literatura Portuguesa

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo considerar que a permanência do interesse na obra de Eça de Queirós na contemporaneidade está centrada na força da construção de suas personagens. Apresentamos, inicialmente, um breve esboço acerca da presença dos motivos ecianos na cultura através de sua citação em variadas manifestações artísticas, como a telenovela e a música popular brasileira. Em seguida apontamos que, através dos títulos das obras, o autor português já dava mostras sobre o seu ideal de pintar as cenas portuguesas pondo em cena personagens complexas. Por fim, tecemos algumas considerações analíticas sobre contos ecianos a partir da perspectiva das personagens, lançando luz sobre alguns elementos que avivam a percepção da obra do autor e seu projeto literário através dessas personas singulares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia Aninger de Barros Rocha, UEFS

Departamento de Letras e Artes da UEFS 

Programa de Pós Graduação em Estudos Literários - PROGEL

Alana de Oliveira Freitas El Fahl, UEFS
Professora Titular de Literatura Portuguesa e Brasileira da Universidade Estadual de Feira de Santana. Atua na graduação, especialização, mestrado em Estudos Literários e Profletras. Doutora em Teorias e Críticas da Literatura e da Cultura pela Universidade Federal da Bahia (2009), Mestre em Literatura e Diversidade Cultural pela Universidade Estadual de Feira de Santana (2003), Especialista em Metodologia e Ensino da Língua Portuguesa(1999) e Graduada em Letras Vernáculas1997). Tem experiência na área de Letras, atuando principalmente nos seguintes temas: Literatura portuguesa, prosa, conto, crônica, Eça de Queirós, Literatura brasileira e relações intertextuais. É coordenadora do projeto de pesquisa Janela de Tomar: Matrizes culturais na Literatura portuguesa e brasileira. Autora do livro Singularidades narrativas: uma leitura dos contos de Eça de Queirós. É membro do Grupo Eça. Criadora do blog Entretelas.blog.br no qual analisa telenovelas e filmes à luz da Literatura. Coordenadora do Profletras na UEFS entre 2015 e 2017. Atualmente desenvolve Pós-Doutorado na Universidade Federal da Bahia sobre as relações entre Telenovela e a Literatura do Século XIX.

Referências

BARBOSA, João Alexandre. Os intervalos de Eça de Queirós. In: QUEIROZ, Eça. Obras completas: vol. II. Rio de Janeiro: Ed. Nova Aguilar, 1997.

BRAIT, Beth. A personagem. 7 ª edição. São Paulo: Ed. Ática, 2000.

CALVINO, Italo. Por que ler os clássicos. São Paulo: Cia. das Letras, 2000.

CANDIDO, Antonio et al. A personagem de ficção. 10ª edição. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2002.

DUARTE, Maria do Rosário da Cunha. A inscrição da leitura na ficção queirosiana. In: MINÉ, Elza e CANIATO, Benilde Justo (org). 150 Anos com Eça de Queiroz. Anais do III Encontro Internacional de Queirosianos. USP: São Paulo, 1997.

GARCEZ, Maria Helena Nery. O amor e seus casos simples... Revista Via Atlântica. São Paulo, n. 4., p. 238-248, dez. 2000.

LEPECKI, Maria Lúcia. José Matias. In: MATOS, A. Campos de (org.). Dicionário de Eça de Queiroz. Lisboa: Ed. Caminho, 1988.

LUKÁCS, Georg. A teoria do romance: um ensaio histórico-filosófico sobre as formas da grande épica. Duas Cidades: São Paulo, 2000.

QUEIRÓS, Eça de. Contos I: Edição crítica das obras de Eça de Queirós. Lisboa. Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 2004.

QUEIROZ, Eça. Obras Completas: vol. I. Rio de Janeiro: Ed. Aguilar, 1970.

QUEIROZ, Eça. Obras completas: vol. II. Rio de Janeiro: Ed. Nova Aguilar, 1997.

REIS, Carlos. O essencial sobre Eça de Queirós. Lisboa: Ed. Imprensa Nacional, 2000.

REIS, Carlos. Eça de Queiroz e a personagem como ficção. Revista de Estudos Literários. Coimbra, n.6, p.29-60, 2016.

Publicado
15-06-2018
Como Citar
Rocha, F. A. de B., & El Fahl, A. de O. F. (2018). Gente de papel e tinta: a força dos personagens ecianos. Scripta, 22(44), 69-80. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2018v22n44p69
Seção
Literaturas