O Direito Fundamental à Participação por meio da Convenção de Aarhus em Matéria Ambiental como Forma de Implementar o Estado Constitucional Cooperativo na Figura do Amicus Curiae

Ana Carolina Couto Matheus

Resumo


O escopo da pesquisa é analisar a Convenção de Aarhus em matéria ambiental sob o enfoque do Estado Constitucional Cooperativo, privilegiando o direito fundamental à participação. O objetivo geral é compreender a referida Convenção como forma de implementar o Estado Cooperativo para a proteção ambiental, na figura do amicus curiae. Objetivos específicos são: destacar que o governo brasileiro não ratificou a referida Convenção como corolário do Estado Ambiental Cooperativo; valorizar a construção teórica de Peter Häberle que trata cooperação internacional como responsabilidade internacional. Será utilizado o método indutivo, fonte bibliográfica, as técnicas do referente, conceito operacional, fichamento e da categoria.


Texto completo:

PDF

Referências


BASTERRA, Marcela. El derecho fundamental de acesso a la información pública. Buenos Aires: Lexis Nexis Argentina, 2006.

BECKER, Rodrigo Frantz. Amicus Curiae no novo CPC. Disponível em: . Acesso em: 06 abr. 2017.

BRASIL. Constituição (1988). Coletânea de Legislação e Jurisprudência. Vademecum. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 2016.

BRASIL. Lei nº 10.650, de 16 de abril de 2003. Coletânea de Legislação e Jurisprudência. Vademecum. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 2016.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito Constitucional e Teoria da Constituição. 3. ed. Coimbra: Almedina, 1999.

DIZ, Jamile Bergamaschine Mata; DISCACCIATI, Ana Clara Gonçalves. Acesso à informarão ambiental: por um novo paradigma de participação. Revista Direito e Liberdade – DRL – ESMARN, v. 17, n. 3, p. 71-113, set./dez. 2015. ISNN impresso 1809-3280; ISSN eletrônico 2177-1758.

GONTIJO, André; SILVA, Christiane Oliveira Peter da. O papel do amicus curiae no Estado Constitucional: mecanismo de acesso da transdisciplinariedade no processo de tomada de decisão constitucional. In: Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza – CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de junho de 2010, p. 84-99. Disponível em: . Acesso em: 06 mai. 2017.

GUERRA FILHO, Willis Santiago. Processo Constitucional e Direitos Fundamentais. São Paulo: Celso Bastos e Instituto Brasileiro de Direito Constitucional, 1999.

HÄBERLE, Peter. Hermenêutica Constitucional. A sociedade aberta dos intérpretes da constituição: contribuição para a interpretação pluralista e “procedimental” da constituição. Tradução Gilmar Ferreira Mendes. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 2002.

_____. La sociedad abierta de los intérpretes constitucionales: una contribución para la interpretación pluralista y “procesal” de la Constitución. Academia. Traduccíon Xabier Arzoz Santisteban (Universidad del País Vasco). Revista sobre enseñanza del Derecho. Ano 6, Número 11, 2008, ISSN 1667-4154, p. 29/61.

_____. Estado Constitucional Cooperativo. Tradução Marcos Augusto Maliska e Elisete Antoniuk. Rio de Janeiro: Renovar, 2007.

_____. Pluralismo y constitución: estudios de Teoría Constitucional de la sociedad abierta. Traducción de Emilio Likunda. Madrid: Tecnos, 2002.

MAZZUOLI, Valério de Oliveira; AYALA, Patryck de Araújo Cooperação internacional para a preservação do meio ambiente: o direito brasileiro e a Convenção de Aarhus. Revista Direito GV 15 São Paulo 8(1) 12, jan-jun. 2012, p. 297-328.

MORAES, Alexandre de. Direitos humanos fundamentais: teoria geral, comentários aos artigos 1º a 5º da Constituição da República Federativa do Brasil, doutrina e jurisprudência. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2000.

NUNES, Alexandre Augusto Pereira. Direito fundamental de acesso à informação. Democracia, Estado Democrático de Direito, República e Controle Social. São Paulo: Lumen Juris, 2014.

ONU. Resolução da Assembleia da República nº 11/2003. Convenção sobre Acesso à Informação, Participação do Público no Processo de Tomada de Decisão e Acesso à Justiça em Matéria de Ambiente. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2017.

PONTES DE MIRANDA, Francisco Cavalcante. Democracia, liberdade, igualdade: os três caminhos. São Paulo: J. Olympo, 1945.

SCALIA, Antonin. A matter of interpretation. Federal Courts and the law. New Jersey: Princenton, 1997.

SILVA, Christine Oliveira Peter da. Estado constitucional cooperativo. Direito Público. Porto Alegre: Síntese; Brasília: Instituto Brasiliense de Direito Público, 2006, v. 3, n. 12 (abr./mai./jun.), p. 5-20.

_____. Estado constitucional cooperativo: o futuro do Estado e da interpretação constitucional sob a ótica da doutrina de Peter Häberle. Disponível em: . Acesso em: 17 abr. 2017.

_____. Transjusfundamentalidade: diálogos transnacionais sobre direitos fundamentais. Curitiba: CRV, 2014.

SILVA, José Afonso. Comentário contextual à Constituição. 4. ed. São Paulo: Malheiros, 2007.

SGARIONI, Márcio Frezza; RAMMÊ, Rogério Santos. Estado ambiental cooperativo e o Supremo Tribunal Federal com ator jurídico na valorização dos acordos internacionais em matéria ambiental. Revista Eletrônica Direito e Política, Programa de Pós-Graduação Sricto Sensu em Ciência Jurídica da UNIVALI. Itajaí, V. 7, N.1, 1º quadrimestre de 2012. ISSN 1980-7791. Disponível em: . Acesso em 15 mar. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Virtuajus