A LEGALIDADE DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA

Implicações jurídicas de substituí-la pela testagem em contexto de concurso público

  • Claudiron Gonçalves UFMG
Palavras-chave: Psicotécnico, Avaliação psicológica, Testagem psicológica, Concurso público, Legalidade, Conselho Federal de Psicologia, Doutrina jurídicopsicológica

Resumo

A Avaliação Psicológica para concurso público é objeto de inúmeras controvérsias, mormente, em função de uma confusão conceitual de implicações práticas desastrosas. Trata-se do equívoco, mesmo por parte dos profissionais de Psicologia, em tomar a Testagem Psicológica por Avaliação. Não obstante, poucos são os trabalhos no âmbito jurídico que tratam a respeito da diferença entre esses dois processos, bem como de suas resultâncias. Destarte, precipuamente, buscou-se, neste trabalho, demonstrar que a substituição da Avaliação Psicológica pela Testagem, no referido contexto, constitui vício de legalidade. Como objetivos específicos, fitou-se: demonstrar a natureza jurídica do Conselho Federal de Psicologia (CFP); demonstrar a legitimidade e legalidade das normas expedidas pelo CFP; diferenciar a Avaliação Psicológica da Testagem; demonstrar a legalidade da Avaliação Psicológica e, como decorrência, a ilegalidade da Testagem Psicológica para exame psicológico de concurso público. À consecução dos objetivos colimados, realizou-se uma análise teórica da literatura no âmbito da ciência psicológica, legislação e da jurisprudência, e procedeu-se dedutivamente à evidenciação das respectivas consequências. Concluiu-se ser a Avaliação Psicológica o único processo com previsão legal para ser usado pela Administração Pública na seleção de candidatos a cargo público, resultando sua suplência em ilegalidade.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, J. M.; SALES, H. F. S. In: LINS, M. R. C.; BORSA J. C. (organizadoras). Avaliação psicológica: aspectos teóricos e práticos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

BOBBIO, N. Teoria da norma jurídica (2 ed.). São Paulo: Edipro, 2003.

BRASIL. Decreto nº 9.739, de 28 de março de 2019. Estabelece medidas de eficiência

organizacional para o aprimoramento da administração pública federal direta, autárquica e fundacional, estabelece normas sobre concursos públicos e dispõe sobre o Sistema de

Organização e Inovação Institucional do Governo Federal – SIORG. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2019/decreto/D9739.htm. Acesso em 18 ago. 2020.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Súmula Vinculante n° 44. Só por lei se pode sujeitar a exame psicotécnico a habilitação de candidato a cargo público. Brasília, DF: Supremo Tribunal Federal, [2015]. Disponível em: http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/listarJurisprudencia.asp?s1=%28%2844%2ENUME%2E%29%29+E+S%2EFLSV%2E&base=baseSumulasVinculantes&url=http://tinyurl.com/j26dzpo. Acesso em 18 ago. 2020.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Agravo de Instrumento 758.533 QO-RG/MG.

Relator: Min. Gilmar Mendes, 23 jun. 2010. Disponível em:

https://www.google.com/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&uact=8&ved=2ahUKEwjq_LWR2q_oAhW6HLkGHYJYDUEQFjAAegQIAhAB&url=http%3A%2F%2Fredir.stf.jus.br%2Fpaginadorpub%2Fpaginador.jsp%3FdocTP%3DAC%26docID%3D613387&usg=AOvVaw3coUAnx6XIZWFxByR0AVs7. Acesso em 18 ago. 2020.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Agravo de Instrumento 625.617-AgR.

Relator: Min. Celso de Mello, 03 ago. 2007. Disponível em:

http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=AC&docID=475624. Acesso em 09 set. 2020.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2020]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em 18 ago. 2020.

BRASIL. Lei Federal nº 5.766, de 20 de dezembro de 1971. Cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicologia e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L5766.htm. Acesso em 18 ago. 2020.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. RE 17126 MG. Relator: Min. Hahnemann Guimarães, 01 jan. 1970. Disponível em: https://stf.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/830343/recurso-extraordinario-re-17126-mg/inteiro-teor-100522138. Acesso em 18 ago. 2020.

BRASIL. Decreto-Lei nº 200 de fevereiro de 1967. Dispõe sobre a organização da Administração Federal, estabelece diretrizes para a Reforma Administrativa e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Decreto-Lei/Del0200.htm. Acesso em 18 ago. 2020.

