[1]
E. M. de Melo e Castro, “A LÍNGUA EM ESTADO GASOSO”, Rev. SCRIPTA, vol. 2, nº 3, p. 100-107, out. 1998.