El Sujeto Ético

Spinoza y la ética de lo posible

  • Salustiano Álvarez Gómez PUC Minas
Palavras-chave: Novo humanismo, Ética, Spinoza, Antropologia Cristã

Resumo

Nossa circunstância histórica vive novidades que convidam à criatividade humana a repensar tanto suas formas de vida como especialmente seu sentida de vida. “Novos tempos” que exigem “novos sentidos”, como conscientemente refletia o Congresso Mundial de Universidades Católicas celebrado na PUC-MINAS em 2013. Sua intenção era exatamente propor um “novo humanismo” capaz de responder às perguntas, dúvidas e anseios do homem atual. A questão principal, sempre antiga e sempre nova, é o valor dado ao próprio ser humano, a consciência do reconhecimento do “outro” e de suas diferenças. Este ideal de um “novo humanismo” está presente no espirito da Faculdade Mineira de Direito da PUC-MINAS, manifestando em seu 70° aniversário o compromisso de continuar o esforço de grandes humanistas da história. Baruc Spinoza oferece um humanismo de afetos e paixões, reflete a connaturalidade social e transformadora do ser humano para defender, profunda e criativamente, a inclusão do homem na natureza e na sociedade. Esta inclusão é seu projeto de vida. Entende o ser humano como “sujeito” transformador a partir da razão, a generosidade e a solidariedade. Procura que o projeto humano supere o egocentrismo e o individualismo, pretendendo eticamente viver uma ação apaixonada e “ex-cêntrica”, que, longe de um ser solitário e fechado em si, gere um ser solidário construtor de liberdade e felicidade. Contribui com o “novo humanismo” fazendo um sujeito protagonista de sua história contra a redução de ser um “sujeito sujeitado”. Um humanismo que se nega a ser um “sujeito sujeitado”.

Referências

ANAIS DO CONGRESSO DE UNIVERSIDADES CATÓLICAS: “Novos Tempos, Novos Sentidos”, PUC-MINAS, 2013, Belo Horizonte

ESPINOSA, Baruc: Ética., in ESPINOSA Colección “Os Pensadores”, Ed. Abril Cultural, São Paulo, 1979.

ARENDT, HANNA: A condição humana, Editora Forense Universitária, 10ª Ed. Rio de Janeiro, 2007

BAUMAN, Zygmunt: Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: Zahar. 2004.

BAUMAN, Zygmunt: Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadorias. Rio de janeiro: Zahar, 2008

CAMARA, M. L.de; CARVAJAL, J. org,: Spinoza y la antropología en la modernidad, in Anales del Seminario de Metafísica, ISSN 1575-6866, Nº 51, 2018, págs. 421-424, Georg Olms Verlag, 2017 - 430 páginas, 2004.

ROJAS, Enrique: O homem light. Uma vida sem valores. Gráfica Coimbra, Coimbra, 1994

FERNÁNDEZ, Eugenio García: Articulación crítica de ontología y política en B. Spinoza. In “Revista de Filosofía” 3º Época, Vol. IX (1996), núm. 15. Pág. 97-126. Servicio de Publicaciones UCM. Madrid, 1996

FERNÁNDEZ, Eugenio García: Elementos para una teoría del sujeto en B. Spinoza.In “Anales del Seminario de Historia de la Filosofía”-V, 1985. ED. Universidad Complutense. de Madrid, 1985

GÓMEZ, Salustiano Álvarez: El nuevo marco de la ética de la liberación: globalización y exclusión, in Anais do Congresso Mundial de Universidades Católicas, p.359-373. PUC-MINAS, 2013

GÓMEZ, Salustiano Álvarez: Eclesiologia política na “Cidade de Deus” de Santo Agostinho. Dissertação de mestrado, PPG Departamento Teologia. PUC_RJ, 1986, Rio de Janeiro

ORTEGA Y GASSET, José: Meditación de la técnica. Ed. Alianza, Madrid, 1982

TEIXEIRA, Fernando Cesar França: A Política, ou da força criadora das ideias imaginantes. In “Cadernos Espinosanos II” Ed. USP, São Paulo, 1997
Publicado
29-07-2020
Seção
Dossiê Ética, Direitos e Novo Humanismo