O Cinema e o Audiovisual como Instrumentos Éticos de Difusão dos Direitos Humanos

  • Leandra Duarte Silva Paiva Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Palavras-chave: Cinema, Audiovisual, Direitos Humanos, Ética

Resumo

O objetivo da pesquisa em questão é analisar o comportamento da produção audiovisual e cinematográfica ao longo do tempo, em seus principais e difusos meios de comunicação, frente à propagação dos direitos humanos e fundamentais e à aplicabilidade de temáticas como a ética, a cultura e a educação. Através do estudo da inserção do cinema no contexto da indústria cultural – situadas sob a perspectiva crítica de Adorno e Horkheimer –, das possibilidades de reinvenção advindas dos movimentos de ruptura com as formas padronizadas de fazer cinema e da observação de histórias desenvolvidas na contemporaneidade que viabilizam a emersão de pautas humanistas, o presente artigo busca apresentar narrativas comprometidas com pressupostos éticos nas produções audiovisuais e cinematográficas. Além disso, este trabalho busca apontar as travessias que tais criações podem percorrer diante da responsabilidade de exibir conteúdos engajados na dissipação de preconceitos, na formação de cidadãos e na construção de uma sociedade mais justa e igualitária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BIO. Luiz Fernando Carvalho, 2018. Disponível em: http://luizfernandocarvalho.com/bio/. Acesso em: 1 de jun. de 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 1 de jun. de 2020.

CAROLLI, Bruna; VARÃO, Rafiza. Arte e indústria cultural: uma análise dos diferentes papéis do Cinema. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 32., 2009, Curitiba. Anais Eletrônicos... São Paulo: Intercom, 2009. p. 1-12. Disponível em: http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2009/resumos/R4-2353-1.pdf. Acesso em: 2 de jun. de 2020.

CARVALHO, Luiz Fernando. Luiz Fernando Carvalho dá tempo na TV e reflete: “A repetição maniqueísta dos atores tira a credibilidade das histórias”. [Entrevista concedida a] Júlia Moura. Glamourama. [online]. Disponível em: https://glamurama.uol.com.br/luiz-fernando-carvalho-da-tempo-na-tv-e-reflete-a-repeticao-maniqueista-dos-interpretes-para-todo-o-conteudo-tira-a-credibilidade/. Acesso em: 2 de jun. de 2020.

CAPITU. Luiz Fernando Carvalho, 2018. Disponível em: http://luizfernandocarvalho.com/projeto/capitu/. Acesso em: 3 de jun. de 2020.

COELHO, Cláudio Novaes Pinto. O Conceito de Industria Cultural e a Comunicação na Sociedade Contemporânea. Communicare. [online]. 2002, v. 2, n. 2, p. 35-46. Disponível em: https://casperlibero.edu.br/wp-content/uploads/2014/07/O-conceito-de-industria-cultural-e-a-comunica%C3%A7%C3%A3o-na-sociedade-contempor%C3%A2nea.pdf. Acesso em: 1 de jun. de 2020.

COMPARATO, Fábio Konder. Afirmação Histórica dos Direitos Humanos. 3. ed. São Paulo: Editora Saraiva, 2003.

COSTA, Flávia Cesarino. O primeiro cinema. São Paulo: Scritta, 1995.
DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. 1948. Disponível em: https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2018/10/DUDH.pdf.

HOJE É DIA DE MARIA. Luiz Fernando Carvalho, 2018. Disponível em: http://luizfernandocarvalho.com/projeto/hoje-e-dia-de-maria/. Acesso em: 3 de jun. de 2020.

HORKHEIMER, Max; ADORNO, Theodor. A indústria cultural: o iluminismo como mistificação de massas. Tradução de Júlia Elisabeth Levy. In: LIMA, Luiz Costa. Teoria da cultura de massa. 6. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002, p. 169-214.

IBGE – INSTITUO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA, 2018. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua 2018. Rio de Janeiro: IBGE, 2018.

KREUTZ, Katia. Cinema Novo. Academia Inernacional de Cinema, 2018a. Disponível em: https://www.aicinema.com.br/cinema-novo/. Acesso em: 1 de jun. de 2020.

KREUTZ, Katia. Neorrealismo Italiano. Academia Inernacional de Cinema, 2018b. Disponível em: https://www.aicinema.com.br/neorrealismo-italiano/#:~:text=O%20Neorrealismo%20italiano%20foi%20um,Mundial%20(1939%20a%201945)>. Acesso em: 1 de jun. de 2020.

KREUTZ, Katia. Nouvelle Vague. Academia Inernacional de Cinema, 2018c. Disponível em: https://www.aicinema.com.br/nouvelle-vague/. Acesso em: 1 de jun. de 2020.

LEIGHT, Danny (org.). O Livro do Cinema. São Paulo: Globo Livros, 2016.

MELO, P. V.; DANTAS, R.; BRITO, T.. Mídia e Direitos Humanos: um debate necessário. Carta Capital, São Paulo, 9 de dez. de 2013. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/blogs/intervozes/midia-e-direitos-humanos-um-debate-necessario-9408/. Acesso em: 02 de jun. de 2020.

PASSOS, Bruno. Anne with an E (2017-2019): um século à frente. Cinema com Rapadura. 2020. Disponível em: https://cinemacomrapadura.com.br/criticas/572460/critica-anne-with-an-e-cbc-2017-2019-um-seculo-a-frente/. Acesso em: 1 de jun. de 2020.

ROCHA, Glauber. Eztetyka da Fome. Hambre – espacio cine experimental. 2013. Disponível em: https://hambrecine.com/2013/09/15/eztetyka-da-fome/. Acesso em: 2 de jun. de 2020.

SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 25. ed. São Paulo: Malheiros. 2005.

VELHO CHICO. Luiz Fernando Carvalho, 2018. Disponível em: http://luizfernandocarvalho.com/projeto/velho-chico/. Acesso em: 3 de jun. de 2020.
Publicado
11-08-2020
Seção
Artigos de Discentes