Ciberespaço e Trabalho: Perspectivas e Desafios em torno do Primado do Valor Social

  • Ranidson Gleick Amâncio e Souza Centro Universitário Leste de Minas (UNILESTE)
  • Alexandre Pimenta Batista Pereira Centro Universitário Leste de Minas (UNILESTE)
Palavras-chave: Trabalho. Ciberespaço. economia colaborativa. subordinação fragmentária.

Resumo

O presente artigo se baseia numa reflexão sobre as relações trabalhistas atuais e as tecnologias do século XXI, especificamente o ciberespaço, analisando a possibilidade de resgatar o sentido ontológico do trabalho, ou seja, o trabalho consciente e proposital, outrora diminuído através de sua alienação nas relações de emprego. A revolução tecnológica apontada por Castells (2003) evidencia a fragilidade do atual modelo capitalista empresarial que, em
momentos de instabilidade econômica, produz demissão em massa e precarização do trabalho. A alienação do trabalho assume uma nova perspectiva no contexto do ciberespaço, seja no viés de depositário do trabalho, seja no contexto de intermediação das relações humanas. O
ciberespaço pode ser tomado como equivalência de poder entre trabalhadores e contratantes ou esconder rasgos de subordinação expropriatória, fragmentando as relações humanas. Busca-se, como ilustração ao problema, resgatar perspectivas epistemológicas em torno do problema do Uber, para fins de suposto enquadramento de vínculo de emprego.

Biografia do Autor

Ranidson Gleick Amâncio e Souza, Centro Universitário Leste de Minas (UNILESTE)

Professor de Direito no Centro Universitário do Leste de Minas (UNILESTE); Mestre pela
Universidade Vale do Rio Doce (UNIVALE); LL.M pela Suffolk University, nos Estados
Unidos; MBA em Direito da Economia e da Empresa, pela Fundação Getúlio Vargas (FGV);
Advogado membro do Instituto dos Advogados de Minas Gerais.

Alexandre Pimenta Batista Pereira, Centro Universitário Leste de Minas (UNILESTE)

Juiz do Trabalho Substituto do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região. Doutor e Mestre
em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais. Ex-Bolsista do Serviço Alemão de
Intercâmbio Acadêmico (DAAD). Pesquisador-Visitante na Universidade de
Gießen/Alemanha (2006-2008) e no Max-Planck-Institut für ausländisches und
internationales Privatrecht em Hamburgo/Alemanha (2010-2011). Ex-Professor da
Universidade Federal de Viçosa. Autor de inúmeros artigos publicados em periódicos
jurídicos de circulação nacional. Professor na Universidade Vale do Rio Doce (UNIVALE).

Referências

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. Tradução da 1ª edição brasileira coordenada e revista por Alfredo Bosi. 4ª ed. – São Paulo: Martins Fontes, 2000.

ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho? – Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 5ª ed. – São Paulo: Cortez. Campinas/SP: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1998.

ARAÚJO, Luiz Ivani Amorim. Curso de Direito Internacional Público. 10 ed. – Rio de Janeiro: Forense, 2000.

BABOIN, José Carlos de Carvalho. Trabalhadores Sob Demanda: O Caso Uber. Revista do Tribunal Superior do Trabalho, Brasília, vol. 83, jan/mar 2017, p. 330-362.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

_________. A sociedade em rede; tradução: Roneide Venâncio Majer; atualização para 6ª edição: Jussara Simões – (A era da informação: economia, sociedade e cultura; V. 1). São Paulo. Ed. Paz e Terra, 2003.

DELEUZE, Gilles. GUATTARI, Félix. Mil platôs – capitalismo e esquizofrenia, vol. 1. Coleção TRANS. Tradução: Ana Lúcia de Oliveira e Lúcia Cláudia Leão, – Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995.

__________. Mil platôs – capitalismo e esquizofrenia, vol. 2. Coleção TRANS. Tradução: Ana Lúcia de Oliveira e Lúcia Cláudia Leão, – Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995.

FRANÇA, Rubens Limongi. Enciclopédia Saraiva Do Direito. Vol. 74. Coord. – São Paulo: Saraiva. 1977.

GABRICH, Frederico de Andrade. FAKHOURY FILHO, Tamer. A holocracia como instrumento de felicidade nas organizações (públicas e privadas) no século XXI. In Eficácia de direitos fundamentais nas relações do trabalho, sociais e empresariais. Org. CONPEDI/UFMG/FUMEC/DOM HELDER CÂMARA; Coordenadores: Carlos Luiz Strapazzon, Luiz Fernando Bellinetti, Sérgio Mendes Botrel Coutinho – Florianópolis: CONPEDI, 2015.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do ‘fim dos territórios’ à mutiterritorialidade. 8ª ed. – Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.

