A A SEXUALIDADE DO IDOSO NA PERSPECTIVA BIOPSICOSSOCIAL

  • Amanda Resende Chagas Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
  • Bárbara Caldeira Santos
  • Francielly E. N. Silva
  • Grasiele C. Ferreira
  • Sabrina O. Viana PUC Minas

Resumo

RESUMO

A vivência da sexualidade na velhice pode sofrer influência das mudanças fisiológicas, psicológicas e sociais decorrentes do envelhecimento, processo esse irreversível e não patológico de deterioração de organismos maduros. Este estudo é uma revisão narrativa que visou identificar quais fatores biopsicossociais interferem na sexualidade do idoso. A pesquisa foi realizada nas bases Pubmed, Scielo e Lilacs, entre setembro e outubro de 2019, utilizando os descritores: idoso, envelhecimento, sexualidade e saúde sexual em português e inglês. Foram selecionados estudos publicados nos últimos 10 anos, com idosos brasileiros, sem comprometimento da função cognitiva. Após análise dos artigos, os resultados foram agrupados de acordo com o modelo biopsicossocial de funcionalidade da Organização Mundial de Saúde. No aspecto biológico, redução da libido, ansiedade, disfunção erétil e outras enfermidades favorecem o declínio da vida sexual ativa do idoso. Fatores pessoais, como auto imagem negativa, experiências pregressas traumáticas, além de fatores ambientais, que incluem preconceito social, questões ideológicas presentes no ambiente de criação, falta de privacidade no domicílio e ausência do companheiro também influenciam a vivência da sexualidade. Abordar a sexualidade dos idosos exige dos profissionais de saúde uma visão holística, que combine fatores biopsicossociais a fim de compreender a sexualidade nessa perspectiva, identificando barreiras e facilitadores para sua vivência.

Publicado
08-09-2020
Seção
SINAPSE DA SAÚDE