DIÁLOGOS ENTRE DIREITO E GÊNERO

A essencialidade tributária e o uso de bens de higiene pessoal e cuidado na formação da identidade da mulher

  • Sabrina da Silva Fernandes
Palavras-chave: Tributação, Gênero, Pesquisa quantitativa-qualitativa, Essencialidade, Princípio da Seletividade, Mulher

Resumo

Este estudo trata sobre a essencialidade dos produtos de higiene pessoal e cuidado para mulheres. Busca analisar quais produtos são considerados como indispensáveis a sua rotina, em comparação aos homens, e, a partir disso, a aplicação do princípio da seletividade nesses bens, tendo em mente as alíquotas aplicadas. Para essa análise, utiliza-se como metodologia referências bibliográficas que permitem fundamentar a discussão sobre a construção de papéis de gênero. Ainda, se vale de uma pesquisa quantitativa-qualitativa, com aplicação de um questionário a homens e mulheres, a fim de mapear um padrão de consumo para homens e mulheres, de acordo com o critério da essencialidade. A análise feita teve como objetivo inferir, a partir do padrão de consumo identificado, a relação entre a construção dos papéis de gênero e os produtos de higiene pessoal, principalmente no que diz respeito à composição de uma identidade pela mulher. Assim, buscou-se relatar a forma como as mulheres são impactadas pela tributação desses produtos, que, apesar de considerados essenciais por elas, sofrem a aplicação de alíquotas de bens supérfluos. Conclui-se, tendo como base as noções de igualdade tributária, Justiça Fiscal, regressividade e gênero, que as mulheres, além de consumirem mais produtos de higiene pessoal e cuidados que os homens, são, como consequência, mais oneradas em sua renda total. Isso dificulta o acesso a esses produtos e, também, a construção de uma identidade, o que impede o reconhecimento perante o outro como um sujeito de direitos e deveres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ÁVILA, Humberto Bergmann. Sistema constitucional tributário: de acordo com a Emenda Constitucional n. 42, de 19.12.2003. São Paulo: Saraiva, 2004a.

AZEVEDO, Maria Fernandes Caldeira de. O conceito de patriarcado nas análises teóricas das ciências sociais: uma contribuição feminista. Revista Três Pontos, Belo Horizonte, v.13, n.1, 2016.
BALEEIRO, Aliomar. Limitações constituicionais ao poder de tributar. 8.
ed. 5. atual. por Misabel Abreu Machado Derzi. Rio de Janeiro: Forense,2010.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Tradução de Plínio Azevedo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar 2001.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1960.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Centro Gráfico, 1988

BRYAN, C. et al. Cientific Methodology. NewYork: Trous, 1992.

BRITO MACHADO, Hugo de. Curso de Direito Tributário. 42. ed. São Paulo:Malheiros, 2020.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Tradução de Maria Helena Kühner. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CALDEIRA, Jorge. Viagem pela História do Brasil. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 1997.

COÊLHO, Sacha Calmon Navarro. Curso de Direito Tributário. Rio de Janeiro. Forense, 2019.

DA MATTA, Roberto. Carnavais, Malandros e Heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Guanabara, 1990.

DANILEVICZ, Rosane Beatriz Jachimovsk. O princípio da essencialidade
na tributação. Revista de Direito da UFRGS, Porto Alegre, n. 28,out.p.135-155, 2011.

DANTAS, Leticia. Justiça Fiscal e Gênero no Brasil: como o Sistema Tributário contribui para manter a desigualdade de gênero no Brasil. In: Política Fiscal e Gênero. Coleção de Direito Tributário e Financeiro. Belo Horizonte: Casa do Direito, 2020.

DCE. From Cradle to Crane: the coast of being a female costumer. New York: NYC Consumer Affairs, 2015. .

DESLAURIERS, Jean-Pierre; KÉRISIT, Michèle. O delineamento da pesquisa qualitativa. In: POUPART, Jean. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. 2. ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2010.

ELIAS. Juliana. Mulheres ganham 19% menos que homens - no topo, a diferença é de mais 30%. CNN. 2021. Disponível em:https://www.cnnbrasil.com.br/business/2021/04/02/mulheres-ganham-19-menos-que-homens-no-topo-diferenca-e-de-mais-de-30. Acesso em 20 de maio 2021.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1979.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. 18. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2009.

FAUSTO-STERLING, Anne . Myths about gender: biological theories about women and men . Nova York, Basic Books, 1975.

G.W.F. Hegel . Fenomenologia do Espírito. São Paulo. Abril, 1974. (Os Pensadores).

