A Lei Natural em Tomás de Aquino e Tomás de Mercado

Lúcio Souza Lobo

Resumo


A análise da lei natural é aqui proposta de duas perspectivas. Tomás de Mercado (1523-1575) foi um frade dominicano espanhol que escreveu dois importantes tratados econômicos no contexto dos debates da Escola de Salamanca: Tratos y contratos de mercaderes y tratantes (1569) e Suma de tratos y contratos (1571). Um importante fundamento de sua Suma de tratos é sua visão a respeito da lei natural, baseada nas discussões escolásticas a esse respeito. Neste artigo, para compreender os pressupostos da perspectiva de Mercado a esse respeito, apresento a teoria de Tomás de Aquino e analiso como ela pode ser usada para a compreensão do primeiro capítulo da Suma de tratos.

 


Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. Retórica. Tradução de Manuel Alexandre Júnior et al. S. Paulo: Martins Fontes, 2012.

CÍCERO. Tratado da República. Tradução de Francisco de Oliveria. Lisboa: Circulo de Leitores, 2008.

HESÍODO. Os Trabalhos e Os Dias. Tradução de Alessandro Rolim de Moura. Curitiba: Segesta, 2012.

RAMOS, M. Ética e Direito em Agostinho: um ensaio sobre a lei temporal. Síntese, vol. 25, n. 80, 1998, p. 107-132.

SÓFOCLES. Antígona. Tradução de Maria Helena da Rocha Pereira. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2007.

TOMÁS DE AQUINO. Suma Teológica, vol. IV. Tradução de Alexandre Correa. Porto Alegre: EST Sulina, 1980.

TOMÁS DE MERCADO. Suma de Tratos y Contratos. Madrid: Instituto de Estudios Fiscales, 1977.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Virtuajus