HARDT, Michael. NEGRI, Antônio. Império. Rio de Janeiro. São Paulo. Record. 2001.

KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. 5ª ed. Editora Perspectiva, São Paulo. 1998.

LÉVY, Pierre. A conexão planetária: o mercado, o ciberespaço, a consciência. Tradução: Maria Lúcia Homem e Ronaldo Entler. – São Paulo: Editora 34, 2001.

____________. As tecnologias da inteligência. Tradução: Carlos Irineu da Costa. – Rio de Janeiro, (Coleção TRANS): Editora 34, 1993.

____________. Cibercultura. Tradução de Carlos Irineu da Costa. – São Paulo: Editora 34, 1999.

MASSEY, Doreen. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. Tradução: Hilda Pareto Maciel, Rogério Haesbaert. Rio de Janeiro. Bertrand Brasil, 2008.

MORA, José Ferrater. Dicionário de Filosofia. Tomo IV, (Q - Z). Edições Loyola, São Paulo, 2001.

NASCIMENTO, Amauri Mascaro. Curso de Direito do Trabalho: história e teoria geral do direito do trabalho: relações individuais e coletivas do trabalho/Amauri Mascaro Nascimento. – 26. ed. – São Paulo: Saraiva, 2011

PAESANI, Liliana Minardi. Direito e Internet: liberdade de informação, privacidade e responsabilidade civil. São Paulo: Atlas, 2000.

SEN, Amartya. Desenvolvimento como liberdade / Amartya Sen; tradução: Laura Teixeira Mota; revisão técnica Ricardo Doninelli Mendes. – São Paulo. Companhia das Letras, 2010.

SILVA, Antônio Álvares. Filosofia do Trabalho como objeto das relações jurídicas. Revista de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais – FDUFMG. v. 25. Nº 18, p. 217-238. Belo Horizonte, 1977.

SILVEIRA, Maria Laura. Concretude territorial, regulação e densidade normativa. Em Revista Experimental. São Paulo: Laboplan – Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, março de 1997, n. 02, pp. 35-45.

SMITH, Adam. A Riqueza das Nações. Volume I, Nova Cultural, 1988, Coleção "Os Economistas", pág. 17-54). Disponível em: ˂https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/69198/mod_resource/content/3/CHY%20A%20Riqueza%20das%20Na%c3%a7%c3%b5es.pdf˃ P. 24. Acessado em: 12 dez. 2017.

SORJ, Bila. Sociologia e Trabalho: mutações, encontros e desencontros. 2000. Revista Brasileira de Ciências Sociais. Vol. 15, nº 43, junho/2000.

SOUZA, Maria da Paixão Neres. Abordagem inter e transdisciplinar. In: TOUTAIN, Lídia Maria Batista (Org.). Para entender a ciência da informação. Salvador: EDUFBA, 2007. P. 75-90

THOMAZ JÚNIOR, Antônio. Por uma geografia do trabalho. Revista Pegada, Presidente Prudente (SP) v. 3, Número especial, p. 4-26, agosto de 2002. Disponível em: <http://revista.fct.unesp.br/index.php/pegada/article/view/786/809> Acesso em: 26 dez. 2017.

TRT da 3ª Região, NJ ESPECIAL, 23/03/2018, “Uber: empresa de tecnologia ou de transportes?”, disponível em Acesso em: 06 set. 2018.

TRT da 3.ª Região; PJe: 0010586-27.2017.5.03.0185 (RO); Disponibilização: 13/11/2017, DEJT/TRT3/Cad.Jud, Página 464; Órgão Julgador: Terceira Turma; Relator: Convocada Maria Cristina Diniz Caixeta. Acesso em: 06 set. 2018.

TURRA NETO, Nécio. Resenha: Obra “Pelo espaço: uma nova política da espacialidade”, de Doreen Massey, em Revista de Formação n. 15, volume 1 – p. 162 – 166. 2008. Disponível em: <https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=10&cad=rja&uact=8&ved=0ahUKEwi3qLi80_rWAhWGiJAKHZLnDNUQFghdMAk&url=http%3A%2F%2Frevista.fct.unesp.br%2Findex.php%2Fformacao%2Farticle%2Fdownload%2F744%2F761&usg=AOvVaw1P-MpcL16U4aR_w0gSsLsW> Acesso em: 18 out. 2017.

Publicado
28-08-2019
Seção
Dossiê Ética, Direito e Meio Ambiente: Interseções e Conexões