GODOI, Marciano Seabra de; MELO, Luciana Grassano; SARAIVA, Ana Pontes. Política Fiscal e Gênero. Coleção de Direito Tributário e Financeiro. Belo Horizonte: Casa do Direito, 2020.

HALL, Stuart. Quem precisa da identidade? In: SILVA, T. T. (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estatísticas de Gênero: indicadores sociais das mulheres. Estudos e Pesquisas nº39. 2019.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Mulheres dedicam mais horas aos afazeres domésticos e cuidado das pessoas, mesmo em situações ocupacionais iguais a dos homens. Rio de Janeiro: IPEA, 2019. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/24266-mulheres-dedicam-mais-horas-aos-afazeres-domesticos-e-cuidado-de-pessoas-mesmo-em-situacoes-ocupacionais-iguais-a-dos-homens. Acesso em 20/05/2021. Acesso em: 20 maio 2021.

IRIGARAY, Luce. An ethics of sexual difference. Ithaca: Cornell University Press, 1984.

LACAN, Jacques. O seminário, Livro 20: mais, ainda. 2.ed. rev.. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1972

LEONARDI, Ana Carolina. Mulheres que usam maquiagem ganham mais. Super Interessante, 2017. Disponível em: https://super.abril.com.br/comportamento/mulheres-que-usam-maquiagem-ganham-mais/. Acesso em maio de 2021.

MCCRACKEN, Grant. Cultura e consumo: novas abordagens ao caráter simbólico dos bens e das atividades de consumo. Rio de Janeiro: MAUAD, 2003

MACHADO SEGUNDO, Hugo de Brito. Curso de direito tributário. Atlas, 11. ed., 2019.

MACHADO, Maira do Vale; PEREIRA, Severiano Joaquim Nunes. Espelho, Espelho Meu, Quem Sou Eu? Consumo Estético e a Construção da Identidade
da Mulher.In: ENCONTRO DE MARKETING DA ANPD, 4., 2010, Florianópolis. Anais [...] . Florianópolis:ANPD, 2010.

MADERS, Angelita Maria; ANGELIN, Rosângela. A construção da equidade nas relações de gênero e o movimento feminista no Brasil: avanços e desafios. Cadernos de Direito, Piracicaba,. v. 10, n.19, p. 91-115, 2010.

MEAD, Margareth. Sexo e temperamento. São Paulo: Perspectiva, 1979

PAULSEN. Leandro. Curso de direito tributário completo. 12. ed. Saraiva. 2021

PERROT, Michelle. As mulheres ou os silêncios da história. Bauru, SP: Edusc, 2005

PISCITELLI, Tathiane. Tributação e gênero. Jota. 2019. Disponível em: https://www.jota.info/opiniao-e-analise/artigos/tributacao-e-genero-03052019 Acesso em maio de 2021

RAWLS, John. O liberalismo político. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2011.

SAMPIERI, Roberto Hernández; COLLADO, Carlos Fernández; LUCIO, Maria del Pilar Batista. Metodologia de Pesquisa. In: SAMPIERI, Roberto Hernández; COLLADO, Carlos Fernández; LUCIO, Maria del Pilar Batista. Definição do alcance da pesquisa a ser realizada: exploratória, descritiva, correlacional ou explicativa. 5. ed. Porto Alegre: Penso, 2013.

SCHOUTEN, John W. Selves. Symbolic consumption in personal rites of passage and identity reconstruction. Journal of Consumer Research.New York. v. 17, p. 412-425, 1991.

TEIXEIRA, Alessandra Machado Brandão. A não cumulatividade do ICMS e o entendimento do STF e do STJ. Revista dialética de direito tributário, n.207, p.14-23. Imprensa: São Paulo. 2012.

TEIXEIRA, Daniel Viana. Desigualdade de Gênero: sobre garantias e responsabilidades sociais de homens e mulheres. Revista de Direito FGV. São Paulo, v. 6,n.1, Jun, 2010.Disponível em: https://www.scielo.br/j/rdgv/a/cfxjZqpdBnmLG7w4vJr9rJr/?lang=pt. Acesso em maio de 2021.

WOLF, Naomi. O Mito da beleza: como as imagens de beleza são usadas contra as mulheres. Rio de Janeiro: Rocco, 2002.

TAYLOR, Charles. Multiculturalismo: examinando a política de reconhecimento. Lisboa: Instituto Piaget, l994

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, T. T. (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.
Publicado
10-09-2021
Seção
Artigos de Discentes e Egressos