Jus Cogens e o Direito à Educação

O desvelar de atores internacionais por meio do ensino de Língua Espanhola

  • Rosana Sampaio Pinheiro Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Palavras-chave: Direito à educação, Jus cogens, Sociedade internacional, Hard law

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar a voz de estudantes do PEMJA (Projeto de Ensino Médio de Jovens e Adultos), no que se refere às atividades de Língua Espanhola na área de Expressão Cultural, a fim de verificar em que medida elas contribuem para o desenvolvimento do sentimento de pertença desses alunos à sociedade internacional, eis que o direito à educação está evidenciado logo no preâmbulo da Declaração Universal de Direitos Humanos (1948).  Assim, faz-se necessário, num primeiro momento, explicitar o primado da educação no âmbito do Direito Internacional Público, para que seja possível vislumbrar a relevância do tema abordado. Isso porque o direito à educação é norma imperativa, jus cogens, consoante definição da Convenção de Viena (1969). Em seguida, serão apresentadas características peculiares dos estudantes da EJA (Educação de Jovens e Adultos) para posterior elucidação das atividades desenvolvidas. Por fim, as respostas dadas a um questionário sobre a aprendizagem de Língua Espanhola na área da Expressão Cultural serão analisadas à luz de postulados do Direito Internacional Público.

Referências

ACCIOLY, Hilbedrando; CASTELLA, Paulo Borba; SILVA, G. E. do Nascimento. Manual de Direito Internacional Público. São Paulo: Saraiva, 2012.
ADORNO, Theodor W. Educação e emancipação. Trad. Wolfgang Leo Maar. São Paulo: Paz e Terra, 2003.
ALLEN, Danielle; REICH, Bob. Education, Justice and Democracy. Harvard Education Review. Chicago: The University of Chicago Press, 2013.
ALVES, José Eustáquio Diniz. O crescimento da PEA e a redução do hiato de gênero nas taxas de atividade no mercado de trabalho. Aparte Inclusão Social em Debate. UFRJ 2013. Disponível em: http://www.ie.ufrj.br/aparte/pdfs/artigo_112_a_reducao_do_hiato_de_genero_nas_taxas_de_atividade_no_mercado_de_trabalho.pdf Acesso em 14 mai. 2019.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.
BRASIL. Decreto n. 7.030, de 14 de dezembro de 2009. Promulga a Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados, concluída em 23 de maio de 1969, com reserva aos Artigos 25 e 66. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Decreto/D7030.htm . Acesso em: 11 mai. 2019.
DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. Disponível em: https://nacoesunidas.org/direitoshumanos/declaracao/. Acesso em: 10 mar. 2019.
FERREIRA, Nilda Teves. Cidadania – uma questão para a educação. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.
GROTIUS, Hugo. Le droit de la guerre et de la paix. Paris: Presses Universitaires de France, 1999.
JAEGER, Werner. Paideia: a formação do homem grego. Trad. Artur M. Parreira. São Paulo: Martins Fontes, 1995.
MAZZUOLI, Valário de Oliveira. Curso de Direito Internacional Público. São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais, 2015.
MELLO, Celso D. de Alburquerque. Curso de Direito Internacional Público. Vol. 1. 15ª Ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2004.
MOCHI, Cássio Marcelo; MOTTA, Ivan Dias da. O direito à educação jurídica de qualidade, abordagens do ENADE e do Exame de Ordem dos Advogados do Brasil: a busca dos critérios seguros para construção do modelo avaliativo. In: Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI. Fortaleza, 2010. Disponível em: http://www.publicadireito.com.br/conpedi/manaus/arquivos/anais/fortaleza/3258.pdf . Acesso em: 20 jun. 2018.
MONTEIRO, Agostinho dos Reis. O pão da educação. In: Revista de Ciência da Educação - UNICAMP. Campinas, vol. 24, n. 84, p. 763-789, set., 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v24n84/a03v2484 . Acesso em: 11 ago. 2018.
MORIN, Edgar. Da necessidade de um pensamento complexo. In: MARTINS, Francisco Menezes Martins; e SILVA, Juremir Machado da. (Orgs.). Para navegar no século 21 – Tecnologias do imaginário e cibercultura. 3ª ed. Porto Alegre: Sulina/EDIPUCRS, 2003. P. 13-36.

OST, François. O tempo do direito. Trad. Ériko Fernandes. Bauru, SP: Edusc, 2005.
OLIVEIRA, Manfredo Araújo de. Ética, direito e democracia. São Paulo: Paulus, 2010.
PLATÃO. A República. Trad. Edson Bini. 2ª ed. São Paulo: Edipro, 2012.
PRZETACZNIK, F. The philosophical concept of the right to education as a basic human right. Revue de Droit International de Sciences Diplomatiques et Politiques, Genève, v. 63, p. 257-288, 1985.
REZEK, Francisco. Direito Internacional Público – Curso Elementar. São Paulo: Saraiva, 2014.
SALGADO, Joaquim Carlos. A ideia de justiça no mundo contemporâneo: fundamentação e aplicação do Direito como o Maximum Ético. Belo Horizonte: Del Rey, 2006.
SHAW, Malcolm N. International Law. 7ª ed. Cambrindge: Cambridge University Press, 2014.
WANDERLEY JR., Bruno. “Lições de cidadania”: o caminho para a democracia. Antônio Fabrício de Matos Gonçalves (Org.). Brasília: OAB Editora, 2013.
Publicado
14-09-2020