A Busca pela Adequação aos Preceitos do Sistema Acusatório: o Controle da Legalidade no Curso da Investigação Criminal pelo Juízo das Garantias

Camila Sallum

Resumo


O Projeto de Lei do Senado n.o 156 de 2009 busca inserir ao ordenamento jurídico brasileiro a figura do juiz das garantias, bem como delimitar suas competências, estabelecendo ser este “o responsável pelo controle da legalidade da investigação criminal e pela salvaguarda dos direitos individuais”. Não raras vezes, há discrepâncias em relação à função jurisdicional e ao direito processual penal, posto que este último, usualmente, é visto, apenas, como ferramenta capaz de satisfazer a pretensão punitiva estatal. Nesse contexto, o estudo aqui proposto busca abordar a problemática da não observância dos preceitos do sistema acusatório, bem como analisar as principais divergências entre os procedimentos chileno e brasileiro, de modo a verificar se o juízo das garantias, já adotado no Chile, se amoldará ao processo penal do Brasil.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Leonardo Barreto Moreira. Direito Processual Penal. 3ª ed. Salvador: Jus Podivm, 2013.

BARROS, Vinicius Diniz Monteiro de. A prisão em flagrante no modelo

constitucional de processo e a atuação dos sujeitos processuais. 2011. 168 f. Dissertação (Mestrado) - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação em Direito, Belo Horizonte.

BRASIL. Código de Processo Penal (1941). Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Decreto-Lei/Del3689.htm>. Acesso em 25 de julho de 2017.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Disponível em < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm> Acesso em 25 de julho de 2017.

BRASIL. Projeto de Lei do Senado n.o 156 de 2009. Disponível em:

. Acesso em: 25 julho de 2017.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Súmula Vinculante n.o 14. Disponível em:

. Acesso em: 02 de agosto de 2017.

CHOUKR, Fauzi Hassan. A “terceira via” da reforma do processo penal: o controle de convencionalidade. In: Canal Ciências Criminais. Publicado em: 24 de julho de 2015. Disponível em: < https://canalcienciascriminais.com.br/a-terceira-via-da-reforma-do-processo-penal-o-controle-de-convencionalidade/ >. Acesso em: 30 de julho de 2017.

COUTINHO, Jacinto Nelson de Miranda. Sistema acusatório: cada parte no lugar constitucionalmente demarcado. In: Revista de informação legislativa. vol. 46, n.o 183, p. 103-115. Disponível em: < http://www2.senado.leg.br/bdsf/item/id/194935>. Acesso em: 27 de julho de 2017.

FERRAJOLI, Luigi. Di reito e Razão. 4ª ed. São Paulo: Revistas dos Tribunais, 2014.

GRECO FILHO, Vicente. Manual de Processo Penal. 6ª ed. São Paulo: Saraiva, 1999.

LIMA, Renato Brasileiro de. Manual de processo Penal. 2ª ed. Salvador: Jus Podivm, 2014.

JARDIM, Afrânio Silva. Direito processual penal. 11ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 2005.

LOPES JR., Aury. Direito Processual Penal. 11ª ed. São Paulo: Saraiva, 2014.

NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de processo penal e execução penal. 9ª ed. São Paulo: Revistas dos Tribunais, 2012.

PACELLI, Eugênio. Curso de processo penal. 18ª ed. São Paulo: Atlas, 2014.

RANGEL, Paulo. Direito processual penal. 22ª ed. São Paulo: Atlas, 2014.

RAVAZZANO, Fernanda. A experiência no Chile e a busca por um sistema acusatório no Brasil. In: Canal Ciências Criminais. Publicado em: 05 de julho de 2016. Disponível em:< https://canalcienciascriminais.com.br/a-experiencia-no-chile-e-a-busca-por-um-sistema-acusatorio-no-brasil/ >. Acesso em: 25 de julho de 2017.

ROSA, Alexandre Morais da. Guia do processo penal conforme a teoria dos jogos . 4ª ed. Florianópolis: Empório do Direito, 2017.

SOUZA, José Barcelos de. A defesa na polícia e em juízo. 5ª ed. São Paulo: Saraiva, 1980.

TÁVORA, Nestor. ALENCAR, Rosmar Rodrigues. Curso de direito processual penal. 7ª ed. Salvador: Jus Podivm, 2012.

TORNAGHI, Hélio. Instituições de processo penal. 2ª ed. São Paulo: Saraiva, 1977.

TOURINHO FILHO, Fernando da Costa. Processo Penal. vol. 1. 35ª ed. São Paulo: Saraiva, 2013.

TOURINHO FILHO. Processo Penal. vol. 2. 35ª ed. São Paulo: Saraiva, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Virtuajus