BRASIL. Lei Federal nº 4.119, de 27 de agosto de 1962. Dispõe sobre os cursos de

formação em psicologia e regulamenta a profissão de psicólogo. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1950-1969/l4119.htm. Acesso em 18 ago. 2020.

CAIXETA, L. V.; SILVA, I. I. C. Avaliação psicológica: possibilidades e desafios

atuais. Revista Perquirere, 11(2): 218-237, dez. 2014.

CARVALHO FILHO, J. S. Manual de Direito Administrativo. 28. ed. São Paulo: Atlas, 2015.

COHEN, R. J.; SWERDLIK, M. E.; STURMAN, E. D. (2014). Testagem e avaliação psicológicas: introdução a testes e medidas. 8 ed. Porto Alegre: AMGH, 2014.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA (2018). Resolução CFP 009/2018. Disponível em: http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/12526423/do1-2018-05-02-resolucao-n-9-de-25-de-abril-de-2018-12526419. Acesso em 18 ago. 2020.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA (2016). Resolução CFP 02/2016. Regulamenta a Avaliação Psicológica em Concurso Público e processos seletivos de natureza pública e privada e revoga a Resolução CFP Nº 001/2002. Disponível em: https://site.cfp.org.br/cfp-publica-resolucao-que-regulamenta-avaliacao-psicologica-em-concurso-publico/. Acesso em 18 ago. 2020.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA – Cartilha sobre Avaliação Psicológica. Brasília, novembro de 2013. Disponível em: https://site.cfp.org.br/publicacao/cartilha-avaliacao-psicologica-2013/. Acesso em 18 ago. 2020.

DI PIETRO, M. S. Z. 2019. Direito Administrativo. 32.ed. Rio de Janeiro: Forense, 2019.

FAIAD, C.; ALVES, I. C. B. Contribuições do Satepsi para Avaliações Psicológicas Compulsórias (Trânsito, Porte de Arma e Concursos Públicos). Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 38, n. spe, p. 50-59, 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932018000400050&lng=en&nrm=iso. Acesso em 04 set. 2020. https://doi.org/10.1590/1982-3703000208851.

FERRAZ JUNIOR, T. S. Introdução ao estudo do direito: técnica, decisão, dominação. 10 ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Atlas, 2018.

GONÇALVES, C. J. G. Análise: anulação, pelo Poder Judiciário, de ato de eliminação de candidato a concurso público decorrente de avaliação psicológica: interlocução entre direito e psicologia. Pista: Periódico Interdisciplinar, Belo Horizonte, v.2, n.1, p. 86-105, fev./jun, 2020. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/pista/article/view/23677?fbclid=IwAR1ho_qHTvTJLITUYUfg-wx9GANaLNX7vDPvA2QdM03hCvtRQHhTkOvUmyo. Acesso em 06 set. 2020.

GONÇALVES, C. J. G. Evidências de validade do fator Emotividade do teste Psicodiagnóstico Miocinético (PMK). 2018. 59 f. Monografia (Conclusão de curso) – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Faculdade de Psicologia, Belo Horizonte.

HOLANDA, A. Os conselhos de psicologia, a formação e o exercício profissional. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 17, n. 1, p. 3-13, 1997. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98931997000100002&lng=en&nrm=iso. Acesso em 18 ago. 2020. https://doi.org/10.1590/S1414-98931997000100002.

MARIANO, D. M. Estudo de precisão e validade do fator Reação Vivencial do Psicodiagnóstico Miocinético – PMK. 2017. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, Minas Gerais.

MEIRELLES, H. L.; BURLE FILHO, J. M. & BURLE, C. R. Direito Administrativo Brasileiro. 42. ed. São Paulo: Malheiros, 2016.

MELLO, C. A. B. Curso de Direito Administrativo. 26. ed. São Paulo: Malheiros, 2009.

MENDES, G. F. Controle de constitucionalidade In: G. F. MENDES; P. G. G. BRANCO.

Curso de Direito Constitucional. 7 ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

MINAS GERAIS. Tribunal de Justiça. IRDR 1.0024.12.105255-9/002. Relator

Desembargador Wander Marotta. Belo Horizonte, 29 mar. 2019. Disponível em:

https://www.tjmg.jus.br/portal-tjmg/jurisprudencia/recurso-repetitivo-e-repercussaogeral/impossibilidade-de-o-poder-judiciario-anular-o-ato-administrativo-de-reprovacao-docandidato-em-exame-psicologico-com-base-em-novo-laudo-pericial-judicial-tema-37-irdrtjmg.htm#.XmQ7KPRv_Dd. Acesso em 03 set. 2020.

