Reflexões Acerca do Ativismo Judicial: os Riscos da Atuação Extralegal do Poder Judiciário

Mellissa Carvalho Moreira

Resumo


O presente trabalho tem como escopo realizar uma abordagem acerca do desenvolvimento e das diferentes manifestações do fenômeno do ativismo judicial na sociedade brasileira. Partindo de uma breve contextualização histórica sobre a ascensão institucional do Poder Judiciário, da ampliação de suas atribuições e em sua atuação como guardião da Constituição, apontando como tais modificações ensejaram uma modificação na relação entre os três Poderes, e também na relação entre Direito e Política na sociedade, considerando o exercício de poderes políticos que o Judiciário passa a exercer. Em seguida, apresenta uma abordagem das manifestações que decorrem de  tal mudança de atuação do Judiciário, que são os fenômenos do ativismo judicial, judicialização da Política e politização da Justiça, apontando como tais fenômenos geram uma confusão entre Direito e Política, e como tal confusão representa riscos para a ordem Constitucional, o Estado Democrático de Direito, a sociedade e para o próprio Poder Judiciário, adotando, a título de exemplo, decisões judiciais tomadas pelo Supremo Tribunal Federal com fundamento em argumentos de cunho político, social e moral, no lugar de argumentos jurídicos.

 


Palavras-chave


Poder Judiciário; Ativismo judicial; Relação entre Direito e Política; Judicialização da Política; Politização da Justiça.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

ALENCAR FILHO, José Geraldo. Judicialização da política e ativismo judicial: estudo dos motivos determinantes e limites da interpretação judicial. 2011. 126 f. Dissertação – Programa de Pós-Graduação em Direito, Universidade Católica de Pernambuco, Recife. Disponível em: . Acesso em 04 mar. 2018.

BARROSO, Luís Roberto. A razão sem voto: o Supremo Tribunal Federal e o governo da maioria. Revista Brasileira de Políticas Públicas, Brasília, v. 5, número especial, 2015, p. 23-50. Disponível em: . Acesso em: 11 maio. 2018.

BARROSO, Luís Roberto. Judicialização, ativismo judicial e legitimidade democrática. [Syn]Thesis, Rio de Janeiro, v. 5, número especial, p. 23-32, jun. 2012. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. 2017.

BARROSO, Luís Roberto. Jurisdição Constitucional: a tênue fronteira entre o Direito e a Política, [S.l]: Migalhas Jurídicas. 2014. Disponível em: < http://www.migalhas.com.br/arquivos/2014/2/art20140204-06.pdf>; Acesso em: 04 maio. 2018.

BRASIL. Código de Processo Civil. Brasília: Senado Federal. 2015.

BRASIL, Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

CAMPILONGO, Celso Fernandes. O Direito na Sociedade Complexa. 2. Ed. São Paulo, Ed. Saraiva, 2011.

CAMPOS, Carlos Alexandre de Azevedo. Dimensões do Ativismo Judicial do Supremo Tribunal Federal. Rio de Janeiro, Forense. 2014. [E-Book].

CARVALHO, Ernani Rodrigues de. Em busca da judicialização da política no Brasil: apontamentos para uma nova abordagem. Revista Sociologia Política, Curitiba, v. 23, p. 115-126, nov. 2004. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2018.

CONFIANÇA do brasileiro no STF é maior do que na Justiça. IBOPE inteligência, [S.l.], 03 jan. 2013. Notícias & pesquisas. Disponível em: < http://www.ibopeinteligencia.com/noticias-e-pesquisas/confianca-do-brasileiro-no-stf-e-maior-do-que-na-justica/>. Acesso em: 23 maio. 2018.

CRUZ, Álvaro Ricardo de Souza. Jurisdição Constitucional Democrática. 2 ed. rev. e ampl., Belo Horizonte: Arraes editores, 2014.

ELÓI, André Luiz Vieira; TEIXEIRA, Paulo Enderson de Oliveira. Judicialização da política: o aumento das estruturas judicantes nas democracias contemporâneas e no Brasil. Revista Eletrônica do Curso de Direito – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Serro, n. 10, ago./dez. 2014. Disponível em: . Acesso em: 27 jan. 2018.

FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. O papel político dado ao Supremo pela Constituição. [S.l.]: Consultor Jurídico, 2009. Disponível em: . Acesso em 12 maio. 2018.

GARCEZ, William. A presunção de inocência na visão do STF: o julgamento do HC 126.292. [S.l.]: Jusbrasil, 2016. Disponível em: . Acesso em: 22 maio. 2018.

HC 152.752: Anotações para Manifestação oral Ministro Luís Roberto Barroso. [S.l.]: Consultor Jurídico, 2018. Disponível em: . Acesso em: 23 maio. 2018.

ITO, Marina. “Judicialização é Fato, Ativismo é Atitude”. [S.l.]: Consultor Jurídico, maio. 2009. Disponível em: . Acesso em: 22 maio. 2018.

MINISTÉRIO Público pede que STJ avalie suspeição de Moro para julgar Lula. Rede Brasil atual, [S.L.], 21 set. 2017. Política. Disponível em: . Acesso em 12 abr. 2018.

NOGUEIRA, Thúlio Guilherme Silva. Afinal, Qual o Alcance da Garantia da Presunção de Inocência no Processo Penal Brasileiro? [Florianópolis]: Empório do Direito, 2018. Disponível em: . Acesso em: 23 maio 2018.

OLIVEIRA, Marcelo Andrade Cattoni; SILVA, Diogo Bacha; BAHIA, Alexandre Melo Franco de Moraes. Autocracia judicial? O poder judiciário e o risco do estado de exceção. [Florianópolis]: Empório do Direito, 2016a. Disponível em: . Acesso em: 18 mar. 2018.

OLIVEIRA, Marcelo Andrade Cattoni; RIBEIRO, Douglas Carvalho; COSTA, Victor Cezar Rodrigues da Silva. Quem controla os controladores? A presunção de inocência, o STF e a sociedade aberta de intérpretes da Constituição para Leonardo Isaac Yarochewsky. Revista Empório do Direito, Florianópolis, 2016c. Disponível em: . Acesso em: 22 maio. 2018.

OLIVEIRA, Rafael Tomaz de. Judicialização não é sinônimo de ativismo judicial. [S.L.]: Consultor Jurídico, 2012. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2017.

RAMOS, Elival Silva. Ativismo Judicial: parâmetros dogmáticos. 2 ed. São Paulo: Saraiva. 2015.

ROMÃO, Luís Fernando De França. A Politização do poder judiciário e as causas do ativismo judicial. Revista Eletrônica Direito e Política, Santa Catarina, v. 12, n. 1, p. 104-127, jan./abr. 2017. Disponível em: . Acesso em: 26 abr. 2017.

SARMENTO, Daniel. (Coord.). Jurisdição Constitucional e Política. Rio de Janeiro: Forense, 2015.

STF nega habeas corpus contra prisão de Lula; veja como foi o julgamento. Veja, [São Paulo], 4 abr. 2018. Política. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2018.

STRECK, Lênio Luiz. Hermenêutica jurídica e(m) crise: uma exploração hermenêutica da construção do direito. 7 ed. rev. e atual. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2007.

VIANNA, Luiz Werneck et. al. Judicialização da Política e das relações sociais no Brasil, Rio de Janeiro: Editora Revan, 1999.

VIANNA, Luiz Werneck; BURGOS, Marcelo Baumann; SALLES, Paula Martins. Dezessete Anos de Judicialização da Política. Tempo Social, Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 19, n. 2. p. 39-85. nov. 2007. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2018.

WACHELESKI, Marcelo Paulo. A judicialização das relações sociais e políticas: uma análise a partir do pensamento de Hannah Arendt. 2007. 183 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Ciência Jurídica, Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí. Disponível em: . Acesso em: 18 mar. 2018.

ZAULLI, Eduardo Meira. Judicialização da política, poder judiciário e comissões parlamentares de inquérito no Brasil. Revista de Informação Legislativa, v. 47, n. 185, p. 7-25. jan./mar. 2010. Disponível em: < http://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/198655>. Acesso em 15 mar. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Virtuajus