A Mulher e o Direito Brasileiro sob uma Análise Filosófica e Sociológica

  • Bárbara Guimarães da Fonseca Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Palavras-chave: Feminicídio, Lei Maria da Penha, Análise histórica, Segurança Pública, Cifras Ocultas

Resumo

A mulher foi, e ainda é, subjugada inferior ao homem em diversos aspectos. Entretanto, esta conquistou a maioridade (kantiana) através de lutas cotidianas por igualdade de direitos. Neste artigo serão analisados alguns dispositivos que representam uma mudança significativa no ordenamento jurídico brasileiro no que diz respeito à tentativa de respaldar a mulher como sujeita de direitos, salvaguardando sua integridade física, sexual, psicológica, patrimonial, entre outras; punindo aqueles que cometem crimes em razão de gênero. Como exemplos legais, há a qualificadora feminicídio, do crime de homicídio – artigo 121, do Código Penal Brasileiro – e a Lei n. 11.340/06, popularmente conhecida como Lei Maria da Penha, que serão analisados utilizando-se de pensamentos filosóficos dispostos na obra de Platão – A República – bem como o uso da obra – O Segundo Sexo – de Simone de Beauvoir, para uma melhor compreensão da origem da desigualdade entre homens e mulheres e como esta situação perdura no mundo moderno por meio de dados estatísticos e conceitos criados pela sociologia, como as “cifras ocultas”.

Referências

ALVES, A. C. F., & ALVES, A. K. S. As trajetórias e lutas do movimento feminista no Brasil e o protagonismo social das mulheres. IV Seminário CETROS, Neodesenvolvimentismo, Trabalho e Questão Social, Fortaleza, p. 113-121, 29 a 31 de maio de 2013.

ALVES, J. E. D., & CORRÊA, S.; Igualdade e desigualdade de gênero no Brasil: um panorama preliminar, 15 anos depois do Cairo. Livros, 121-223.

ARENDT, H.; A Condição Humana. 10º ed. Rio de Janeiro: Ed. Forense Universitária, 2000;

BARBOSA, E. M., & MACHADO, C. J. S.; Gênese do Direito do Voto Feminino no Brasil: uma análise jurídica, política e educacional; Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. 45, p. 89-100, março de 2012. Disponível em: http://www.histedbr.fe.unicamp.br/revista/edicoes/45/art07_45.pdf . Acesso em: 18 de mar. 2019;

BEAUVOIR, S. O Segundo Sexo – Fatos e Mitos. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980;

BIANCHINI, A., & GOMES, L. F. Feminicídio: entenda as questões controvertidas da Lei nº 13.104/2015. Revista Síntese Direito Penal e Processual Penal, São Paulo, SP, v.16, n.91, p. 9-22, abr. 2015;

BRASIL, Código Civil. Lei n. 3.071 de 1° de janeiro de 1916. Disponível em: www.planalto.gov.br. Acesso em: 17 de mar. 2019;

BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União, Brasília, em 5 out. 1988. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 08 mar. 2019;

BRASIL, Lei n. 10406, de 10 jan. 2002. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406.htm. Acesso em: 08 mar. 2019;

BRASIL, Lei n. 11.340, de 7 de agosto de 2006. Disponível em www.planalto.gov.br. Acesso em: 17 de mar. De 2019;

BRASIL, Lei n. 13.104, de 9 de março de 2015. Disponível em: www.planalto.gov.br. Acesso em: 17 de mar. De 2019;

BRASIL, Lei n. 6015, de 31 dez. 1973. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6015compilada.htm. Acesso em: 08 mar. 2019;

CUNHA, B. M.; Violência contra a mulher, direito e patriarcado: perspectivas de combate à violência de gênero. XVI Jornada de Iniciação Científica de Direito da UFPR, 2014. Disponível em: http://www.direito.ufpr.br/portal/wp-content/uploads/2014/12/Artigo-B%C3%A1rbara-Cunha-classificado-em-7%C2%BA-lugar.pdf. Acesso em: 08 mar. 2019;

CUNHA, R. S., & PINTO, R. B. Violência Doméstica: Lei Maria da Penha. Lei 13.340/2006. Comentada artigo por artigo – 7. Ed. Ver. Atual. E ampl. – Salvador: Editora JusPodivm, 2018;

D’AMORIM, M. A. Estereótipos de Gênero e Atitudes Acerca da Sexualidade em Estudos Sobre Jovens Brasileiros – Revista: Temas em Psicologia. Ribeirão das Neves. Vol. 5. n. 03. Dezembro de 1997;

DIAS, M. B. A Lei Maria da Penha na Justiça: a efetividade da Lei 11.340/2006 de combate à violência doméstica e familiar contra a mulher. 3. ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2013;

HAHNER, J. E. A mulher brasileira e suas lutas sociais e políticas, 1850-1937. São Paulo, Brasil: Editora Brasiliense, 1981;

MANDARINO, R. P., & BRAGA, A. G. M.; ROSA, L. A Participação da Vítima no Controle da Criminalidade. Revista do Programa de Pós-Graduação em Direito da UFC. 2017;

OLIVEIRA, G., & OLIVEIRA, N.; Três anos depois de aprovada, lei do feminicídio tem avanços e desafios. Agência Senado, 27 de março de 2018. Ed. 628. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/especiais/especial-cidadania/tres-anos-depois-de-aprovada-lei-do-feminicidio-tem-avancos-e-desafios/tres-anos-depois-de-aprovada-lei-do-feminicidio-tem-avancos-e-desafios. Acesso em: 06 mar. 2019;

PENHA, M. Sobrevivi… posso contar. 2. ed. Fortaleza: Armazém da Cultura, 2012;

PLATÃO. A República. 1. ed. Editora: independente, 380 a.C. Licença: Domínio Público; Disponível em: http://www.eniopadilha.com.br/documentos/Platao_A_Republica.pdf. Acesso em: 17 de mar. 2019.

TELES, Maria Amélia de Almeida; MELO, Mônica de. O que é violência contra a mulher. Coleção Primeiros Passos. São Paulo: Brasiliense, 2003

WAISELFISZ, J. J. Mapa da Violência 2015: homicídio de mulheres no Brasil. 1. ed. Flacso Brasil: Brasília, 2015. Disponível em: https://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2015/MapaViolencia_2015_mulheres.pdf. Acesso em: 28 set. 2019.

Publicado
19-08-2020
Seção
Artigos de Discentes