O IMPACTO DO QUARTO PODER SOBRE A GREVE E SUA INFLUÊNCIA NO MOVIMENTO PAREDISTA DOS RODOVIÁRIOS DE BELO HORIZONTE

Anne Shirley de Oliveira Rezende Martins, Gabriel de Souza Salema, Marina Aparecida Querino Ianhez Macêdo

Resumo


O presente artigo tem o objetivo de realizar uma análise sobre o instituto da greve, sua importância, suas características e seus elementos, conjugada com o impacto da mídia sobre o resultado final de um movimento paredista, tendo poder para deslegitimar movimentos que perante o ordenamento jurídico vigente não padecem de vício e legitimando condutas ilícitas. Com seu poder de persuasão, a mídia dá enfoques diferentes às situações análogas, bastando um interesse para autorizar o discurso, elegendo como vencedor aquele que melhor lhe aprouver. Analisa-se como a mídia pode noticiar uma greve de diferentes faces, ratificando um direito constitucional ou criminalizando-o em nome de interesses pessoais.

Palavras-chave


Greve, Mídia e Quarto Poder

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, Alice Monteiro de. Curso de direito do trabalho. 2 ed. São Paulo: LTR, 2006.

BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, 1988.

LEITE, Carlos Henrique Bezerra. A Greve como Direito Fundamental. Curitiba: Juruá, 2000.

MENDONÇA, Deborah – A Importância da Mídia na Política de Democratização das Relações de Trabalho no Brasil – Da história à atualidade. Trabalho de Mestrado – Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Porto Alegre – 2010.

MORAIS, Denis. O Planeta Mídia: Tendências da Comunicação na era Global. Campo Grande: Letra Livre, 1998.

TEMER, Ana Carolina Rocha Pessoa (Org). Mídia, Cidadania e Poder. Goiânia: FACOMB/FUNAPE, 2011.

THOMPSON, John B. O Escândalo Político: poder e visibilidade na era da mídia. Tradução de Pedrinho A. Guareschi, Petrópolis: Vozes. 2002.

VIANA, Márcio Túlio. Direito de resistência: possibilidade de autodefesa do empregado em face do empregador. São Paulo: LTR, 1996.

ZANGRANDO, Carlos Herinque da Silva. A greve no direito brasileiro. 1 ed. Rio de Janeiro: Forense, 1994.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Virtuajus