A Legitimidade da Decisão Judicial no Estado Democrático de Direito

Óbices ao comportamento ativo do decisor

  • Igor Alves Noberto Soares UniDoctum/PUC Minas
  • Udair Jaques Alves Jardim
Palavras-chave: Estado Democrático de Direito, Decisão Judicial, Legitimidade

Resumo

O presente artigo é fruto de enfrentamento científico sob o marco do processo na construção do Estado Democrático de Direito, do qual se extrai a processualidade democrática. Diante disso, discutiu-se a legitimidade dos pronunciamentos decisórios proferidos pelo Estado-Judiciário, considerando o comportamento dos sujeitos processuais. Assuntos como ativismo judicial e vieses cognitivos assumem o cerne da função judicante, que, mais a demais, somente se legitima se observada a base principiológica prevista na Constituição da República de 1988. Por meio de método hipotético-dedutivo, utilizou-se da análise de casos, revisão de literatura e da jurisprudência para concluir que o exercício da função judicante, pelo magistrado, deve ser apartado de qualquer pressuposto solipsista e justificado na comparticipação das partes.  

Referências

BARROS, Flaviane Magalhães. Modelo constitucional de processo e o processo penal: a necessidade de uma interpretação das reformas do processo penal a partir da Constituição. In: MACHADO, Felipe Daniel Amorim; OLIVEIRA, Marcelo Andrade Cattoni de (coord). Constituição e processo: a contribuição do processo ao constitucionalismo democrático brasileiro. Belo Horizonte: Del Rey, 2009, p. 331-345.

BARROSO, Luís Roberto. Curso de Direito Constitucional Contemporâneo: os conceitos fundamentais e a construção do novo modelo. 5ª ed. São Paulo: Saraiva, 2015.
BONAVIDES, Paulo. Ciência Política. 10ª ed. São Paulo: Ed. Malheiros, 2000.
BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.
BRASIL. Código de Processo Penal. Decreto Lei nº 3.689, de 03 de outubro de 1941. In: Vade Mecum Penal. 2ª ed. São Paulo: Ridel, 2019.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria-Geral. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei Nº 13.964, de 24 de dezembro de 2019. Aperfeiçoa a legislação penal e processual penal. Publicado no DOU de 24.12.2019. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/_ ato2019-2022/2019/lei/L13964.htm. Acesso em: 26 mar. 2020.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Agravo Interno no Recurso Especial n.º 1816626, sob relatoria do Ministro Herman Benjamin, da 2ª Turma. Dário da Justiça Eletrônico, Brasília, 25 de mar. 2020.

BRÊTAS, Ronaldo de Carvalho. Processo Constitucional e Estado Democrático de Direito. 3ª edição. Editora: Del Rey. 2015.

DUARTE, Luiz Henrique Urquhart Cademartori Francisco Carlos. Hermenêutica e Argumentação Neoconstitucional. São Paulo: Atlas, 2009.

DWORKIN, Ronald. O Império do Direito. 3ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

GONÇALVES, Jordânia Cláudia de Oliveira. O instituto da prova na processualidade democrática como controle da legitimidade decisória. 2015. 81f. Dissertação (Mestrado). Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação em Direito. Disponível em: http://www.biblioteca.pucminas.br/teses/Direito_GoncalvesJCO_1.pdf. Acesso em: 15 mar. 2020.

GOYARD-FABRE, Simone. Os princípios filosóficos do Direito Político moderno. Trad. Irene A. Paternot. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

LEAL, Rosemiro Pereira. Teoria Geral do Processo – Primeiros Estudos. 12ª ed. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2014.

MACCORMICK, Neil. Argumentação Jurídica e Teoria do Direito. 1ª ed. São Paulo: Martins Fontes. 2006.

MAUS, Ingeborg. Judiciário como Superego da Sociedade: o papel da atividade jurisprudencial na "sociedade órfã". In: Novos Estudos CEBRAP, nº 58, novembro 2000, p.183-202.

MONTESQUIEU, Charles-Louis de Secondat. O Espírito das Leis. São Paulo: Martins Fontes. 2000.

NUNES, Dierle José Coelho. Processo Jurisdicional Democrático. 1ª ed. Curitiba: Jaruá, 2012.

NUNES, Dierle; PEDRON, Flávio Quinaud; HORTA, André Frederico de Sena. Os precedentes judiciais, o art. 926 do CPC e suas propostas de fundamentação: um diálogo com concepções contrastantes. Revista de Processo, São Paulo, v. 263, p. 343, janeiro de 2017.

OLIVEIRA, Emerson Ademir Borges de. Ativismo Judicial e Controle de Constitucionalidade: Impactos e Efeitos na Evolução da Democracia. Editora: JURUÁ. 2015.
PAOLINELLI, Camilla Mattos. O que é Processo Constitucional? In: Revista Eletrônica do Curso de Direito – PUC Minas Serro, n.º 13, Jan./Jul., 2016, p. 32-62.

SILVA, Natanael Lud; NUNES, Dierle José Coelho; PEDRON, Flávio Quinaud. Desconfiando da (im)parcialidade dos sujeitos processuais: um estudo sobre os vieses cognitivos, a mitigação de seus efeitos e o debiasing. 1ª ed. Salvador: JusPodivm, 2018.

SOARES, Igor Alves Noberto. O Tribunal do Júri em sua compreensão processualmente democrática. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2016.

STRECK. Lenio Luiz. O que é isto – decido conforme minha consciência? 4ª ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2013.

STRECK, Lenio Luiz. Entre o ativismo e a judicialização da política: a difícil concretização do direito fundamental a uma decisão judicial constitucionalmente adequada. In: Joaçaba, v. 17, n. 3, p. 721-732, set./dez., 2016.

ZANETI JÚNIOR, Hermes. A constitucionalização do processo: o modelo constitucional da justiça brasileira e as relações entre Processo e Constituição. São Paulo: Altas, 2014.
Publicado
14-09-2020