[1]
K. C. de S. Raposo e H. M. G. Magalhães, “Polissemia: da atenção à significação”, Rev. SCRIPTA, vol. 18, nº 34, p. 103-120, jul. 2014.