MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO

Uma análise entre os Ordenamentos Jurídicos de Brasil e Portugal

  • Maria Theresa Duarte Reis PUC Minas
  • Alexandra Clara Ferreira Faria
Palavras-chave: Mediação, Conciliação, Brasil, Portugal

Resumo

Este artigo tem como objetivo comparar os principais aspectos da Mediação e da Conciliação, enquanto meios alternativos de resolução de litígios, entre os Ordenamentos Jurídicos de Brasil e Portugal, de modo a apontar e discorrer acerca das principais diferenças encontradas, as quais são em relação ao princípio da Confidencialidade, ao princípio da Voluntariedade e à Executoriedade dos Acordos. O estudo foi desenvolvido a partir de uma metodologia jurídico-teórica, adotando-se o raciocínio dedutivo com técnicas de pesquisa bibliográfica e documental, na primeira parte do trabalho, combinado com análise de dados no capítulo dedicado ao estudo do princípio voluntariedade confrontado à obrigatoriedade desses métodos. Concluiu-se que a Mediação e a Conciliação foram introduzidas no ordenamento pátrio com inconsistências conceituais que repercutem na validade desses institutos perante o sistema normativo como um todo, de modo que a referência portuguesa se faz importante para repensar meios legais de tornar estes institutos juridicamente mais sólidos.

Referências

BARBOSA, Marina Sofia Silva. A Mediação como Meio de Resolução Alternativa de Litígios. Dissertação de Mestrado, na Área de Especialização em Ciências Jurídico-Forenses, orientada pelo Mestre Rafael Luís Vale e Reis, apresentada à Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, 2014.

BRASIL. Código de Processo Civil (2015). Lei Nº 13.105, De 16 De Março De 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13105.htm Acesso em: 05 de Dez. de 2018.

_____. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988.
Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 10 Set. de 2018.

_____. Lei dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais (1995). Lei Nº 9.099, De 26 De Setembro De 1995. Dispõe sobre os Juizados Especiais Cíveis e Criminais e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9099.htm. Acesso em: 10 de Set. de 2018.

CNJ-Conselho Nacional de Justiça. Justiça em Números 2018. Brasília, 2018. Disponível em:http://www.cnj.jus.br/files/conteudo/arquivo/2018/09/8d9faee7812d35a58cee3d92d2df2f25.pdf. Acesso em: 20 de Nov. de 2018.

CAMPOS, Joana Paixão. A Conciliação Judicial. Dissertação de Mestrado em Ciências Jurídicas Forenses Sob orientação da Professora Doutora Mariana França Gouveia. fev/2009. Disponível em: https://laboratorioral.fd.unl.pt/media/files/A_Concili...pdf. Acesso em: 09 de Out de 2018.

CAPPELLETTI, Mauro e GARTH, Bryant. Acesso à Justiça. Tradução: Ellen Gracie Northleet. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 1988.

CARVALHO. Jorge Morais. A Consagração Legal da Mediação em Portugal. Coimbra: Coimbra Editora, Revista Julgar, N.º15, 2011. Disponível em: http://julgar.pt/wp-content/uploads/2014/07/11-DIVULGAR-A-Media%C3%A7%C3%A3o-em-Portugal.pdf. Acesso em: 15 de Out. de 2018.

CINTRA, Antonio Carlos; DINAMARCO, Candido Rangel; GRINOVER, Ada Pellegrini. Teoria Geral do Processo. Ed. 25ª, São Paulo: Malheiros, 2009, ISBN 9788574209319.

GOUVEIA, Ana França. Curso de Resolução Alternativa de Litígios. 2ª Edição, Coimbra: Almedina, 2012.

GHISLENI, Ana Carolina Ghisleni; WALTRICH, Dhieimy Quelem e OLIVEIRA, Luthyana Demarchi. In A Resolução nº 125 Do CNJ e o Papel do Terceiro Conciliador e Mediador na sua Efetivação. Org.: Spengler, Fabiana Marion e Neto, Theobaldo Spengler. ISBN 978-85-86265-55-6, Curitiba: Editora Multidea, 2013. Disponível em: http://www.cnj.jus.br/files/conteudo/arquivo/2016/09/03a8471870fa447690f7b7a6a6838288.pdf. Acesso em: 09 de out de 2018.

GRINOVER, Ada Pellegrini. Os métodos consensuais de soluções de conflitos no NCPC. Em o Novo Código de Processo Civil: questões controvertidas. São Paulo, Atlas, 2015.

MAIA, Renata Christiana Vieira e BARBOSA, Vivianne Pêgo de Oliveira. A OBRIGATORIEDADE DA MEDIAÇÃO NO BRASIL. Editora: Funjab. ISBN: 9788578401818. Disponível em: http://www.publicadireito.com.br/publicacao/unicuritiba/livro.php?gt=172. Acesso em: 20 de Out. de 2018.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Novo Código de Processo Civil, Tabela de correspondência entre os artigos do CPC de 1961 e os artigos do CPC de 2013. DGP - Direção Geral de Política de Justiça. Disponível em: http://www.dgpj.mj.pt/sections/DestBanner/novo-codigo-de-processo7411/downloadFile/attachedFile_1_f0/CPC_tabela_completa_09092013.pdf. Acesso em: 20 de Set. 2018

TARTUCE, Fernanda. Mediação no Novo CPC: questionamentos reflexivos. In Novas Tendências do Processo Civil: estudos sobre o projeto do novo Código de Processo Civil. Org.: Freire, Alexandre; Medina, José Miguel Garcia; Didier Jr, Fredie; Dantas, Bruno; Nunes, Dierle; Miranda de Oliveira, Pedro (no prelo). Disponível em: www.fernandatartuce.com.br/artigosdaprofessora. Acesso em: 09 de out de 2018.

UNIÃO EUROPEIA. Directiva 2008/52/Ce do Parlamento Europeu e do Conselho de 21 de Maio de 2008 relativa a certos aspectos da mediação em matéria civil e comercial. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/LexUriServ/LexUriServ.do?uri=OJ:L:2008:136:0003:0008:PT:PDF. Acesso em: 20 de set. de 2018

VASCONCELOS-SOUSA, José. O que é Mediação. 1ª Edição, Ed.Quimera: 2002.
Publicado
26-03-2021