PEREIRA, F. M.; PRIMI, R.; COBERO, C. Validade de testes utilizados em seleção de pessoal segundo recrutadores. Psicol. teor. prat. [online]. 2003, vol.5, n.2 [citado 2020-09-03], pp. 83-98. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-36872003000200008&lng=pt&nrm=iso. ISSN 1516-3687. Acesso em 01 set. 2020.

POLÍCIA MILITAR (MG). Centro de Recrutamento e Seleção. Edital DRH/CRS nº 06/2018. Concurso Público ao curso de formação de soldados da Polícia Militar de Minas Gerais (QPPM), para o ano de 2019 (CFSd QPPM/2019). Disponível em: https://www.policiamilitar.mg.gov.br/conteudoportal/sites/concurso/180320151300376000.pdf. Acesso em 5 set. 2020.

PRIMI, R. Inteligência: avanços nos modelos teóricos e nos instrumentos de medida. Aval. psicol., Porto Alegre, v. 2, n. 1, p. 67-77, jun. 2003. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S167704712003000100008&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 18 ago. 2020.

REPPOLD, C.T.; SERAFINI, A.J. Avaliação psicológica, ética e direitos humanos. Relatório do Ano Temático da Avaliação Psicológica 2011/2012. 2012. Disponível em: http://ow.ly/sqCS30aZlk9. Acesso em 06 set. 2020.

RICHARD, D. C. S.; HUPRICH, S. K. Clinical Psychology: Assessment, Treatment, and Research. Elsevier Science, 2008. ISBN 9780123742568. Disponível em: < https://books.google.com.bn/books?id=siY1lQEACAAJ >. Acesso em: 04 set. 2020.

RUEDA, F. J. M.; ZANINI, D. S. O que muda com a Resolução CFP n° 09/2018? Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 38, n. spe, p. 16-27, 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932018000400016&lng=en&nrm=iso. Acesso em 18 ago. 2020. http://dx.doi.org/10.1590/1982-3703000208893.

SILVA, E. R. Evidencias de Validade para o Teste Psicodiagnóstico Miocinético - PMK. 2015. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação Strictu Sensu em Psicologia da Universidade São Francisco. Itaiba, São Paulo.

SILVA, E. R.; RUEDA, F. J. M. Análise da Estrutura Interna do Psicodiagnóstico Miocinético - PMK. Psico-USF, Itatiba, v. 21, n. 3, p. 497-512, Dec. 2016. Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141382712016000300497&lng=en&nrm=iso. Acesso em 03 set. 2020. https://doi.org/10.1590/1413-82712016210305.

SCHMITT, C. Legalidad y legitimidad. Madrid: Aguilar, 1971.

THADEU, S. H.; FERREIRA, M. C. A validade da avaliação psicológica em um processo seletivo na área de segurança pública. Revista Iberoamericana de Diagnóstico y Evaluación e Avaliação Psicológica, 2(36), 117-145. 2013. Disponível em: https://www.aidep.org/03_ridep/R36/Art.%206.pdf. Acesso em 04 set. 2020.

THADEU, S. H.; FERREIRA, M. C.; FAIAD, C. A avaliação psicológica em processos seletivos no contexto da segurança pública. Aval. psicol., Itatiba, v. 11, n. 2, p. 229-238, ago. 2012. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-04712012000200008&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 04 set. 2020.

THEODORO JÚNIOR, H. Curso de Direito Processual Civil –Teoria geral do direito processual civil e processo de conhecimento – vol. I. 55 ed. rev. atual. Rio de Janeiro: Forense, 2014.

URBINA, S. Fundamentos da testagem psicológica. Porto Alegre: Artmed, 2007.

VASCONCELOS, A. G. (2010). Evidências de validade preditiva de medidas psicológicas em relação ao desempenho no trabalho: um estudo de caso em uma organização militar (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

VASCONCELOS, A G.; SAMPAIO, J. R.; NASCIMENTO, E. PMK: Medidas válidas para a predição do desempenho no trabalho? Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre, v. 26, n. 2, p. 251 260, 2013.

Publicado
16-08-2021
Seção
Artigos de Discentes e Egressos